In­te­lec­tu­al en­ga­ja­do, eco­no­mis­ta ti­nha ri­gor me­tó­di­co e amor aos da­dos

Folha De S.Paulo - - Poder - FER­NAN­DO HEN­RI­QUE CAR­DO­SO

FO­LHA

Lo­go que re­ce­bi o pe­di­do da Fo­lha pa­ra me ma­ni­fes­tar so­bre Paul Sin­ger, fi­quei pen­san­do: o que o ca­rac­te­ri­zou co­mo in­te­lec­tu­al? Não te­nho dú­vi­das, seu ri­gor me­tó­di­co, seu amor aos da­dos, à pes­qui­sa, e o nun­ca ha­ver per­di­do a no­ção de­que­a­e­co­no­mia,co­mo­as­de­mais ci­ên­ci­as so­ci­ais, não dis­pen­sa o olhar do hu­ma­nis­ta. In­te­lec­tu­al po­li­ti­ca­men­te en­ga­ja­do, nun­ca o foi em de­tri­men­to dos va­lo­res que men­ci­o­nei.

Tal­vez sua me­lhor con­tri­bui­ção no pla­no aca­dê­mi­co te­nha si­do a jun­ção en­tre eco­no­mia, de­mo­gra­fia e so­ci­o­lo­gia. Os li­vros que o tor­na­ram ini­ci­al­men­te co­nhe­ci­do pro­vêm des­te en­con­tro de ver­ten­tes: “Di­nâ­mi­ca Po­pu­la­ci­o­nal e De­sen­vol­vi­men­to”, de 1970, e “Eco­no­mia Po­lí­ti­ca da Ur­ba­ni­za­ção”, es­te pu­bli­ca­do pe­la edi­to­ra Bra­si­li­en­se em 1973.

Na épo­ca da pu­bli­ca­ção des­tes li­vros Paul já tra­ba­lha­va no Cebrap, em es­trei­to con­ta­to com a pi­o­nei­ra em vá­ri­os se­to­res da de­mo­gra­fia bra­si­lei­ra, El­za Berquó, e já se de­di­ca­ra aos es­tu­dos ur­ba­nos. Gra­du­a­ra-se em 1966 co­mo dou­tor em so­ci­o­lo­gia, sob a ori­en­ta­ção de Flo­res­tan Fer­nan­des, pu­bli­can­do, pou­cos anos de­pois, “De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e Evo­lu­ção Ur­ba­na”, on­de ana­li­sa a evo­lu­ção de cin­co ci­da­des brasileiras. En­tre 1966 e 1967 es­tu­da­ra de­mo­gra­fia em Prin­ce­ton.

Men­ci­o­nar seus pri­mei­ros li­vros não quer di­zer que Paul Sin­ger ha­ja dei­xa­do de la­do, no cor­rer do tem­po, sua cu­ri­o­si­da­de e a atra­ção por te­mas no­vos. Os es­tu­dos so­bre eco­no­mia so­li­dá­ria, re­che­a­dos pe­la ex­pe­ri­ên­cia po­lí­ti­ca co­mo se­cre­tá­rio do Pla­ne­ja­men­to da ci­da­de de São Paulo no pe­río­do de Luiza Erun­di­na e, mais tar­de, co­mo se­cre­tá­rio Na­ci­o­nal de Eco­no­mia So­li­dá­ria, no Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho, fun­ção que exer­ceu a par­tir de 2003, le­va­ram-no a ser um dos ini­ci­a­do­res des­te ti­po de aná­li­se.

Sua ação e su­as pu­bli­ca­ções nes­te novo cam­po de­ram-lhe, in­clu­si­ve, am­plas co­ne­xões in­te­lec­tu­ais com os que se de­di­ca­ram a vis­lum­brar for­mas de tra­ba­lho que, mes­mo in­se­ri­das nas eco­no­mi­as ca­pi­ta­lis­tas, não fos­sem mo­ti­va­das nem en­gen­dra­das ape­nas pe­la vo­lú­pia do lu­cro.

Ao res­sal­tar as con­tri­bui­ções de Paul na in­ter­fa­ce da eco­no­mia com a de­mo­gra­fia ou com o ur­ba­nis­mo não des­de­nho, tam­pou­co, sua for­ma­ção co­mo eco­no­mis­ta. Gra­du­a­do pe­la FEA, on­de, pos­te­ri­or­men­te, foi pro­fes­sor (com­pul­so­ri­a­men­te afas­ta­do do en­si­no em 1969, co­mo eu e mui­tos mais), des­de sem­pre se pre­o­cu­pou com co­nhe­cer me­lhor as en­gre­na­gens do sis­te­ma ca­pi­ta­lis­ta e de su­as evo­lu­ções.

Quan­do, ain­da nos anos 50, for­mou-se um gru­po de jo­vens as­sis­ten­tes da Fa­cul­da­de de Fi­lo­so­fia, Ci­ên­ci­as e Le­tras da USP pa­ra ler sis­te­ma­ti­ca­men­te a obra de Marx, não só “O Ca­pi­tal”, mas tam­bém os den­sos vo­lu­mes da His­tó­ria Crí­ti­ca da Mais-va­lia, ele se jun­tou a nós e era quem mais sa­bia eco­no­mia.

Os que cur­sá­ra­mos ci­ên­ci­as so­ci­ais tí­nha­mos al­gum co­nhe­ci­men­to, pos­to que àque­la al­tu­ra a dis­ci­pli­na era obri­ga­tó­ria. Eu mes­mo, no­me­a­do em 1953 as­sis­ten­te da ca­dei­ra de His­tó­ria Econô­mi­ca da FEA, se­gui al­guns os cur­sos lá pa­ra me­lhor en­ten­der o con­teú­do da dis­ci­pli­na­em­quei­ri­a­tra­ba­lhar.

Paul Sin­ger, en­tre­tan­to, so­ma­va ao co­nhe­ci­men­to aca­dê­mi­co du­as ca­rac­te­rís­ti­cas que nos em­be­be­ci­am: tra­ba­lha­ra em uma fá­bri­ca de ele­va­do­res (pois se ti­nha for­ma­do co­mo ele­tro­téc­ni­co no cur­so pro­fis­si­o­nal se­cun­dá­rio) e ha­via si­do mi­li­tan­te sin­di­cal. Ide­al da épo­ca: jun­ta­va te­o­ria e prá­ti­ca.

O gru­po que le­ra “O Ca­pi­tal” dis­cu­tia os tex­tos com pai­xão aca­dê­mi­ca, mas ti­nha pou­ca ex­pe­ri­ên­cia po­lí­ti­ca, com a ex­ce­ção de­le e mi­nha. Paul ha­via si­do mem­bro do mo­vi­men­to a fa­vor dos ki­but­zim is­ra­e­len­ses (o Dror) e no Par­ti­do So­ci­a­lis­ta e eu per­ten­ce­ra ao Par­ti­dão de 1949 a 1954.

Em nos­sas aca­lo­ra­das dis­cus­sões, nas quais de­ba­tía­mos se ha­ve­ria uma “an­tro­po­lo­gia fun­dan­te” pa­ra sus­ten­tar o mar­xis­mo (po­si­ção, no­ta­da­men­te, de Ben­to Pra­do) ou se se­ria me­lhor vê-lo co­mo um “sis­te­ma ob­je­ti­vo” no qual as re­la­ções de pro­du­ção fun­da­men­ta­ri­am sua pró­pria ló­gi­ca (com Jo­sé Arthur Gi­an­not­ti à fren­te), Sin­ger era o pon­to de sen­sa­tez. Des­trin­cha­va no tex­to em ale­mão as com­pli­ca­das ex­pli­ca­ções de Marx e nos obri­ga­va a ater­ris­sar ne­las, não se es­que­cen­do de pu­xar a bra­sa pa­ra sua sar­di­nha: ha­ve­ria que de­sem­bo­car em uma ação po­lí­ti­ca que le­vas­se à trans­for­ma­ção da si­tu­a­ção vi­gen­te.

Nes­te mo­men­to de re­cor­da­ção qu­e­ro mar­car tam­bém a fi­gu­ra hu­ma­na. Sem­pre edu­ca­do e aten­to, mui­tas ve­zes tra­ves­ti­do de in­gê­nuo, Paulo —eu nun­ca o cha­mei de Paul— era uma do­ce fi­gu­ra.

Tra­ba­lha­mos jun­tos anos a fio no Cebrap. Co­nhe­ci sua pri­mei­ra mu­lher, Evely­ne, tan­to no Bra­sil co­mo no Chi­le e na Fran­ça,foi­a­mãe­doAn­dré(que nas­ceu na mes­ma ma­ter­ni­da­de e no mes­mo dia em que nas­ceu mi­nha fi­lha Lu­ci­a­na). Fui ami­go da Me­la­nie, sua se­gun­da es­po­sa, com quem par­ti­lha­mos tan­tas ve­zes os jan­ta­res e vez por ou­tra as par­ti­das de pô­quer, que Paulo, co­mo eu e ou­tro gran­de ami­go, Cân­di­do Pro­có­pio de Ca­mar­go, gos­tá­va­mos de jo­gar. Deixa sau­da­des. FER­NAN­DO HEN­RI­QUE CAR­DO­SO “Sem­pre foi, pa­ra mim, um gran­de exem­plo: de­di­cou-se co­mo pou­cos a pen­sar em uma eco­no­mia que ser­vis­se à so­ci­e­da­de. A FEAUSP per­deu quem foi seu me­lhor re­pre­sen­tan­te na are­na pú­bli­ca e po­lí­ti­ca na­ci­o­nais.” An­ge­la Alon­so, pre­si­den­te do Cebrap (Cen­tro Bra­si­lei­ro de Aná­li­se e Pla­ne­ja­men­to) e pro­fes­so­ra da USP “Um dos fun­da­do­res do Cebrap, Sin­ger fez vá­ri­as pes­qui­sas e par­ti­ci­pou de um li­vro se­mi­nal ‘São Paulo: Cres­ci­men­to e Po­bre­za’. Foi um in­te­lec­tu­al en­ga­ja­do, aber­to e, to­dos que con­vi­ve­ram com ele con­cor­dam, ge­ne­ro­so.” Paulo Tei­xei­ra, de­pu­ta­do fe­de­ral (PT-SP) “Tris­te no­tí­cia pa­ra o Bra­sil. Uma gran­de per­da pa­ra to­dos. Era um exem­plo de vi­da, de­di­ca­do às cau­sas po­pu­la­res. Vou de­di­car a ele o PL so­bre o Mar­co Re­gu­la­tó­rio da Eco­no­mia So­li­dá­ria e de­no­mi­nar a lei de Paul Sin­ger.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.