Ins­pe­ção de ar­mas quí­mi­cas é adi­a­da

Folha De S.Paulo - - Poder -

DAS AGÊN­CI­AS DE NO­TÍ­CI­AS

A vi­si­ta de ins­pe­to­res in­ter­na­ci­o­nais nes­ta se­gun­da (16) à Síria pa­ra ana­li­sar um ata­que quí­mi­co foi adi­a­da, le­van­do à tro­ca de acu­sa­ções en­tre Rús­sia e po­tên­ci­as oci­den­tais so­bre a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo atra­so.

O go­ver­no bri­tâ­ni­co dis­se que Da­mas­co e Mos­cou im­pe­di­ram a ida dos agen­tes da Opaq (Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Proi­bi­ção das Ar­mas Quí­mi­cas) até a ci­da­de de Du­ma, on­de te­ria acon­te­ci­do o ata­que no dia 7 de abril que dei­xou cer­ca de 40 mor­tos.

Rei­no Uni­do, EUA e Fran­ça cul­pam a Síria, que tem apoio da Rús­sia, pe­lo ata­que, mas o di­ta­dor Bashar al-As­sad ne­ga par­ti­ci­pa­ção. Por is­so, os três paí­ses au­to­ri­za­ram uma ofen­si­va aé­rea con­tra a Síria na sex­ta (13), mes­mo dia da che­ga­da dos ins­pe­to­res da Opaq em Da­mas­co.

Mos­cou afir­ma que foi es­se ata­que que aca­bou adi­an­do a vi­si­ta.

“O pro­ble­ma é a fal­ta de ga­ran­ti­as do De­par­ta­men­to de Se­gu­ran­ça e Pro­te­ção da ONU pa­ra os es­pe­ci­a­lis­tas da Opaq vi­si­ta­rem o lo­cal”, dis­se o vi­ce-chan­ce­ler rus­so, Ser­guei Ryab­kov.

Em res­pos­ta, o re­pre­sen­tan­te bri­tâ­ni­co na Opaq, Pe­ter Wil­son, afir­mou que a equi­pe foi li­be­ra­da pe­la ONU mas não po­de che­gar ao lo­cal por­que Rús­sia e Síria não ga­ran­ti­ram se­gu­ran­ça.

Na noi­te des­ta se­gun­da (16), a TV es­ta­tal síria afir­mou que Homs, no oes­te do país, era al­vo de novo ata­que a mís­sil, par­ci­al­men­te in­ter­cep­ta­do. O Pen­tá­go­no, po­rém, ne­gou que te­nha exe­cu­ta­do um novo bom­bar­deio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.