Dar de­cla­ra­ções na TV.

Folha De S.Paulo - - Poder -

O pre­si­den­te dos EUA, Do­nald Trump, fre­ou nes­ta se­gun­da (16) um pla­no pa­ra am­pli­ar as san­ções econô­mi­cas so­bre a Rús­sia, con­tra­ri­an­do a de­cla­ra­ção da vés­pe­ra da em­bai­xa­do­ra ame­ri­ca­na na ONU, Nik­ki Ha­ley.

A pre­pa­ra­ção de no­va pu­ni­ção a Mos­cou por apoi­ar o re­gi­me de Bashar al-As­sad na Síria após o ata­que com ar­mas quí­mi­cas atri­buí­do a ele no iní­cio do mês cau­sou cons­ter­na­ção na Ca­sa Bran­ca.

Ha­ley de­cla­rou em um pro­gra­ma de TV no do­min­go que já na se­gun­da po­de­ri­am ser anun­ci­a­das san­ções con­tra em­pre­sas rus­sas as­so­ci­a­das ao equi­pa­men­to usa­do no ata­que em Du­ma.

Mas au­to­ri­da­des rus­sas cri­ti­ca­ram o pla­no, afir­man­do que a re­a­ção era ex­ces­si­va.

Em reu­nião com as­ses­so­res de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal no do­min­go, Trump se dis­se ir­ri­ta­do com o anún­cio pre­co­ce e afir­mou não se sen­tir con­for­tá­vel com mais san­ções, dis­se­ram pes­so­as fa­mi­li­a­ri­za­das com o pla­no.

Se­gun­do fun­ci­o­ná­ri­os do go­ver­no, as san­ções es­ta­vam em es­tu­do com ou­tras pos­sí­veis me­di­das con­tra a Rús­sia, mas Trump não deu au­to­ri­za­ção pa­ra a im­ple­men­ta­ção —e é im­pro­vá­vel que ve­nha a dar.

A Ca­sa Bran­ca te­ria, ain­da, no­ti­fi­ca­do a Em­bai­xa­da da Rús­sia em Washing­ton, após as de­cla­ra­ções de Ha­ley, de que não ha­ve­ria san­ções, se­gun­do fon­tes rus­sas. No mes­mo dia, a equi­pe de Trump clas­si­fi­cou a de­cla­ra­ção de Ha­ley co­mo “fa­lha de co­mu­ni­ca­ção”, e a por­ta-voz do go­ver­no, Sa­rah Huc­ka­bee San­ders, afir­mou que as me­di­das es­ta­vam “em es­tu­do”.

Al­guns fun­ci­o­ná­ri­os, po­rém, ex­pres­sam ce­ti­cis­mo quan­to à su­pos­ta pre­ci­pi­ta­ção de Ha­ley, lem­bran­do que ela é dis­ci­pli­na­da e pe­de apro­va­ção de Trump an­tes de CARDÁPIO À MÃO As san­ções fo­ram de­se­nha­das nas úl­ti­mas se­ma­nas co­mo par­te de um cardápio rá­pi­do de me­di­das po­lí­ti­cas e econô­mi­cas que o go­ver­no Trump po­de­ria ado­tar pa­ra con­tra-ata­car o re­gi­me de As­sad e seus pa­tro­nos rus­sos.

No co­me­ço de mar­ço, de­pois de um ata­que com ar­mas quí­mi­cas de es­ca­la re­la­ti­va­men­te pe­que­na na Síria, Trump se ir­ri­tou por não dis­por de um le­que ime­di­a­to de op­ções, e por is­so o en­tão as­ses­sor de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal, H.R. McMas­ter, pre­pa­rou um me­nu de pos­sí­veis ações.

O en­ve­ne­na­men­to do exes­pião rus­so Ser­guei Skri­pal em so­lo bri­tâ­ni­co no iní­cio de mar­ço le­vou Washing­ton a ado­tar o pri­mei­ro pa­co­te de san­ções econô­mi­cas pro­pos­tas por McMas­ter e a ex­pul­sar 60 di­plo­ma­tas rus­sos do país, em ação co­or­de­na­da com ali­a­dos eu­ro­peus.

O ata­que quí­mi­co atri­buí­do às for­ças de As­sad con­tra a ci­da­de de Du­ma, no co­me­ço de abril, re­a­briu o de­ba­te na Ca­sa Bran­ca so­bre mais pu­ni­ções à Rús­sia.

O pre­si­den­te pa­re­cia in­clu­si­ve se re­fe­rir a es­sas me­di­das em seu dis­cur­so anun­ci­an­do ata­ques a mís­sil con­tra o re­gi­me de As­sad, na noi­te de sex­ta (13), quan­to pro­me­teu que os EUA re­a­gi­ri­am “com to­dos os ins­tru­men­tos do po­de­rio na­ci­o­nal: mi­li­ta­res, econô­mi­cos e di­plo­má­ti­cos”.

Mas não fi­cou cla­ro se ele de­se­ja­va apli­car o pró­xi­mo bloco de me­di­das ou se es­pe­ra­ria pa­ra fa­zê-lo ape­nas quan­do hou­ves­se um novo ata­que, dis­se um al­to fun­ci­o­ná­rio do go­ver­no ame­ri­ca­no.

As de­cla­ra­ções de Ha­ley têm pe­so ex­tra por­que os EUA es­tão sem se­cre­tá­rio de Es­ta­do —Trump de­mi­tiu Rex Til­ler­son, e seu subs­ti­tu­to, Mi­ke Pom­peo, ain­da não re­ce­beu o aval do Con­gres­so.

Com is­so, a em­bai­xa­do­ra tem si­do o ros­to da di­plo­ma­cia ame­ri­ca­na, com pa­pel es­pe­ci­al­men­te im­por­tan­te na re­a­ção do go­ver­no Trump ao ata­que quí­mi­co na Síria.

Após seus co­men­tá­ri­os na TV no do­min­go, po­rém, Dmi­tri Pes­kov, se­cre­tá­rio de im­pren­sa do Krem­lin, dis­se a jor­na­lis­tas em Mos­cou que as san­ções eram uma tra­ma dos EUA pa­ra ti­rar a Rús­sia dos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais, “uma ten­ta­ti­va es­can­ca­ra­da de con­cor­rên­cia des­le­al”.

Pes­kov acres­cen­tou que as me­di­das “não têm re­la­ção com a si­tu­a­ção da Síria ou de qual­quer ou­tro país”. “Mi­nha de­fi­ni­ção pa­ra is­so é que é uma pi­lha­gem in­ter­na­ci­o­nal, e não ou­tra coi­sa”, afir­mou.

De­pois que o Krem­lin foi in­for­ma­do pe­la em­bai­xa­da em Washing­ton de que não ha­ve­ria no­vas san­ções, o tom das crí­ti­cas se abran­dou, as­sim co­mo as ame­a­ças de con­tra-ata­que. Nes­ta se­gun­da, a Câ­ma­ra rus­sa anun­ci­ou que es­pe­ra­rá até 15 de maio pa­ra de­ci­dir se ha­ve­rá re­ta­li­a­ção.

Ali Hashisho/Reu­ters

Fa­mí­lia síria pas­sa por es­com­bros em Du­ma, bas­tião re­bel­de que foi al­vo de ação mi­li­tar do re­gi­me de Bashar al-As­sad

Tol­ga Ak­men/AFP

“Não no meu no­me”, protestam ma­ni­fes­tan­tes em Lon­dres após ata­que de EUA, Rei­no Uni­do e Fran­ça à Síria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.