Cres­ce re­pres­são a jor­na­lis­tas cu­ba­nos

Folha De S.Paulo - - Mundo -

DE SÃO PAULO

Em meio à ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca pro­vo­ca­da pe­la mu­dan­ça de go­ver­no em Cu­ba e após anún­cio do pre­si­den­te dos EUA, Do­nald Trump, de que cri­a­ria um “gru­po ope­ra­ci­o­nal” pa­ra apoi­ar o aces­so dos cu­ba­nos à in­ter­net, hou­ve um au­men­to da re­pres­são aos jor­na­lis­tas na ilha.

A con­clu­são es­tá em re­la­tó­rio da So­ci­e­da­de In­te­ra­me­ri­ca­na de Im­pren­sa (SIP) pu­bli­ca­do nes­te fim de se­ma­na.

“Os ata­ques já não são con­tra os jor­na­lis­tas e sua in­te­gri­da­de fí­si­ca, mas tam­bém su­as ca­sas são re­vis­ta­das e eles são proi­bi­dos de sair de su­as ci­da­des e, em al­gu­mas oca­siões, do país sim­ples­men­te por exer­ce­rem o jor­na­lis­mo”, diz o re­la­tó­rio.

Ou­tros pro­ble­mas ci­ta­dos são ame­a­ças de re­pre­sá­li­as con­tra fa­mi­li­a­res de pro­fis­si­o­nais e jor­na­lis­tas de­ti­dos ou cha­ma­dos pa­ra pres­tar de­poi­men­to. “To­das es­sas agres­sões se dão em um cli­ma de to­tal fal­ta de defesa ju­rí­di­ca e de um Es­ta­do que go­ver­na tu­do”, diz a SIP.

O cus­to da in­ter­net é ou­tra ques­tão —um sa­lá­rio mé­dio men­sal con­se­gue pa­gar por ape­nas 30 ho­ras de co­ne­xão. O ser­vi­ço de te­le­co­mu­ni­ca­ções é mo­no­pó­lio es­ta­tal.

Se­gun­do o re­la­tó­rio, a es­pi­o­na­gem de emails e a clo­na­gem de per­fis em re­des so­ci­ais são “mo­e­da cor­ren­te” no país, e si­tes jor­na­lís­ti­cos e de or­ga­nis­mos de di­rei­tos hu­ma­nos são blo­que­a­dos.

A Ve­ne­zu­e­la é ou­tro exem­plo de de­te­ri­o­ra­ção da li­ber­da­de de im­pren­sa, com au­men­to de vi­o­la­ções sis­te­má­ti­cas con­tra jor­na­lis­tas e mei­os de co­mu­ni­ca­ção.

A es­ta­tal Cor­po­ra­ção Alfredo Ma­nei­ro, que tem mo­no­pó­lio da ven­da e da dis­tri­bui­ção do pa­pel de jor­nal, é uti­li­za­da “co­mo ar­ma de dis­cri­mi­na­ção pa­ra cas­ti­gar a im­pren­sa”. No­ve jor­nais dei­xa­ram de ser pu­bli­ca­dos nos úl­ti­mos seis me­ses.

Três TVs e 46 rá­di­os tam­bém fe­cha­ram, “co­mo pro­du­to da cri­se econô­mi­ca, da fal­ta de publicidade e da as­fi­xia go­ver­na­men­tal con­tra mei­os crí­ti­cos e in­de­pen­den­tes”.

Se­gun­do da­dos do Ins­ti­tu­to de Im­pren­sa e So­ci­e­da­de da Ve­ne­zu­e­la, en­tre agos­to de 2013 e fe­ve­rei­ro de 2018 35 diá­ri­os dei­xa­ram de cir­cu­lar. Des­tes, 18 fe­cha­ram de­fi­ni­ti­va­men­te e 16 sus­pen­de­ram su­as edições em pa­pel.

O Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal de Tra­ba­lha­do­res da Im­pren­sa do­cu­men­tou 498 agres­sões e 66 de­ten­ções de jor­na­lis­tas em 2017. Mui­ta des­sa vi­o­lên­cia fi­ca im­pu­ne.

“Os uni­for­mi­za­dos [po­li­ci­ais, mi­li­ta­res e mi­lí­ci­as] ame­a­çam, in­sul­tam, ame­dron­tam, es­pan­cam, rou­bam e de­têm jor­na­lis­tas sob quais­quer cir­cuns­tân­ci­as. São obri­ga­dos a apa­gar fo­tos, ví­de­os e áu­di­os, e têm seus ce­lu­la­res, câ­me­ras e gra­va­do­res rou­ba­dos”, diz o re­la­tó­rio.

O Bra­sil é cri­ti­ca­do pe­la im­pu­ni­da­de em re­la­ção aos as­sas­si­na­tos de Jef­fer­son Pu­re­za Lo­pes, ra­di­a­lis­ta de Goiás, e Ue­li­ton Bayer Bri­zon, edi­tor de um jor­nal de Rondô­nia.

Im­pren­sa Pre­si­den­ci­al/AVN/Xi­nhua

Evo Mo­ra­les, da Bo­lí­via (esq.), e Ni­co­lás Ma­du­ro, da Ve­ne­zu­e­la, se reú­nem em Ca­ra­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.