Ra­bi­no ul­tra­or­to­do­xo de Je­ru­sa­lém não re­co­nhe­ce Es­ta­do de Is­ra­el

Folha De S.Paulo - - Mundo -

DO EN­VI­A­DO ES­PE­CI­AL A JE­RU­SA­LÉM

Quan­do o ra­bi­no Meir Hirs­ch, 63, fa­la so­bre o país em que vi­ve, si­na­li­za as­pas in­vi­sí­veis com as mãos: “o Es­ta­do de Is­ra­el”. Um ul­tra­or­to­do­xo no ex­tre­mo do es­pec­tro, ele não re­co­nhe­ce a fun­da­ção des­sa na­ção em 1948. Se­gun­do a sua cren­ça, o ver­da­dei­ro Es­ta­do só vi­rá com a che­ga­da do mes­si­as.

Hirs­ch é o lí­der do mo­vi­men­to Ne­tu­rei Kar­ta, cri­a­do em 1938 pa­ra se opor ao pro­je­to si­o­nis­ta de er­guer um país no que era en­tão o ter­ri­tó­rio oto­ma­no da Pa­les­ti­na. Ele or­ga­ni­za pro­tes­tos e cam­pa­nhas in­ter­na­ci­o­nais pa­ra pe­dir que Is­ra­el --que ce­le­bra 70 anos nes­ta quar­ta-fei­ra (18) à noi­te, se­gun­do o ca­len­dá­rio ju­dai­co -- desapareça.

O ra­bi­no re­ce­beu a Fo­lha em sua ca­sa no bair­ro ul­tra­or­to­do­xo de Mea She­a­rim (mil por­tões, em he­brai­co). É um dos re­du­tos mais re­li­gi­o­sos de Je­ru­sa­lém, on­de vi­vem co­mu­ni­da­des her­mé­ti­cas de is­ra­e­len­ses que se­guem à ris­ca as re­gras da tra­di­ção ju­dai­ca. Aos sá­ba­dos, seu dia sa­gra­do, as ru­as são blo­que­a­das aos car­ros.

O ul­tra­or­to­do­xos vi­vem re­la­ti­va­men­te à mar­gem da so­ci­e­da­de is­ra­e­len­se, isen­tos, por exem­plo, de cum­prir o ser­vi­ço mi­li­tar obri­ga­tó­rio de três anos aos ho­mens e de dois às mu­lhe­res. Mas seus par­ti­dos po­lí­ti­cos, co­mo o Shas e o Agu­dat Is­ra­el, par­ti­ci­pam do Par­la­men­to.

Mas Hirs­ch é um mo­ra­dor in­co­mum de Mea She­a­rim. Há um ade­si­vo em sua por­ta que diz “sou ju­deu, mas não si­o­nis­ta”. No can­to da sa­la, es­tá en­cos­ta­da uma bandeira pa­les­ti­na.

“A ONU de­ci­diu dar um Es­ta­do aos ju­deus co­mo uma com­pen­sa­ção de­pois que a Alemanha ma­tou seis mi­lhões de nós no Ho­lo­caus­to”, afir­ma. “Mas os pa­les­ti­nos fo­ram ex­pul­sos da­qui. Co­mo eles pu­de­ram pa­gar a dí­vi­da de um po­vo usan­do a con­ta de ou­tro?”

O Ne­tu­rei Kar­ta é um ra­mo re­du­zi­do do ju­daís­mo, com 10 mil fa­mí­li­as em um uni­ver­so de 6,5 mi­lhões de ju­deus no país. Mas sua ati­vi­da­de po­lí­ti­ca, co­mo a quei­ma de ban­dei­ras is­ra­e­len­ses em pú­bli­co, cau­sa ruí­do e não ra­ras ve­zes in­dig­na­ção.

Moshe Hirs­ch, pai de Meir, tra­ba­lhou co­mo as­ses­sor de As­sun­tos Ju­dai­cos no go­ver­no do lí­der pa­les­ti­no Yas­ser Ara­fat, mor­to em 2004. Um mem­bro do gru­po foi acu­sa­do de es­pi­o­nar pa­ra o Irã, mas eles ne­gam.

Do pon­to de vis­ta re­li­gi­o­so, os se­gui­do­res cre­em que há uma proi­bi­ção cla­ra à cri­a­ção de um Es­ta­do ju­deu até que o mes­si­as vol­te ao po­vo de Is­ra­el.

O Ne­tu­rei Kar­ta foi con­tra o es­ta­be­le­ci­men­to do país em 1948 tam­bém por acre­di­tar que um Es­ta­do se­cu­lar pre­ju­di­ca­ria os ju­deus. O “Es­ta­do” --Hirs­ch vol­ta a fa­zer as­pas com as mãos-- fez com que os ju­deus dei­xas­sem de se­guir su­as tra­di­ções. “Ho­je os is­ra­e­len­ses são um po­vo sem cul­tu­ra ju­dai­ca.”

Há ain­da ra­zões mo­rais pa­ra não re­co­nhe­cer o país, diz o ra­bi­no. “Co­mo é que nós, que mor­re­mos aos mi­lhões no Ho­lo­caus­to, vi­e­mos pa­ra es­ta ter­ra pa­ra ma­tar ou­tro po­vo? É um ab­sur­do.”

Hirs­ch tam­bém não acre­di­ta que ter um Es­ta­do ju­dai­co e ou­tro ára­be se­ja uma saí­da justa ou fac­tí­vel. “Até que os pa­les­ti­nos te­nham to­da a ter­ra pa­ra eles, se­rá ape­nas ‘ti­po uma paz’.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.