Quan­do a ONU propôs a cri­a­ção de um Es­ta­do ju­deu, ele sa­bia que ha­ve­ria um con­fli­to com os ára­bes. Foi por is­so que, ao con­trá­rio das pes­so­as que fo­ram às ru­as ce­le­brar, ele não fi­cou fe­liz. Sa­bia que pa­ga­ría­mos um pre­ço por aque­la guerra. Mas foi adi­an­te

Folha De S.Paulo - - Mundo - DIOGO BERCITO

Alon ca­mi­nha pe­la ca­sa de Da­vid Ben-Gu­ri­on, fun­da­dor do Es­ta­do de Is­ra­el e seu pre­miê inau­gu­ral. A an­ti­ga cons­tru­ção no nor­te de Tel Aviv é ho­je um mu­seu à his­tó­ria do ho­mem que re­di­giu e de­cla­rou há 70 anos a in­de­pen­dên­cia do país.

Al­guns tu­ris­tas ob­ser­vam os mó­veis só­bri­os e as es­tan­tes for­ra­das de li­vros em va­ri­a­das lín­guas, co­mo he­brai­co, in­glês, es­pa­nhol e gre­go. Alon, po­rém, se de­tém em um can­to. Co­lo­ca as mãos atrás do cor­po, pes­ca uma me­mó­ria e diz à Fo­lha: “Era aqui que fi­ca­va nos­so pi­a­no.”

Alon, 66, é ne­to de Ben-Gu­ri­on, de quem ele her­dou o so­bre­no­me da di­nas­tia. Não é po­lí­ti­co nem ocu­pa car­go pú­bli­co, mas co­nhe­ceu a fun­do um dos he­róis do país e cir­cu­lou na­que­la ca­sa, ra­zões pe­las quais é uma re­qui­si­ta­da tes­te­mu­nha da his­tó­ria.

Con­sul­tor de ho­téis de lu­xo nos EUA, on­de vi­ve, ele vi­a­jou a Is­ra­el pa­ra as ce­le­bra­ções da in­de­pen­dên­cia, que co­me­çam noi­te de quar­ta-fei­ra (18), se­guin­do o ca­len­dá­rio ju­dai­co. A da­ta no ca­len­dá­rio gre­go­ri­a­no é 14 de maio.

Alon ti­nha 22 anos em 1973, quan­do Ben-Gu­ri­on mor­reu aos 87 anos após uma he­mor­ra­gia ce­re­bral. “A úl­ti­ma vez em que eu vi meu avô ele es­ta­va nes­ta ca­ma, dor­min­do. Eu es­ta­va de fol­ga no Exér­ci­to, ti­nha me fe­ri­do, e de­ci­di fa­zer uma vi­si­ta. Não quis acor­dá-lo”, con­ta.

Ele ain­da se lem­bra de uma

ALON BEN-GU­RI­ON

ne­to de Da­vid Ben-Gu­ri­on das li­ções apren­di­das com seu avô, uma men­sa­gem que con­si­de­ra per­ti­nen­te mes­mo ho­je, se­te dé­ca­das de­pois do es­ta­be­le­ci­men­to de Is­ra­el: “Ele nos di­zia pa­ra não con­si­de­rar­mos a exis­tên­cia dos ju­deus co­mo al­go ga­ran­ti­do.”

A Alemanha na­zis­ta ma­tou seis mi­lhões de­les du­ran­te o Ho­lo­caus­to. Nas úl­ti­mas dé­ca­das, Is­ra­el es­te­ve em guerra com to­dos seus vi­zi­nhos --Egi­to, Jor­dâ­nia, Síria e Lí­ba­no-e foi ame­a­ça­do por ou­tros ini­mi­gos, em es­pe­ci­al o Irã, com seu de­sa­pa­re­ci­men­to do ma­pa-mún­di. SIONISMO Nas­ci­do na atu­al Polô­nia em 1886, Da­vid Ben-Gu­ri­on mi­grou em 1906 pa­ra a en­tão Pa­les­ti­na, um ter­ri­tó­rio do Im­pé­rio Oto­ma­no e mais tar­de um man­da­to bri­tâ­ni­co.

Ele acre­di­ta­va que, per­se­gui­dos na Eu­ro­pa, os ju­deus pre­ci­sa­vam cri­ar ali seu pró­prio país --um mo­vi­men­to do sé­cu­lo 19 cha­ma­do de “sionismo”, a par­tir da ideia de re­tor­no à ter­ra de Sião.

“Meu avô era um ho­mem sim­ples. Não se im­por­ta­va com as coi­sas ma­te­ri­ais, co­mo ir a um res­tau­ran­te ca­ro ou se ves­tir bem”, diz Alon. “Ele sem­pre di­zia que sua pre­o­cu­pa­ção era cri­ar um Es­ta­do pa­ra o po­vo ju­deu, e foi por es­se ob­je­ti­vo que ele tra­ba­lhou to­da a sua vi­da.”

Mas, ao che­gar ali, Ben-Gu­ri­on de­pa­rou com um fa­to ines­ca­pá­vel: o ter­ri­tó­rio já era ha­bi­ta­do há sé­cu­los pe­los pa­les­ti­nos, com quem pre­ci­sa­ria con­vi­ver. “Quan­do a ONU propôs a cri­a­ção de um Es­ta­do ju­deu, ele sa­bia que ha­ve­ria um con­fli­to com os ára­bes”, con­ta Alon.

A pro­pos­ta da ONU de 1947 era cri­ar um país pa­ra os ju­deus e ou­tro pa­ra os ára­bes. Os ju­deus acei­ta­ram, mas os ára­bes, não. A si­tu­a­ção, já de atri­tos en­tre am­bos os la­dos, tor­nou-se um con­fron­to in­ter­na­ci­o­nal com a par­ti­ci­pa­ção dos paí­ses vi­zi­nhos.

“Foi por is­so que, ao con­trá­rio das pes­so­as que fo­ram às ru­as ce­le­brar aque­le dia, ele me dis­se que não fi­cou fe­liz. Sa­bia que nós pa­ga­ría­mos um pre­ço por aque­la guerra. Mas foi adi­an­te e ven­ceu.”

Os pa­les­ti­nos tam­bém pa­ga­ram um pre­ço: a in­de­pen­dên­cia de Is­ra­el é co­nhe­ci­da em ára­be co­mo “Nak­ba”, o seu “de­sas­tre”.

Du­ran­te a guerra, mais de 700 mil pa­les­ti­nos ti­ve­ram de dei­xar su­as ca­sas e par­te de seus des­cen­den­tes ain­da vi­ve em cam­pos de re­fu­gi­a­dos. O ter­ri­tó­rio da Cis­jor­dâ­nia, on­de que­rem ter o seu Es­ta­do, é ocu­pa­do por Is­ra­el des­de a Guerra dos Seis Di­as, tra­va­da em 1967. Por es­sa ra­zão, pa­les­ti­nos têm con­vo­ca­do mar­chas em pro­tes­to ao ani­ver­sá­rio de Is­ra­el.

Ci­en­te do pe­so de su­as de­cla­ra­ções co­mo her­dei­ro do fun­da­dor do país, Alon pre­fe­re não fa­lar tan­to so­bre po­lí­ti­ca. Mas con­ta que até sua mor­te o avô acre­di­ta­va em so­lu­ci­o­nar a cri­se com a cri­a­ção de um país pa­ra os ju­deus e ou­tro pa­ra os pa­les­ti­nos.

Ben-Gu­ri­on tam­bém foi con­trá­rio à ocu­pa­ção da Cis­jor­dâ­nia. Um ano de­pois da guerra, afir­mou: “Se eu ti­ves­se de es­co­lher en­tre a paz e os ter­ri­tó­ri­os que con­quis­ta­mos, pre­fe­ri­ria a paz”.

“Ele di­zia que iría­mos so­bre­vi­ver pe­la su­pe­ri­o­ri­da­de mo­ral, e não pe­lo Exér­ci­to”, con­ta Alon.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.