Sen­ten­ça re­quer mais tem­po sem ‘ação aven­tu­rei­ra’

Folha De S.Paulo - - Mundo -

DE SÃO PAULO

Al­te­ra­ções na CLT (Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho) que tor­na­ram o tra­ba­lha­dor pas­sí­vel de res­pon­sa­bi­li­da­de por pa­ga­men­tos co­mo pe­rí­ci­as e ho­no­rá­ri­os de su­cum­bên­cia —in­de­ni­za­ção pa­ra co­brir os cus­tos da par­te ven­ce­do­ra com ad­vo­ga­dos— aju­da­ram a re­du­zir “ações aven­tu­rei­ras” na Jus­ti­ça, ava­li­am ad­vo­ga­dos da área.

“A si­tu­a­ção fi­cou me­nos cô­mo­da pa­ra o em­pre­ga­do em al­guns ca­sos, co­mo no adi­ci­o­nal de in­sa­lu­bri­da­de. An­tes, se o tra­ba­lha­dor pe­dis­se adi­ci­o­nal de pe­ri­cu­lo­si­da­de, por exem­plo, e per­des­se, tu­do bem, era a em­pre­sa que ar­ca­va com o cus­to da pe­rí­cia”, diz Nel­son Mann­ri­ch, do es­cri­tó­rio Mann­ri­ch e Vas­con­ce­los e pro­fes­sor da USP.

“Ago­ra, is­so mu­dou, se o em­pre­ga­do so­li­ci­tou e o pe­ri­to não en­con­trou agen­te agres­si­vo, é o tra­ba­lha­dor que vai ar­car com o cus­to”, afir­ma Mann­ri­ch.

Nos dois pri­mei­ros me­ses de 2018, o as­sun­to mais re­cor­ren­te en­tre no­vos pro­ces­sos que en­tra­ram nas Va­ras do Tra­ba­lho foi o pe­di­do de avi­so pré­vio. Fo­ram 57,7 mil no­vas ações so­bre o te­ma.

Em se­gun­do es­tá a so­li­ci­ta­ção de mul­ta de 40% do FGTS (47,1 mil pro­ces­sos), se­gui­da pe­la mul­ta do ar­ti­go nº 477 da CLT, de atra­so no pa­ga­men­to das ver­bas res­ci­só­ri­as (46 mil pro­ces­sos). Adi­ci­o­nal de in­sa­lu­bri­da­de fi­cou em 15º lu­gar, so­man­do 16,7 mil ações.

Pa­ra May­ra Pa­ló­po­li, do es­cri­tó­rio Pa­ló­po­li & Al­bre­cht, o me­nor nú­me­ro de “ações aven­tu­rei­ras” po­de ex­pli­car a di­fi­cul­da­de de os juí­zes ace­le­ra­rem os jul­ga­men­tos. “Elas eram mais fá­ceis de se­rem sen­ten­ci­a­das, com mai­or o nú­me­ro de im­pro­ce­dên­cia. Ho­je, o juiz pre­ci­sa se de­bru­çar mais so­bre pro­ces­so.” (AF E WC)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.