Com­pra de imó­veis pa­ra in­ves­tir im­pul­si­o­na me­lho­ra do se­tor em SP

Folha De S.Paulo - - Mercado Cristina.frias1@grupofolha.com.br -

As ci­da­des que ti­ve­ram os mai­o­res au­men­tos de lan­ça­men­tos imo­bi­liá­ri­os no ano pas­sa­do são aque­las on­de há in­ves­ti­do­res que ad­qui­rem apar­ta­men­tos pa­ra re­ce­ber ren­da de alu­guel.

São Paulo e Bra­sí­lia ti­ve­ram al­ta de 25% e 20%, res­pec­ti­va­men­te, do va­lor ge­ral de no­vos em­pre­en­di­men­tos, se­gun­do a Bra­sil Bro­kers, um gru­po de imo­bi­liá­ri­as pre­sen­te em oi­to es­ta­dos.

“A ci­da­de de São Paulo tem mais in­ves­ti­do­res que ou­tras pra­ças, e eles pro­cu­ram imó­veis no seu pró­prio mu­ni­cí­pio”, afir­ma o di­re­tor-pre­si­den­te, Clau­dio Her­mo­lin.

A ten­dên­cia se­gue nes­te ano, se­gun­do ele: no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2018, 35% das ven­das da en­ti­da­de que ele co­man­da fo­ram fei­tas a pes­so­as que não ti­nham pla­nos pa­ra vi­ver no apar­ta­men­to que ad­qui­ri­ram.

O nú­me­ro po­si­ti­vo foi im­pul­si­o­na­do por uni­da­des me­no­res e de perfil po­pu­lar, diz Luiz An­to­nio Fran­ça, di­re­torO São Paulo Bra­sí­lia exe­cu­ti­vo da Abrainc (as­so­ci­a­ção de in­cor­po­ra­do­ras).

“Pra­ças on­de hou­ve grandes que­das têm es­to­que al­to de edi­fí­ci­os cons­truí­dos an­tes da cri­se. As me­lho­ras de in­di­ca­do­res são sen­ti­das mais ra­pi­da­men­te on­de há mais di­ver­si­da­de econô­mi­ca.”

O ce­ná­rio, no en­tan­to, é pi­or do que po­de­ria ser, diz An­to­nio Se­tin, da in­cor­po­ra­do­ra que le­va seu so­bre­no­me.

“Ju­ros im­pac­tam o mer­ca­do. Quan­do ca­em a um dí­gi­to, ge­ral­men­te há um bo­om. A de­man­da não es­tá com­pa­tí­vel com a ta­xa atu­al.”

A fal­ta de cla­re­za do que vai acon­te­cer nas elei­ções é um dos fa­to­res que im­pac­tam o se­tor imo­bi­liá­rio, se­gun­do ele.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.