Pa­ra ana­lis­tas, já não há es­pa­ço pa­ra a Fa­zen­da avan­çar

Na pers­pec­ti­va do mer­ca­do, equi­pe econô­mi­ca foi blin­da­da na re­for­ma, mas não vai apri­mo­rar o fis­cal

Folha De S.Paulo - - Mercado - FLAVIA LI­MA

Es­ti­ma­ti­va é que ne­nhu­ma das 3 me­di­das con­si­de­ra­das es­sen­ci­ais pa­ra tra­zer re­cei­tas ao go­ver­no saia do pa­pel

A equi­pe econô­mi­ca saiu blin­da­da das mu­dan­ças cau­sa­das pe­la en­tra­da do ex-mi­nis­tro da Fa­zen­da Hen­ri­que Mei­rel­les no jo­go elei­to­ral, mas tem con­di­ções de avan­çar pou­co nos te­mas que in­te­res­sam ao mer­ca­do, ava­li­am ana­lis­tas.

Es­pe­ci­a­lis­tas fes­te­jam a con­ti­nui­da­de na área co­mo uma bar­rei­ra im­por­tan­te a qual­quer gui­na­da na con­du­ção da po­lí­ti­ca econô­mi­ca, co­mo, por exem­plo, uma ele­va­ção sú­bi­ta do gas­to pú­bli­co pa­ra ala­van­car uma can­di­da­tu­ra go­ver­nis­ta.

Ao mes­mo tem­po, são ca­da vez mais ra­ras as apos­tas de que o gru­po téc­ni­co vai con­se­guir ti­rar al­gu­ma me­di­da re­le­van­te de um Con­gres­so que só pen­sa em elei­ções.

O pró­prio mer­ca­do fi­nan­cei­ro vai, aos pou­cos, vi­ran­do a pá­gi­na, re­a­gin­do mais ao sabor dos te­mo­res re­la­ci­o­na­dos às elei­ções do que a al­gum ti­po de ex­pec­ta­ti­va so­bre es­se go­ver­no, co­mo vis­to na Bol­sa nes­ta se­gun­da (16) .

“O go­ver­no de­li­mi­tou uma área im­por­tan­te e si­na­li­zou que não vai ha­ver mu­dan­ças na po­lí­ti­ca econô­mi­ca, o que sig­ni­fi­ca se­gu­ran­ça pa­ra in­ves­tir”, afir­ma Eri­ch De­cat, ana­lis­ta po­lí­ti­co da XP In­ves­ti­men­tos.

De­cat se re­fe­re es­pe­ci­al­men­te à trin­ca for­ma­da pe­lo novo mi­nis­tro da Fa­zen­da, Edu­ar­do Gu­ar­dia, a nú­me­ro dois do mi­nis­té­rio, Ana Paula Ves­co­vi, e ao se­cre­tá­rio do Te­sou­ro, Man­su­e­to Almeida, além de Esteves Col­na­go, à fren­te do Pla­ne­ja­men­to.

O ana­lis­ta re­co­nhe­ce, po­rém, que há dú­vi­das no mer­ca­do com re­la­ção ao jo­go de cin­tu­ra do gru­po pa­ra fa­zer avan­çar pau­tas im­por­tan­tes.

Da­que­la lon­ga lis­ta de 15 me­di­das econô­mi­cas apre­sen­ta­das pe­lo go­ver­no no fim de fe­ve­rei­ro, três de­las vi­nham sen­do acom­pa­nha­das com lu­pa pe­lo mer­ca­do por­que po­de­ri­am tra­zer um vo­lu­me con­si­de­rá­vel de re­cei­ta adi­ci­o­nal: a pri­va­ti­za­ção da Ele­tro­bras, a de­so­ne­ra­ção da fo­lha de sa­lá­ri­os e o pro­je­to que re­de­fi­ne o te­to re­mu­ne­ra­tó­rio pa­ra to­do o fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co, coi­bin­do os cha­ma­dos su­per­sa­lá­ri­os.

Mas as no­tí­ci­as mais re­cen­tes de­cep­ci­o­na­ram. O pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, Ro­dri­go Maia (DEMRJ), tem di­to a um gru­po de in­ter­lo­cu­to­res que es­tá di­fí­cil vo­tar a re­o­ne­ra­ção da fo­lha e que o Con­gres­so não quer de­ba­ter o ca­so Ele­tro­bras.

A pró­pria equi­pe econô­mi­ca apon­ta dificuldades nes­se sen­ti­do. Uma fon­te da área re­co­nhe­ceu que es­te se­rá um ano di­fí­cil no Con­gres­so, mas que Fa­zen­da e Pla­ne­ja­men­to es­tão bem ali­nha­dos pa­ra bar­rar qual­quer retrocesso.

Em re­su­mo, a equi­pe econô­mi­ca pa­re­ce cen­trar mais es­for­ços em se­guir di­zen­do não ao que vê co­mo in­viá­vel do que em con­se­guir um sim do Con­gres­so pa­ra aqui­lo que con­si­de­ra re­le­van­te.

Um ana­lis­ta ques­ti­o­na a ca­pa­ci­da­de de in­ter­lo­cu­ção de Gu­ar­dia, en­fa­ti­zan­do que o pró­prio Mei­rel­les, ti­do co­mo um qua­dro mais po­lí­ti­co, não te­ve mui­to trân­si­to no Con­gres­so quan­do mi­nis­tro. ELE­TRO­BRAS Nas en­tre­vis­tas dadas por Gu­ar­dia ao lon­go do fim de se­ma­na, ou­tro ana­lis­ta des­ta­ca a par­te em que diz con­si­de­rar a pri­va­ti­za­ção da Ele­tro­bras im­por­tan­tís­si­ma, mas não pe­la ques­tão fis­cal.

Is­so por­que o go­ver­no não pre­ci­sa­ria des­ses re­cur­sos pa­ra fe­char as su­as con­tas nes­te ano —so­bram, na ver­da­de, mais de R$ 90 bi­lhões pa­ra gas­tos. Pa­ra es­sa fon­te, é co­mo se es­sa equi­pe ti­ves­se da­do o seu tra­ba­lho por en­cer­ra­do. O go­ver­no pra­ti­ca­men­te aca­bou, diz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.