Mi­nis­té­rio frau­dou pa­re­cer pa­ra aten­der Ma­run, se­gun­do PF

In­ves­ti­ga­ção apon­ta que mi­nis­tro so­li­ci­ta­va fa­ci­li­da­des pa­ra sindicatos de Ma­to Gros­so do Sul em tro­ca de apoio po­lí­ti­co

Folha De S.Paulo - - Primeira Página - Fá­bio Fa­bri­ni Pe­dro La­dei­ra - 12.abr.18/Folhapress

Re­la­tó­rio da Po­lí­cia Fe­de­ral diz que in­te­gran­tes do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho atro­pe­la­vam exi­gên­ci­as le­gais e fa­bri­ca­vam pa­re­ce­res frau­du­len­tos pa­ra aten­der a pe­di­dos do mi­nis­tro Carlos Ma­run (Se­cre­ta­ria de Go­ver­no).

De acor­do com a in­ves­ti­ga­ção da PF, o mi­nis­tro so­li­ci­ta­va fa­ci­li­da­des pa­ra sindicatos de Ma­to Gros­so do Sul, pos­si­vel­men­te em tro­ca de apoio po­lí­ti­co no es­ta­do, que é seu re­du­to elei­to­ral, in­for­ma Fá­bio Fa­bri­ni.

As de­man­das es­tão re­gis­tra­das em mensagens de maio. Ma­run dis­se que os ca­sos ci­ta­dos são en­ca­mi­nha­men­tos ro­ti­nei­ros de de­man­das re­ce­bi­das. “Não hou­ve qual­quer ti­po de con­tra­par­ti­da”, afir­mou.

Re­la­tó­rio da Po­lí­cia Fe­de­ral, ob­ti­do pe­la Fo­lha, diz que in­te­gran­tes do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho atro­pe­la­vam exi­gên­ci­as le­gais e fa­bri­ca­vam pa­re­ce­res frau­du­len­tos pa­ra aten­der pe­di­dos do mi­nis­tro da Se­cre­ta­ria de Go­ver­no, Carlos Ma­run.

A in­ves­ti­ga­ção sus­ten­ta que Ma­run so­li­ci­ta­va por meio de sua che­fe de ga­bi­ne­te, Vi­vi­an­ne Lo­ren­na de Me­lo, fa­ci­li­da­des pa­ra sindicatos do Ma­to Gros­so do Sul, pos­si­vel­men­te em tro­ca de apoio po­lí­ti­co no es­ta­do, seu re­du­to elei­to­ral.

As de­man­das cons­tam de mensagens tro­ca­das pe­la as­ses­so­ra com ser­vi­do­res do mi­nis­té­rio em maio des­te ano, di­as an­tes de a Ope­ra­ção Re­gis­tro Es­pú­rio ser de­fla­gra­da.

O en­tão co­or­de­na­dor-ge­ral de Re­gis­tro Sin­di­cal, Re­na­to Araú­jo, re­pas­sa­va os pe­di­dos a uma ali­a­da, Jés­si­ca Mat­tos, que não ti­nha vín­cu­lo com a pas­ta. Os dois fo­ram pre­sos na pri­mei­ra fa­se da ope­ra­ção, dia 30 da­que­le mês.

Mes­mo sem ser ser­vi­do­ra, se­gun­do os in­ves­ti­ga­do­res, era ela a res­pon­sá­vel por pro­du­zir ma­ni­fes­ta­ções con­si­de­ra­das pe­la PF co­mo frau­du­len­tas pa­ra en­ti­da­des que “pos­si­vel­men­te ofe­re­ce­ram van­ta­gens in­de­vi­das” a Ma­run.

Num dos ca­sos ci­ta­dos pe­la PF, Araú­jo en­via à par­cei­ra có­pia de email com as de­man­das da che­fe de ga­bi­ne­te, nas quais ela so­li­ci­ta a con­ces­são de um re­gis­tro sin­di­cal pa­ra o Sin­di­ca­to dos Ser­vi­do­res do Poder Ju­di­ciá­rio Fe­de­ral e Mi­nis­té­rio Pú­bli­co da União no MS (Sind­ju­fe-MS).

Na sequên­cia, per­gun­ta qual no­ta téc­ni­ca ela es­ta­ria fa­zen­do. Jés­si­ca res­pon­de es­tar com o ca­so do Sind­ju­fe, “qua­se pron­to”. “Fal­ta eu de­ci­dir o que es­cre­ver pa­ra jus­ti­fi­car”, afir­mou.

Ela ex­pli­ca que o pro­ces­so es­ta­va in­com­ple­to, pois fal­ta­vam pu­bli­ca­ções em jor­nais de gran­de cir­cu­la­ção e no Diá­rio Ofi­ci­al da União (DOU).

“O te­or do diá­lo­go re­ve­la o que foi com­pro­va­do nes­ta in­ves­ti­ga­ção. As ma­ni­fes­ta­ções são ‘fa­bri­ca­das’ de mo­do a aten­der in­te­res­ses pri­va­dos, com diu­tur­na ofen­sa aos prin­cí­pi­os da le­ga­li­da­de, im­pes­so­a­li­da­de e mo­ra­li­da­de”, in­ter­pre­tou a PF.

“No ca­so sob aná­li­se, Jés­si­ca ad­mi­te que a en­ti­da­de não ha­via cum­pri­do re­qui­si­to exi­gi­do pe­la le­gis­la­ção, mas que es­ta­ria pen­san­do nu­ma so­lu­ção pa­ra aten­der à de­man­da de Vi­vi­an­ne”, acres­cen­tou.

Pro­ces­sos de emis­são de car­tas sin­di­cais, in­clu­si­ve pa­ra o Sind­ju­fe, fo­ram sus­pen­sos após a Re­gis­tro Es­pú­rio.

A con­ces­são des­ses re­gis­tros é um ato que de­pen­de de aná­li­se ob­je­ti­va so­bre pré-re­qui­si­tos pre­vis­tos em lei. Se cum­pri­das as exi­gên­ci­as, a pas­ta tem de de­fe­rir o plei­to.

“Não há mar­gem pa­ra juí­zo de con­ve­ni­ên­cia e opor­tu­ni­da­de acer­ca do de­fe­ri­men­to do re­gis­tro sin­di­cal”, diz a PF.

A PF pe­diu me­di­das de bus­ca e apre­en­são con­tra a che­fe de ga­bi­ne­te e Ma­run sob a jus­ti­fi­ca­ti­va de que ca­bia apro­fun­dar as in­ves­ti­ga­ções pa­ra con­fir­mar se os dois in­te­gram a or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa.

O mi­nis­tro Luiz Ed­son Fa­chin, re­la­tor do ca­so no STF, não au­to­ri­zou as ações por en­ten­der que os in­dí­ci­os apon­ta­dos eram in­su­fi­ci­en­tes. A PF ain­da ana­li­sa ma­te­ri­al apreendido com ou­tros in­ves­ti­ga­dos e que, even­tu­al­men­te, pos­sa ter re­la­ção com o ca­so Ma­run.

A su­pos­ta in­ge­rên­cia de Ma­run tam­bém foi as­sun­to de mensagens do ex-mi­nis­tro do Tra­ba­lho Hel­ton Yo­mu­ra —afas­ta­do na se­ma­na pas­sa­da, na ter­cei­ra fa­se da ope­ra­ção— e de seu che­fe de ga­bi­ne­te, Jú­lio de Souza Bernardo, o Jú­lio Ca­ne­li­nha, pre­so tem­po­ra­ri­a­men­te, mas já li­be­ra­do. Eles tra­ta­ram de pe- di­do pa­ra que um des­pa­cho no DOU fos­se re­ver­ti­do.

O des­pa­cho pre­ju­di­ca­va uma en­ti­da­de de MS. Foi pu­bli­ca­do, se­gun­do a PF, pa­ra aten­der in­te­res­ses do So­li­da­ri­e­da­de, um dos partidos com in­fluên­cia no mi­nis­té­rio, mas de­sa­gra­dou o mi­nis­tro.

“Re­ce­bi is­so ago­ra do Ma­run. Dá pa­ra re­sol­ver­mos is­so?”, pe­diu Ca­ne­li­nha nu­ma men­sa­gem na qual en­ca­mi­nha­va o DOU. “Dá, sim”, re­a­giu Araú­jo.

O mi­nis­tro da Se­cre­ta­ria de Go­ver­no, Carlos Ma­run, acu­sa­do em re­la­tó­rio da PF

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.