Em­pre­sá­ri­os te­mem ano per­di­do após ca­mi­nho­nei­ros

Ape­sar de ana­lis­tas fi­nan­cei­ros pro­je­ta­rem re­cu­pe­ra­ção pós-ca­mi­nho­nei­ros, eco­no­mia re­al si­na­li­za que es­tra­go per­du­re

Folha De S.Paulo - - Primeira Página - Fla­via Li­ma, Jo­a­na Cu­nha e Anaïs Fernandes

Co­mo con­sequên­cia da pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros, em maio, em­pre­sá­ri­os te­mem que 2018 es­te­ja per­di­do. Donos de res­tau­ran­tes, ata­ca­dis­tas, va­re­jis­tas e a in­dús­tria já re­ve­em su­as pro­je­ções pa­ra o ano.

Ar­gu­men­tam que par­te das per­das re­gis­tra­das de­pois da pa­ra­li­sa­ção é ir­re­cu­pe­rá­vel. Pa­ra eles, os es­tra­gos cau­sa­dos so­bre a con­fi­an­ça de em­pre­sá­ri­os e con­su­mi­do­res de­ve­rão ser mais du­ra­dou­ros do que o pre­vis­to.

Em­bo­ra os in­di­ca­do­res ruins di­vul­ga­dos após a pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros se­jam vis­tos por par­te dos eco­no­mis­tas co­mo al­go me­nos de­sas­tro­so do que o es­pe­ra­do, a per­cep­ção es­tá lon­ge de ser com­par­ti­lha­da pe­la cha­ma­da eco­no­mia re­al.

Donos de res­tau­ran­tes, ata­ca­dis­tas, va­re­jis­tas e a in­dús­tria re­ve­em su­as pro­je­ções até o fim do ano, sob o ar­gu­men­to de que par­te das per­das re­gis­tra­das após a pa­ra­li­sa­ção é ir­re­cu­pe­rá­vel e tam­bém le­va­dos pe­lo te­mor de que os es­tra­gos so­bre a con­fi­an­ça de em­pre­sá­ri­os e con­su­mi­do­res se­jam mais du­ra­dou­ros.

O se­tor de ser­vi­ços, que fe­chou o ci­clo de le­van­ta­men­tos que cap­tu­ram os efei­tos dos pro­tes­tos de ca­mi­nho­nei­ros so­bre os prin­ci­pais se­to­res da eco­no­mia, caiu 3,8% em maio em re­la­ção a abril, o pi­or de­sem­pe­nho da sé­rie his­tó­ri­ca, ini­ci­a­da em 2011, se­gun­do da­dos di­vul­ga­dos na sex­ta (13).

An­tes dis­so, as ven­das no va­re­jo ti­nham re­gis­tra­do em maio o pri­mei­ro re­sul­ta­do men­sal ne­ga­ti­vo do ano: caí­ram 0,6% an­te abril, re­sul­ta­do mais fra­co pa­ra o mês des­de a que­da de 0,8% em 2016.

Tam­bém em maio, a in­dús­tria re­cu­ou a pa­ta­ma­res de 2003. “O sen­ti­men­to é de frus­tra­ção”, re­su­me Jo­sé Vel­lo­so, pre­si­den­te-exe­cu­ti­vo da Abi­maq (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Má­qui­nas e Equi­pa­men­tos).

Vel­lo­so con­ta ain­da que, após ter re­tro­ce­di­do a ní­veis de 2012, o fa­tu­ra­men­to do se­tor de­ve vol­tar a cres­cer nes­te ano— per­to de 5%, in­flu­en­ci­a­do pe­las exportações.

O se­tor que his­to­ri­ca­men­te ven­de pa­ra ou­tros paí­ses o equi­va­len­te a 30% do seu fa­tu­ra­men­to, nes­te ano vai ex­por­tar 50% do fa­tu­ra­men­to.

Os co­mer­ci­an­tes do bair­ro pau­lis­ta­no do Bom Re­ti­ro, im­por­tan­te po­lo do ata­ca­do de mo­da on­de va­re­jis­tas de to­do o país se abas­te­cem, es­tão con­ser­va­do­res. Os es­to­ques já es­tão me­no­res, em li­nha com a per­cep­ção de que os pró­xi­mos me­ses não de­vem tra­zer for­tes ven­das, se­gun­do Nel­son Tran­quez, pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos Di­ri­gen­tes Lo­jis­tas do Bom Re­ti­ro.

Além da pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros, a Co­pa do Mun­do agra­vou um ce­ná­rio já pre­o­cu­pan­te, diz Per­ci­val Ma­ri­ca­to, pre­si­den­te da Abra­sel-SP, as­so­ci­a­ção dos ba­res e res­tau­ran­tes de São Pau­lo.

No va­re­jo, a pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros frus­trou as ex­pec­ta­ti­vas de uma re­to­ma­da das ven­das que, na ver­da­de, já vi­nham per­den­do ím­pe­to no pri­mei­ro tri­mes­tre.

“Em abril e maio ti­ve­mos es­pe­ran­ça de que ha­ve­ria um alen­to, mas veio a gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros pa­ra acu­mu­lar mais len­ti­dão na re­to­ma­da e pre­ju­di­car to­dos os se­to­res, além da Co­pa, que nun­ca foi um in­cen­ti­va­dor do co­mér­cio”, diz Luís Au­gus­to Il­de­fon­so, pre­si­den­te da Alshop (de lo­jis­ta de shop­pings).

Se abril e maio de­cep­ci­o­na­ram, os pri­mei­ros da­dos de ju­nho do co­mér­cio va­re­jis­ta cau­sam apre­en­são.

Nel­son Tran­quez, pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos Di­ri­gen­tes Lo­jis­tas do Bom Re­ti­ro, diz que as ven­das en­cer­ra­ram o mês com es­ta­bi­li­da­de. “Em ju­nho em­pa­ta­mos, de­pois de um pe­río­do de abril a maio com re­sul­ta­dos bem in­fe­ri­o­res aos do ano pas­sa­do”, diz Tran­quez, de­cep­ci­o­na­do tam­bém com o in­ver­no de tem­pe­ra­tu­ras al­tas que atra­pa­lhou as ven­das de rou­pas de frio. “É di­fí­cil sa­ber o que ain­da vem por aí.”

Le­van­ta­men­to fei­to pe­la Se­ra­sa mos­tra que, com ex­ce­ção de uma al­ta de qua­se 10% da ven­da de com­bus­tí­veis em ju­nho, ou­tros se­to­res ain­da mos­tram fra­que­za. O se­tor de ves­tuá­rio e cal­ça­dos re­cu­ou 0,4% so­bre maio e ma­te­ri­ais de cons­tru­ção, 4,5%. Nos shop­pings, o flu­xo de vi­si­tan­tes caiu 3,48% em re­la­ção a maio, de acor­do com a Abras­ce, as­so­ci­a­ção do se­tor.

Pa­ra o se­gun­do se­mes­tre, as elei­ções são vis­tas co­mo um ele­men­to adi­ci­o­nal de ins­ta­bi­li­da­de. “As elei­ções vão tra­zer mais in­cer­te­za ao con­su­mo, pe­la in­de­fi­ni­ção no qua­dro, ain­da sem ex­pec­ta­ti­va de al­gum no­me que pos­sa re­to­mar a eco­no­mia com as re­for­mas ne­ces­sá­ri­as”, diz Il­de­fon­so, da Alshop.

No seg­men­to de mo­da, os con­su­mi­do­res es­tão apre­en­si­vos e dei­xa­ram de fa­zer com­pras por im­pul­so, e o se­tor de­po­si­ta es­pe­ran­ças nas úl­ti­mas da­tas im­por­tan­tes pa­ra o va­re­jo. “Quem sa­be no Na­tal e na Black Fri­day ve­nham as com­pras por ne­ces­si­da­de”, diz Il­de­fon­so.

No ca­so de res­tau­ran­tes e ba­res, as elei­ções tra­di­ci­o­nal­men­te são vis­tas co­mo um mo­men­to de al­ta na de­man­da, mas não nes­te ano. “Elei­ção ge­ral­men­te é fa­vo­rá­vel por­que tem um cli­ma de fes­ta e reu­niões, mas na des­te ano não sa­be­mos o que es­pe­rar por­que há mui­ta in­se­gu­ran­ça de­vi­do à si­tu­a­ção em que nos en­con­tra­mos no país”, diz Per­ci­val Ma­ri­ca­to, pre­si­den­te da Abra­sel-SP, as­so­ci­a­ção dos ba­res e res­tau­ran­tes de São Pau­lo.

Di­an­te do ce­ná­rio ge­ral, os eco­no­mis­tas se di­vi­dem: par­te de­les ava­lia que as per­das ob­ser­va­das após a pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros se­rão re­cu­pe­ra­das ao lon­go do ano, ou­tros acre­di­tam que os es­tra­gos se­rão mais per­ma­nen­tes.

O eco­no­mis­ta Gui­lher­me Di­et­ze, da Fe­co­mer­ci­oSP, apon­ta que os in­di­ca­do­res de con­fi­an­ça tan­to do con­su­mi­dor co­mo do co­mer­ci­an­te já vi­nham em que­da, mas a gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros foi o es­to­pim pa­ra o pes­si­mis­mo.

Ele des­cre­ve um ce­ná­rio que com­bi­na que­da do en­di­vi­da­men­to com o ní­vel mais ele­va­do de ina­dim­plên­cia. “Is­so sig­ni­fi­ca que quem tem con­di­ções es­tá apro­vei­tan­do pa­ra pa­gar as dí­vi­das e não as­su­mir mais, e quem es­tá com dí­vi­das em atra­so es­tá com di­fi­cul­da­des pa­ra re­sol­ver. É um si­nal cla­ro de freio na eco­no­mia”, afir­ma Di­et­ze.

Em ju­nho, os seis in­di­ca­do­res de con­fi­an­ça da FGV (Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas) caí­ram. O mais pre­o­cu­pan­te é que a pi­o­ra da con­fi­an­ça an­te­ce­de a pa­ra­li­sa­ção.

Os in­di­ca­do­res cap­tam o âni­mo de in­dús­tria, co­mér­cio, ser­vi­ços e cons­tru­ção ci­vil, além de em­pre­sá­ri­os e con­su­mi­do­res. A mai­or que­da foi re­gis­tra­da na con­fi­an­ça dos con­su­mi­do­res: de qua­se cin­co pon­tos em ju­nho— a mai­or des­de fe­ve­rei­ro de 2015.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.