Em 20 anos Fran­ça tro­ca de mi­to, pa­ra o do bom mi­gran­te

Des­cen­den­tes de imi­gran­tes com­põem gran­de par­te da se­le­ção fran­ce­sa des­de os anos 1980

Folha De S.Paulo - - Primeira Página - -Mathi­as Alen­cas­tro

Es­se jo­vem ti­me fi­na­lis­ta é a ca­ra da Fran­ça ide­a­li­za­da pe­lo pre­si­den­te Ma­cron. Os atle­tas bem-com­por­ta­dos são al­ça­dos a mo­de­los. Em 20 anos, a Fran­ça pas­sou do mi­to do triun­fo do mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo ao mi­to do bom mi­gran­te.

Ju­lho de 1998, a Fran­ça ce­le­bra­va a sua pri­mei­ra Co­pa do Mun­do. O meia Zi­ne­di­ne Zi­da­ne, mar­se­lhês do po­vo ca­bi­la, do nor­te da Ar­gé­lia, era o no­vo ído­lo na­ci­o­nal. O la­te­ral di­rei­to Li­li­an Thu­ram, na­tu­ral da Gu­a­da­lu­pe, en­sai­a­va os seus pri­mei­ros pas­sos co­mo in­te­lec­tu­al pú­bli­co da cau­sa ne­gra.

Jo­gan­do em per­fei­ta har­mo­nia com Emmanuel Pe­tit, eles for­ma­vam a se­le­ção “black­blanc-beur” (ne­gro, bran­co e ára­be), em vez da tra­di­ci­o­nal “bleu blanc rou­ge” (ver­me­lho, bran­co e azul).

Os des­cen­den­tes de imi­gran­tes com­põem gran­de par­te do ti­me fran­cês des­de os anos 1980. Do 11 que der­ro­ta­ram o Bra­sil em 1986, Luiz Fer­nan­dez ti­nha as­cen­dên­cia es­pa­nho­la, Yan­nick Stopy­ra po­lo­ne­sa, e a es­tre­la Mi­chel Pla­ti­ni ita­li­a­na. O que con­fe­ria um com­po­nen­te po­lí­ti­co à se­le­ção de 1998 era a pre­sen­ça de mui­tos jo­ga­do­res das an­ti­gas colô­ni­as. Com o su­ces­so na Co­pa, a Fran­ça, di­zia-se, ti­nha fi­nal­men­te en­tra­do na era do mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo.

A ilu­são du­rou pou­co. Em ou­tu­bro de 2001, pou­cos me­ses an­tes da che­ga­da do can­di­da­to de ex­tre­ma di­rei­ta Je­anMa­rie Le Pen ao se­gun­do tur­no das pre­si­den­ci­ais, a Fran­ça en­fren­ta­va a Ar­gé­lia em Pa­ris.

De­pois de as­so­bi­a­rem co­pi­o­sa­men­te o hi­no fran­cês, pro­vo­can­do a saí­da do pre­si­den­te Jac­ques Chi­rac, os tor­ce­do­res in­va­di­ram o cam­po, obri­gan­do o juiz a en­cer­rar a par­ti­da. Era o pre­nún­cio de uma dé­ca­da de “ma­lai­se” (mal-es­tar) no fu­te­bol fran­cês.

Em 2006, de­pois das re­vol­tas con­tra a mor­te de um ado­les­cen­te por po­li­ci­ais que in­cen­di­a­ram o país, o can­di­da­to à pre­si­dên­cia Ni­co­las Sar­kozy pro­me­teu lim­par com la­va ja­to os su­búr­bi­os.

A tensão so­ci­al che­gou ra­pi­da­men­te ao cam­po de fu­te­bol. Ka­rim Ben­ze­ma, ar­ti­lhei­ro do Re­al Ma­drid, in­sis­tiu em não can­tar o hi­no na­ci­o­nal. O mu­çul­ma­no Franck Ri­béry, prin­ci­pal re­fe­ren­cia da se­le­ção àque­la al­tu­ra, re­cla­mou pu­bli­ca­men­te da dis­cri­mi­na­ção da qual se di­zia ví­ti­ma, e Ni­co­las Anel­ka pas­sou a ser vis­to na com­pa­nhia de Di­eu­don­né, um an­tis­se­mi­ta dis­far­ça­do em hu­mo­ris­ta.

Em 2010, a se­le­ção fran­ce­sa se de­sin­te­grou na Áfri­ca do Sul. De­pois de Anel­ka ser ex­cluí­do do ti­me por in­sul­tar o téc­ni­co Ray­mond Do­me­ne­ch, os jo­ga­do­res se re­cu­sam a sair do ôni­bus pa­ra trei­nar. A fa­mi­ge­ra­da “gre­ve do ôni­bus” é lem­bra­da co­mo o pon­to mais baixo da his­to­ria do fu­te­bol fran­cês.

Os cul­pa­dos fo­ram ra­pi­da­men­te de­sig­na­dos. Em 2011, o no­vo téc­ni­co Lau­rent Blanc su­ge­riu, em con­ver­sa pri­va­da com um ofi­ci­al da fe­de­ra­ção fran­ce­sa de fu­te­bol, que a Fran­ça ti­nha de de­sis­tir dos jo­ga­do­res “gran­des, for­tes e po­de­ro­sos”, nu­ma re­fe­ren­cia ao ex­ces­so de blacks.

Tal­vez ain­da mais gra­ve, Blanc le­van­tou a pos­si­bi­li­da­de de li­mi­tar a pre­sen­ça de bi­na­ci­o­nais nos es­ca­lões in­fe­ri­o­res sob o ar­gu­men­to de que mui­tos aca­ba­vam jo­gan­do por ou­tra se­le­ção.

Com es­sas de­cla­ra­ções po­lê­mi­cas, o ca­pi­tão da se­le­ção de 1998 en­car­re­gou-se de de­cla­rar o fim na re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal que a sua ge­ra­ção ti­nha aju­da­do a cons­truir.

A che­ga­da do atu­al téc­ni­co, Di­di­er Des­champs, apa­zi­guou os âni­mos. Ele tro­cou os in­do­má­veis Ben­ze­ma, Ri­béry e Anel­ka pe­los afá­veis Paul Pog­ba, Ngo­lo Kan­té e, so­bre­tu­do, Ky­li­an Mbap­pé.

Es­sa jo­vem equi­pe que se pre­pa­ra pa­ra dis­pu­tar a sua se­gun­da fi­nal con­se­cu­ti­va de­pois da Eu­ro­co­pa é a ca­ra da Fran­ça ide­a­li­za­da pe­lo pre­si­den­te Emmanuel Ma­cron.

Tal co­mo o ma­li­a­no que es­ca­lou um pré­dio em Pa­ris pa­ra sal­var uma cri­an­ça há umas se­ma­nas atrás, os jo­ga­do­res bem-com­por­ta­dos são ele­va­dos a mo­de­los da na­ção.

Os mal­com­por­ta­dos olham pa­ra o pre­ce­den­te Ben­ze­ma e sa­bem que o bom de­sem­pe­nho não che­ga pa­ra ga­ran­tir um lu­gar. Na Fran­ça de Ma­cron, as por­tas es­ta­rão sem­pre aber­tas pa­ra aque­les que sou­be­rem res­pei­tar as re­gras.

Em 20 anos, a Fran­ça pas­sou do mi­to do “triun­fo do mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo” ao mi­to do “bom imi­gran­te”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.