Mo­de­lo de ris­co

Pro­pos­ta pa­ra es­ti­mu­lar in­ves­ti­men­to pri­va­do em sa­ne­a­men­to bá­si­co é bem-vin­da, mas ini­ci­a­ti­va do go­ver­no ame­a­ça de­sor­ga­ni­zar ain­da mais o se­tor

Folha De S.Paulo - - Primeira Página - Editoriais@gru­po­fo­lha.com.br

Acer­ca de pro­pos­ta do go­ver­no pa­ra o sa­ne­a­men­to.

Com um quin­to da po­pu­la­ção sem aces­so a água en­ca­na­da e mais da me­ta­de sem tra­ta­men­to de es­go­to, o Bra­sil tem en­con­tra­do mui­tas di­fi­cul­da­des pa­ra am­pli­ar seus in­ves­ti­men­tos em sa­ne­a­men­to bá­si­co.

A pe­nú­ria do se­tor pú­bli­co, res­pon­sá­vel pe­la pres­ta­ção dos ser­vi­ços na mai­or par­te do país, é só a par­te mais vi­sí­vel do pro­ble­ma. Há tam­bém in­cer­te­zas cri­a­das por um am­bi­en­te re­gu­la­tó­rio de­sor­ga­ni­za­do e pe­la fal­ta de co­or­de­na­ção en­tre as vá­ri­as es­fe­ras de go­ver­no.

Nes­se sen­ti­do, é bem-vin­da a ten­ta­ti­va da ges­tão Mi­chel Temer (MDB) de mo­der­ni­zar a le­gis­la­ção em vi­gor e abrir es­pa­ço pa­ra mai­or par­ti­ci­pa­ção pri­va­da. A for­ma es­co­lhi­da pa­ra fa­zê-lo, po­rém, não pa­re­ce ter si­do a mais ade­qua­da.

O pre­si­den­te edi­tou me­di­da pro­vi­só­ria so­bre o as­sun­to no úl­ti­mo dia 6, ho­ras an­tes do jo­go que ter­mi­nou com o Bra­sil eli­mi­na­do da Co­pa do Mun­do. O tex­to só foi pu­bli­ca­do na se­gun­da (9), quan­do as no­vas nor­mas pas­sa­ram a va­ler.

A pro­po­si­tu­ra pre­ci­sa ser exa­mi­na­da pe­las du­as Ca­sas do Con­gres­so, que po­de­rão fa­zer al­te­ra­ções ou sim­ples­men­te re­jei­tá-la. Com de­pu­ta­dos e se­na­do­res mais de­di­ca­dos às elei­ções em seus es­ta­dos, afi­gu­ra-se im­pro­vá­vel que a MP re­ce­ba a aten­ção de­vi­da.

O pla­no do go­ver­no con­fe­re à Agência Na­ci­o­nal de Águas (ANA) po­de­res pa­ra de­fi­nir nor­mas do se­tor em to­do o país, in­cluin­do ta­ri­fas e pa­drões de qua­li­da­de. Uma vez que a Cons­ti­tui­ção as­se­gu­ra aos mu­ni­cí­pi­os a prer­ro­ga­ti­va de le­gis­lar so­bre o te­ma, en­ti­da­des já se pre­pa­ram pa­ra ques­ti­o­nar a no­vi­da­de na Jus­ti­ça.

A me­di­da pro­vi­só­ria tam­bém obri­ga as ci­da­des a abrir li­ci­ta­ção pú­bli­ca sem­pre que qui­se­rem con­tra­tar ter­cei­ros pa­ra pres­tar os ser­vi­ços, im­pe­din­do a re­a­li­za­ção de con­vê­ni­os di­re­tos com as com­pa­nhi­as de sa­ne­a­men­to dos es­ta­dos.

A ideia é es­ti­mu­lar o en­vol­vi­men­to da ini­ci­a­ti­va pri­va­da, mas a ino­va­ção ame­a­ça um dos pi­la­res que sus­ten­tam em­pre­sas co­mo a Sa­besp, que fi­nan­ci­am in­ves­ti­men­tos em re­giões po­bres com re­cur­sos ar­re­ca­da­dos nas ci­da­des mais ri­cas.

O no­vo mo­de­lo põe em ris­co es­se me­ca­nis­mo de sub­sí­dio cru­za­do ao cri­ar in­cen­ti­vos pa­ra que os mu­ni­cí­pi­os se des­li­guem das con­ces­si­o­ná­ri­as es­ta­du­ais sem que elas se­jam in­de­ni­za­das pe­los gastos que fi­ze­ram nas re­des lo­cais.

Nos úl­ti­mos anos, o se­tor pri­va­do foi res­pon­sá­vel por um quin­to dos in­ves­ti­men­tos re­a­li­za­dos pe­lo país em sa­ne­a­men­to bá­si­co. Re­des ad­mi­nis­tra­das por es­sas em­pre­sas já aten­dem 9% da po­pu­la­ção.

Da­das as enor­mes ca­rên­ci­as nes­sa área e a es­cas­sez de re­cur­sos or­ça­men­tá­ri­os, é fá­cil per­ce­ber que se­rá im­pos­sí­vel li­dar com o pro­ble­ma só com di­nhei­ro do Or­ça­men­to e das es­ta­tais. Mas se­rá pre­ci­so aper­fei­ço­ar o mo­de­lo pro­pos­to pe­lo go­ver­no pa­ra evi­tar que ele tra­ga ain­da mais con­fu­são.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.