Pós-elei­ção, ce­ná­rio de cri­se é ine­vi­tá­vel

Ce­ná­rio de cri­se é ine­vi­tá­vel e a le­gi­ti­mi­da­de do fu­tu­ro go­ver­no cor­re ris­co

Folha De S.Paulo - - Primeira Página - Luís Fran­cis­co Carvalho Fi­lho Ad­vo­ga­do cri­mi­nal, pre­si­diu a Co­mis­são Es­pe­ci­al de Mor­tos e De­sa­pa­re­ci­dos Po­lí­ti­cos (2001-2004) lf­car­va­lho­fi­lho@uol.com.br

O sis­te­ma elei­to­ral, con­ta­mi­na­do pe­lo ran­ço au­to­ri­tá­rio e pe­lo ci­nis­mo, apro­xi­ma-se do es­go­ta­men­to. O ce­ná­rio de cri­se é ine­vi­tá­vel e a le­gi­ti­mi­da­de do fu­tu­ro go­ver­no cor­re ris­co, in­de­pen­den­te­men­te do re­sul­ta­do.

O sis­te­ma elei­to­ral, con­ta­mi­na­do pe­lo ran­ço au­to­ri­tá­rio e pe­lo ci­nis­mo, apro­xi­ma-se do es­go­ta­men­to.

Até 16 de agos­to é o país do faz de con­ta. Pro­pa­gan­da an­te­ci­pa­da não po­de. O can­di­da­to que des­res­pei­tar é pu­ni­do se ti­ver co­nhe­ci­men­to pré­vio: co­mo os can­di­da­tos não sa­bem de na­da, nem se são can­di­da­tos, na­da acon­te­ce.

Pro­pa­gan­da só em lín­gua na­ci­o­nal. Ato gra­ve de in­su­bor­di­na­ção, pu­ni­do com até seis me­ses de pri­são, é cri­mi­no­so o slo­gan em idi­o­ma es­tran­gei­ro. Pa­ra in­tér­pre­tes ri­go­ro­sos, lín­gua na­ci­o­nal é o por­tu­guês (idi­o­ma ofi­ci­al da Re­pú­bli­ca), o que in­vi­a­bi­li­za­ria pu­bli­ci­da­de elei­to­ral em cai­a­pó ou em bo­ro­ro.

Pré-can­di­da­tos não pe­dem vo­to. Fa­zem “men­ção à pre­ten­sa can­di­da­tu­ra”, exal­tam su­as “qua­li­da­des pes­so­ais”, pro­me­tem a sal­va­ção do país, mas o “vote em mim” é proi­bi­dís­si­mo. Ad­mi­te-se até o “im­pul­si­o­na­men­to” pa­tro­ci­na­do de mensagens em re­des so­ci­ais, mas não po­dem pe­dir vo­to ex­pli­ci­ta­men­te. Só im­pli­ci­ta­men­te. Di­zem que o sis­te­ma é li­be­ral por­que au­to­ri­za a divulgação do po­si­ci­o­na­men­to de pré-can­di­da­tos so­bre ques­tões po­lí­ti­cas: era o que fal­ta­va proi­bir.

A li­ber­da­de de ex­pres­são é “pas­sí­vel de li­mi­ta­ção” por for­mi­dá­veis juí­zes em to­do o Bra­sil. O TSE pro­me­te a “me­nor in­ter­fe­rên­cia pos­sí­vel no de­ba­te de­mo­crá­ti­co” e su­ge­re “re­mo­ção de con­teú­do”.

Pes­qui­sa elei­to­ral é tra­ta­da com des­con­fi­an­ça por can­di­da­tos, le­gis­la­do­res e ma­gis­tra­dos, co­mo se fos­se ato de pro­pa­gan­da, pa­ra ilu­dir o elei­tor, e não fon­te de in­for­ma­ção.

Men­tir po­de, mas fa­ke news tem sta­tus de pe­ri­go­so ini­mi­go.

É proi­bi­do ri­di­cu­la­ri­zar partidos e can­di­da­tos mes­mo quan­do partidos e can­di­da­tos são ri­dí­cu­los. A pro­pa­gan­da não de­ve aten­tar con­tra os “bons cos­tu­mes”. De­se­nho ani­ma­do é abu­so de poder. Ar­tis­tas es­tão im­pe­di­dos de “ani­mar co­mí­ci­os”. É proi­bi­do con­fec­ci­o­nar ou dis­tri­buir ca­mi­se­ta, cha­vei­ro e bo­né. No dia da elei­ção só se ad­mi­te “ma­ni­fes­ta­ção in­di­vi­du­al e si­len­ci­o­sa”.

É co­mo se o ano elei­to­ral fos­se um in­ter­va­lo de obs­cu­ran­tis­mo. O de­se­jo de tu­te­lar a ca­be­ça do elei­tor —protegendo-o de in­fluên­ci­as per­ni­ci­o­sas— é an­ti­go, mas o jo­go da in­fluên­cia é da na­tu­re­za de­mo­crá­ti­ca.

Um prin­cí­pio cu­ri­o­so da lei bra­si­lei­ra vem do re­gi­me mi­li­tar e ten­ta im­pe­dir mei­os pu­bli­ci­tá­ri­os des­ti­na­dos a “cri­ar, ar­ti­fi­ci­al­men­te, na opi­nião pú­bli­ca, es­ta­dos men­tais, emo­ci­o­nais ou pas­si­o­nais”.

Di­fí­cil ima­gi­nar qual se­ria o es­ta­do não men­tal que o TSE pre­ten­de es­ta­be­le­cer no elei­to­ra­do, mas, em 2018, Lu­la é can­di­da­to a ser fio con­du­tor de al­gum “es­ta­do men­tal”. Res­ta sa­ber se é ar­ti­fi­ci­al.

Quer se ele­ger, mas não po­de ser elei­to. Quer se pro­nun­ci­ar e ser sa­ba­ti­na­do, mas es­tá pre­so e, se­gun­do a Jus­ti­ça, pre­so não fa­la. Emu­de­ci­do e atrás das gra­des, li­de­ra as in­ten­ções de vo­to. Seus se­gui­do­res não en­xer­gam li­su­ra na elei­ção sem Lu­la, ví­ti­ma de cons­pi­ra­ção ju­di­ci­al. Seus opo­nen­tes não en­xer­gam li­su­ra na elei­ção com Lu­la, con­de­na­do por cor­rup­ção em du­as ins­tân­ci­as de jul­ga­men­to.

Até o re­gis­tro de seu no­me pe­lo PT, de­pois da convenção, a can­di­da­tu­ra de Lu­la não exis­te. Ou exis­te? A par­tir de 16 de agos­to, sol­to ou pre­so, se o PT qui­ser, Lu­la es­ta­rá ha­bi­li­ta­do a fa­zer pro­pa­gan­da ofi­ci­al: o jul­ga­men­to da im­pug­na­ção do re­gis­tro acon­te­ce até 17 de se­tem­bro (20 di­as an­tes do pri­mei­ro tur­no).

Cas­sa­da a can­di­da­tu­ra, uma li­mi­nar do Su­pre­mo (Bra­sil, ter­ra das li­mi­na­res) es­ti­ca­ria sua per­ma­nên­cia na dis­pu­ta elei­to­ral. E se Lu­la ven­cer? Vai ser cas­sa­do? An­tes ou de­pois de as­su­mir? A Lei da Fi­cha Lim­pa dei­xa­ria de exis­tir pa­ra to­dos ou ela só não exis­ti­rá pa­ra Lu­la?

O ce­ná­rio de cri­se é ine­vi­tá­vel e a le­gi­ti­mi­da­de do fu­tu­ro go­ver­no cor­re ris­co. In­de­pen­den­te­men­te do re­sul­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.