Po­lí­ti­ca de apa­rên­ci­as

Folha De S.Paulo - - Opinião - Pa­blo Or­tel­la­do Pro­fes­sor do cur­so de ges­tão de po­lí­ti­cas pú­bli­cas da USP, é dou­tor em fi­lo­so­fia André Sin­ger O co­lu­nis­ta es­tá em fé­ri­as.

Em se­gun­do ou ter­cei­ro lu­gar nas pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to, Ci­ro Go­mes (PDT) é um dos fa­vo­ri­tos pa­ra ven­cer as elei­ções pre­si­den­ci­ais em ou­tu­bro.

Em­bo­ra a im­pren­sa in­sis­ta de­mais em res­sal­tar seu tem­pe­ra­men­to ex­plo­si­vo, sua prin­ci­pal ca­rac­te­rís­ti­ca é a ar­gú­cia, que tem lhe per­mi­ti­do pes­car vo­tos si­mul­ta­ne­a­men­te na es­quer­da e na di­rei­ta, a des­pei­to da po­la­ri­za­ção. Sua estratégia con­sis­te em es­con­der su­as op­ções po­lí­ti­cas com dis­far­ces re­tó­ri­cos que con­se­guem agra­dar aos dois cam­pos.

No seu dis­cur­so, por exem­plo, ele tem in­sis­ti­do que me­ta­de do Or­ça­men­to pú­bli­co é des­ti­na­da ao pa­ga­men­to de ju­ros, uma fa­mo­sa fa­lá­cia di­fun­di­da pe­la es­quer­da, que uti­li­za a clas­si­fi­ca­ção con­tá­bil que so­ma ju­ros e amor­ti­za­ções, tra­tan­do co­mo des­pe­sa o que é me­ra ro­la­gem da dí­vi­da.

Uma par­te da es­quer­da usa o artifício pa­ra su­ge­rir que não há fal­ta de re­cur­sos pú­bli­cos e que uma ri­go­ro­sa au­di­to­ria da dí­vi­da per­mi­ti­ria ma­gi­ca­men­te li­be­rar es­ses re­cur­sos pa­ra fi­na­li­da­des so­ci­ais. A res­pos­ta de Ci­ro, po­rém, é ou­tra. Ele pro­põe “com­prar a dí­vi­da” e mu­dar o seu per­fil, emi­tin­do tí­tu­los de mais lon­go pra­zo.

Nu­ma ma­no­bra re­tó­ri­ca pers­pi­caz, ele con­se­gue ao mes­mo tem­po agra­dar a es­quer­da ide­o­ló­gi­ca, que se vê con­tem­pla­da pe­lo dis­cur­so an­ti­ju­ros, e acal­mar o mer­ca­do, que vê de ime­di­a­to que sua so­lu­ção con­sis­te, ba­si­ca­men­te, em pa­gar e ge­ren­ci­ar a dí­vi­da pú­bli­ca.

Ci­ro tem fei­to a mes­ma coi­sa com seu dis­cur­so an­ti­cor­rup­ção e com sua po­lí­ti­ca de ali­an­ças. À es­quer­da, tem usa­do a du­ra re­tó­ri­ca do gol­pe, acu­san­do aque­les que apoi­a­ram o im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff de se­rem “gol­pis­tas” e até mes­mo “fas­cis­tas”. À di­rei­ta, tem en­fa­ti­za­do que sua tra­je­tó­ria na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca é ili­ba­da e que, se elei­to, vai pe­la pri­mei­ra vez go­ver­nar sem o MDB, que cha­ma de “qu­a­dri­lha”.

Ao mes­mo tem­po, se­gue em avan­ça­das tra­ta­ti­vas pa­ra con­se­guir o apoio do “centrão”, tam­bém co­nhe­ci­do co­mo “blo­cão”, um con­jun­to de partidos fi­si­o­ló­gi­cos e com pou­ca con­sis­tên­cia ide­o­ló­gi­ca que in­clui PP, DEM e So­li­da­ri­e­da­de e que em imo­de­ra­da lin­gua­gem po­la­ri­za­da po­de mui­to bem ser des­cri­to co­mo “gol­pis­ta” e “cor­rup­to”.

O can­di­da­to do PDT per­ce­beu que o elei­tor de es­quer­da se im­por­ta mes­mo é com a for­ma ide­o­ló­gi­ca do dis­cur­so, que o no­vo elei­tor de di­rei­ta se pre­o­cu­pa mui­to com o te­ma da cor­rup­ção, mas é des­po­li­ti­za­do e de­sin­for­ma­do e, que, pa­ra to­dos os de­mais, o que im­por­ta mes­mo é o tem­po de TV.

Mais do que qual­quer ou­tro can­di­da­to, Ci­ro en­ten­deu que pa­ra ope­rar num am­bi­en­te po­la­ri­za­do, cheio de obs­tá­cu­los, é pre­ci­so lem­brar a ca­da ins­tan­te que a po­lí­ti­ca é, an­tes de tu­do, um jo­go de apa­rên­ci­as.

Re­na­to Ma­cha­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.