Não Os pa­ra­do­xos do fi­nan­ci­a­men­to elei­to­ral

Anún­ci­os on­li­ne po­dem mul­ti­pli­car fa­ke news

Folha De S.Paulo - - Opinião - Walber de Mou­ra Agra Ad­vo­ga­do, pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Di­rei­to do Re­ci­fe e pro­cu­ra­dor do Es­ta­do de Per­nam­bu­co

É de sa­ben­ça ge­ral que, de­pois que o STF de­ci­diu a ADI 4650, es­ta­be­le­ceu-se a proi­bi­ção pa­ra que as pes­so­as ju­rí­di­cas pos­sam re­a­li­zar do­a­ções pa­ra as cam­pa­nhas elei­to­rais. Tal de­ci­são am­pa­rou-se na su­po­si­ção, mes­mo que distante da re­a­li­da­de, de que es­sa proi­bi­ção tor­na­ria o pro­ces­so elei­to­ral mais ín­te­gro, di­mi­nui­ria as vá­ri­as mo­da­li­da­des de abu­so de poder, fa­zen­do com que a pa­ri­da­de de ar­mas fos­se um pre­cei­to al­tis­so­nan­te.

Fo­ge dos ob­je­ti­vos des­sas par­cas li­nhas vis­lum­brar os mo­ti­vos cons­ci­en­tes ou in­cons­ci­en­tes des­sa me­di­da; to­da­via, de­ve-se su­bli­nhar que foi uma de­ci­são to­ma­da sem as de­vi­das dis­cus­sões com a so­ci­e­da­de, sem vis­lum­brar o ho­ri­zon­te pros­pec­ti­vo, ba­se­an­do-se em um vo­lun­ta­ris­mo ju­di­ci­al que atua co­mo uma pul­são na pro­cu­ra de ca­mi­nhos pa­ra a va­zão con­tí­nua das re­pe­ti­ções.

Por ou­tro la­do, o Poder Le­gis­la­ti­vo, sem ne­nhum com­pro­mis­so com o aper­fei­ço­a­men­to das prá­ti­cas elei­to­rais, per­mi­tiu o au­to­fi­nan­ci­a­men­to, até o li­mi­te pos­sí­vel ao car­go dis­pu­ta­do; nor­ma­ti­zou o crowd­fun­ding, co­mo se hou­ves­se uma tra­di­ção des­se ti­po de do­a­ção e so­bra fi­nan­cei­ra pa­ra fa­zê-lo; au­men­tou o va­lor do Fun­do Par­ti­dá­rio e cri­ou o Fun­do Es­pe­ci­al de Fi­nan­ci­a­men­to Elei­to­ral, com va­lo­res ra­zoá­veis que con­tri­bui­rão pa­ra a per­pe­tu­a­ção do sta­tus quo po­lí­ti­co; e per­mi­tiu o im­pul­si­o­na­men­to nas re­des so­ci­ais.

Pa­ra­fra­se­an­do Mcluhan, a in­ter­net com su­as re­des so­ci­ais pos­si­bi­li­tou que a al­deia glo­bal se ins­ta­las­se em ca­da um dos com­pu­ta­do­res in­ter­li­ga­dos à re­de mun­di­al.

A ágo­ra gre­ga se des­lo­cou pa­ra o mun­do vir­tu­al, em que ca­da ci­da­dão tor­na-se par­tí­ci­pe dos mais va­ri­a­dos ti­pos de dis­cus­sões, me­ta­nar­ra­ti­vas ou não, ver­da­des lí­qui­das ou só­li­das, cri­an­do um mun­do ima­gi­ná­rio em que as fan­ta­si­as in­di­vi­du­ais se sol­tam.

Su­as con­sequên­ci­as ain­da não fo­ram aqui­la­ta­das em sua ex­ten­são; to­da­via, de­pois da par­ti­ci­pa­ção da Cam­brid­ge Analy­ti­ca nas úl­ti­mas elei­ções dos EUA, po­de-se ter uma ideia da di­men­são de sua in­fluên­cia.

A per­mis­são do im­pul­si­o­na­men­to de con­teú­do pa­go na in­ter­net te­rá uma re­per­cus­são ex­tra­or­di­ná­ria, fa­zen­do com que um can­di­da­to des­co­nhe­ci­do se tor­ne um pop star por meio do aces­so a da­dos sen­sí­veis dos elei­to­res, di­re­ci­o­nan­do a pro­pa­gan­da de acor­do com as es­pe­ci­fi­ci­da­des dos ci­da­dãos.

Ou­tros­sim, os seus efei­tos se­rão mui­to mais efi­ca­zes, ma­ni­pu­lan­do o pathos da coletividade pa­ra a re­a­li­za­ção de in­te­res­ses po­lí­ti­cos. Is­so sem con­tar que es­se nu­me­rá­rio po­de ser di­re­ci­o­na­do, de for­ma di­re­ta ou in­di­re­ta, pa­ra a des­cons­tru­ção de ad­ver­sá­ri­os po­lí­ti­cos, mul­ti­pli­can­do ex­po­nen­ci­al­men­te o nú­me­ro de fa­ke news.

O pa­ra­do­xo da ques­tão é que, en­quan­to a proi­bi­ção do fi­nan­ci­a­men­to de pes­so­as ju­rí­di­cas ten­tou, com cer­te­za sem gran­de su­ces­so, di­mi­nuir os acin­tes nas dis­pu­tas po­lí­ti­cas, o pro­ces­so elei­to­ral é atu­a­li­za­do por ba­li­zas nor­ma­ti­vas que pri­vi­le­gi­am o poder econô­mi­co.

O Poder Ju­di­ciá­rio e os le­gis­la­do­res não pri­ma­ram pe­la in­te­gri­da­de sis­tê­mi­ca do or­de­na­men­to elei­to­ral, con­du­zin­do seus com­por­ta­men­tos em atos re­fle­xos di­re­ci­o­na­dos pe­lo vo­lun­ta­ris­mo e pe­lo nar­ci­sis­mo de pre­ser­va­ção de seus in­te­res­ses.

Con­fi­gu­ra-se na ho­ra apro­pri­a­da pa­ra que os Po­de­res ins­ti­tuí­dos cons­tru­am um su­pe­re­re­go que pos­sa di­mi­nuir es­sas san­di­ces nor­ma­ti­vas e ju­di­ci­ais. Mas, di­an­te da au­sên­cia de subs­tra­tos mo­rais ou cul­tu­rais que pos­sam fa­ci­li­tar es­sa missão, tal­vez se­ja a opor­tu­ni­da­de pa­ra que a so­ci­e­da­de ci­vil exer­ça es­se pa­pel, im­pe­din­do que os im­pul­sos oriun­dos de re­cal­ques pos­sam des­sub­je­ti­var nos­sas ne­ces­si­da­des.

Lí­via Ser­ri Fran­coio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.