CNJ já afas­tou juí­zes por fa­vo­re­ci­men­to ile­gal em plan­tões

Folha De S.Paulo - - Poder - Fre­de­ri­co Vasconcelos

O Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ) já afas­tou ma­gis­tra­dos sus­pei­tos de aproveitar o plan­tão ju­di­ci­al pa­ra fa­vo­re­cer pa­ren­tes, ami­gos, ad­voga­dos, tra­fi­can­tes e or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas.

O ór­gão vai ana­li­sar se o juiz Ro­gé­rio Fa­vre­to, do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião, co­me­teu in­fra­ção dis­ci­pli­nar ao con­ce­der, du­ran­te o plan­tão do úl­ti­mo fim de se­ma­na, uma li­mi­nar pa­ra li­vrar da pri­são o ex-pre­si­den­te Lu­la.

Na quar­ta-fei­ra (11), a pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Raquel Dod­ge, acu­sou Fa­vre­to de co­me­ter in­fra­ções dis­ci­pli­na­res ao vi­o­lar nor­mas e as­su­mir, sem au­to­ri­za­ção le­gal, uma fun­ção que não era sua.

No CNJ, Fa­vre­to es­tá su­jei­to às pe­nas de re­mo­ção, dis­po­ni­bi­li­da­de e apo­sen­ta­do­ria — pe­nas mais bran­das, ad­ver­tên­cia e cen­su­ra, só se apli­cam a juí­zes de pri­mei­ro grau.

O cor­re­ge­dor na­ci­o­nal de Jus­ti­ça, mi­nis­tro João Otá­vio de No­ro­nha, ins­tau­rou pro­ce­di­men­to pre­li­mi­nar pa­ra apu­rar as con­du­tas de Fa­vre­to e tam­bém as dos juí­zes Ser­gio Mo­ro e João Pe­dro Ge­bran Ne­to, re­la­tor dos re­cur­sos no TRF-4.

O CNJ é um ór­gão ad­mi­nis­tra­ti­vo e re­ce­be re­cla­ma­ções e de­nún­ci­as de qual­quer in­te­res­sa­do. No­ro­nha de­ve jun­tar ao pro­ce­di­men­to even­tu­ais no­vos pe­di­dos de in­ves­ti­ga­ção.

Apu­ra­ções co­mo es­sa cos­tu­mam ter tra­mi­ta­ção de­mo­ra­da. Pos­si­vel­men­te o ple­ná­rio vai de­li­be­rar so­bre a aber­tu­ra de pro­ces­so na ges­tão do fu­tu­ro cor­re­ge­dor, mi­nis­tro Humberto Mar­tins, do Superior Tri­bu­nal de Jus­ti­ça.

A par­tir de se­tem­bro, o CNJ es­ta­rá sob o co­man­do do mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, que foi o re­la­tor do pro­ces­so que con­ce­deu li­ber­da­de ao ex-mi­nis­tro Jo­sé Dir­ceu, em ju­nho, e au­to­ri­zou a re­ti­ra­da da tor­no­ze­lei­ra ele­trô­ni­ca de­ter­mi­na­da por Mo­ro.

Ca­be ao pre­si­den­te do CNJ de­fi­nir pau­tas de jul­ga­men­tos.

Fa­vre­to foi acu­sa­do de ter des­cum­pri­do a Re­so­lu­ção 71/2009 do CNJ, que dis­ci­pli­na os plan­tões ju­di­ci­ais. Ela es­ta­be­le­ce, por exem­plo, que o plan­tão não se des­ti­na à rei­te­ra­ção de pe­di­do já apre­ci­a­do.

A re­so­lu­ção foi cri­a­da em 2009, quan­do co­me­ça­ram a se re­pe­tir abu­sos na con­ces­são de li­mi­nar em plan­tões.

O pri­mei­ro juiz plan­to­nis­ta afas­ta­do de­pois des­sa re­so­lu­ção foi um ma­gis­tra­do de Ala­go­as que fa­zia par­te de um gru­po es­pe­ci­a­li­za­do em frau­dar tí­tu­los pú­bli­cos fe­de­rais.

No Rio de Ja­nei­ro, um de­sem­bar­ga­dor con­ce­dia no plan­tão li­mi­na­res con­tra de­ci­sões que ain­da não ha­vi­am si­do to­ma­das.

No Ce­a­rá, o fi­lho de um de­sem­bar­ga­dor afas­ta­do co­lo­ca­va mensagens nas re­des so­ci­ais, avi­san­do o “dia da li­mi­nar”.

Os ad­voga­dos ar­gu­men­tam que os juí­zes têm li­ber­da­de pa­ra de­ci­dir e não po­dem ser pu­ni­dos por is­so. Mas, em ca­sos ab­sur­dos, o CNJ já de­ter­mi­nou a sus­pen­são de de­ci­sões ju­di­ci­ais.

Cor­re­ge­dor in­te­ri­no, o con­se­lhei­ro Gil­ber­to Mar­tins sus­pen­deu ato de uma de­sem­bar­ga­do­ra do Pa­rá que ha­via li­be­ra­do R$ 20 mi­lhões pa­ra um sín­di­co da re­cu­pe­ra­ção de uma es­ta­tal.

Es­sa mes­ma juí­za te­ve de­ci­são tor­na­da sem efei­to por Eli­a­na Calmon, en­tão cor­re­ge­do­ra na­ci­o­nal, que im­pe­diu uma frau­de con­tra o Ban­co do Bra­sil ao sus­tar de­ci­são que des­vi­a­ria mais de R$ 2 bi­lhões pa­ra o au­tor de uma ação.

Na ma­ni­fes­ta­ção ao CNJ so­bre o ca­so do TRF-4, Raquel Dod­ge dis­se: “Es­ta re­pre­sen­ta­ção não sub­me­te qual­quer ato ju­ris­di­ci­o­nal ao es­cru­tí­nio do CNJ, vez que não bus­ca a in­va­li­da­ção, nem a re­vo­ga­ção de qual­quer ato ju­di­ci­al”.

O ha­be­as cor­pus pa­ra Lu­la ha­via si­do im­pe­tra­do por três de­pu­ta­dos pe­tis­tas. Fa­vre­to foi fi­li­a­do ao PT por qua­se 20 anos. In­di­ca­do pe­la OAB, ele foi no­me­a­do em 2011 pe­la ex­pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff pa­ra va­ga da ad­vo­ca­cia no TRF4, pe­lo Quin­to Cons­ti­tu­ci­o­nal. Em en­tre­vis­ta a uma rá­dio no úl­ti­mo do­min­go, o juiz ne­gou que te­nha agi­do por in­fluên­ci­as par­ti­dá­ri­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.