Tran­ca­men­to de ação no STF não apla­ca so­fri­men­to de in­fâ­mia, diz tu­ca­no Ca­pez

Folha De S.Paulo - - Poder - Ga­bri­e­la Sá Pes­soa

Ex-pre­si­den­te da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va de São Pau­lo, o de­pu­ta­do es­ta­du­al Fernando Ca­pez (PSDB) diz se sen­tir jus­ti­ça­do pe­lo STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) que, em 26 de ju­nho, tran­cou de­fi­ni­ti­va­men­te uma ação con­tra ele no Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de São Pau­lo, no ca­so co­nhe­ci­do co­mo má­fia da me­ren­da.

Ca­pez foi acu­sa­do de pe­dir pro­pi­na à Co­af (Co­o­pe­ra­ti­va Or­gâ­ni­ca Agrí­co­la Fa­mi­li­ar) pa­ra in­ter­fe­rir em fa­vor da co­o­pe­ra­ti­va na Se­cre­ta­ria de Edu­ca­ção do go­ver­no Ge­ral­do Alck­min (PSDB).

O escândalo veio à to­na em 2016, com uma ope­ra­ção que iden­ti­fi­cou des­vi­os em con­tra­tos da Co­af. O va­lor des­vi­a­do, se­gun­do o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, te­ria si­do usa­do pa­ra pa­gar des­pe­sas da cam­pa­nha de 2014 de Ca­pez.

Por 3 vo­tos a 1, os mi­nis­tros aca­ta­ram a te­se da de­fe­sa de que hou­ve in­ti­mi­da­ção de tes­te­mu­nhas e que fal­ta­vam pro­vas pa­ra tor­ná-lo réu.

O sr. en­ca­ra o tran­ca­men­to da ação pe­lo STF co­mo um des­fe­cho?

Sim. A Jus­ti­ça de­ci­diu, pe­la sua mais al­ta ins­tân­cia e de for­ma ir­re­cor­rí­vel, que a acu­sa­ção de­ve­ria ser en­cer­ra­da. A de­ci­são re­tra­tou a vi­são do re­la­tor e de di­ver­sos de­sem­bar­ga­do­res. Is­so dá tran­qui­li­da­de, mas não apla­ca o so­fri­men­to de uma in­fâ­mia. Ja­mais po­de­ría­mos es­pe­rar uma de­nún­cia pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. A CPI já ha­via cons­ta­ta­do ine­xis­tên­cia de in­dí­ci­os. A Cor­re­ge­do­ria-ge­ral da Ad­mi­nis­tra­ção ti­nha con­cluí­do que não hou­ve par­ti­ci­pa­ção de ter­cei­ros. E as in­for­ma­ções que ha­vía­mos re­ce­bi­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co é que a de­nún­cia não se­ria ofe­re­ci­da, in­clu­si­ve an­te­ci­pa­do a mim por mem­bros da ins­ti­tui­ção.

Por mem­bros da in­ves­ti­ga­ção?

Não… Era voz cor­ren­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co que aque­la era uma in­ves­ti­ga­ção sem ne­nhum ele­men­to. Con­tra­ri­a­va as evi­dên­ci­as. Por is­so, o re­la­tor re­jei­tou a de­nún­cia. O tom po­lí­ti­co da in­ves­ti­ga­ção é in­dis­far­çá­vel.

O sr. fri­sa o po­si­ci­o­na­men­to do re­la­tor, mas 12 de­sem­bar­ga­do­res do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça vo­ta­ram pa­ra tor­ná­lo réu. Por que to­ma­ram es­sa de­ci­são?

Dos 12 vo­tos, 11 fo­ram sem mo­ti­va­ção.

Co­mo as­sim?

Sem fun­da­men­ta­ção. Os vo­tos eram as­sim: va­mos re­ce­ber a de­nún­cia por­que re­ce­be­mos há dois me­ses uma de­nún­cia con­tra uma pro­mo­to­ra por ho­mi­cí­dio. Vo­cê es­tá re­ce­ben­do uma de­nún­cia, não con­de­nan­do.

O sr. é mem­bro li­cen­ci­a­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Já viu in­ves­ti­ga­ção com mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca?

Nos tem­pos atu­ais, se faz escândalo em ci­ma de in­ves­ti­ga­ção quan­do en­vol­ve au­to­ri­da­des ou pes­so­as co­nhe­ci­das. Atrai in­te­res­se da mí­dia. Nes­ses ca­sos, nor­mal­men­te a aná­li­se se­re­na e equi­li­bra­da é com­pro­me­ti­da.

Den­tro do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co?

E em qual­quer ou­tro ór­gão. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co tem uma lar­ga fo­lha de ser­vi­ços pres­ta­dos à so­ci­e­da­de, te­nho or­gu­lho de per­ten­cer a ele. Mas não isen­ta que em de­ter­mi­na­dos ca­sos as pai­xões de al­guns in­te­gran­tes pos­sam do­mi­nar as ações.

Pai­xões são di­fe­ren­tes de mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca. O sr. já viu al­gum co­le­ga agir de­li­be­ra­da­men­te por mo­ti­va­ções po­lí­ti­cas?

Não vou me ma­ni­fes­tar. Não vou cri­ti­car a mi­nha ins­ti­tui­ção pu­bli­ca­men­te. Nes­te ca­so, cha­ma­ram a aten­ção fa­tos ob­je­ti­vos. O que ex­pli­ca que tes­te­mu­nhas es­ti­ves­sem sen­do co­a­gi­das?

Por quem?

Por de­le­ga­dos e um pro­mo­tor de Jus­ti­ça.

Quer que is­so se­ja in­ves­ti­ga­do? O TJ de­ter­mi­nou que se pro­ce­da a in­ves­ti­ga­ção dos abu­sos de au­to­ri­da­de. Ve­ja o que diz uma tes­te­mu­nha [lê um de­poi­men­to ane­xa­do por sua de­fe­sa em ma­ni­fes­ta­ção à Jus­ti­ça]: “O se­nhor foi ame­a­ça­do por al­guém? Sim, no dia do meu de­poi­men­to”. Aí ele [tes­te­mu­nha] diz: “Eu não es­ta­va pre­sen­te. Quem re­di­giu meu de­poi­men­to foi o pro­mo­tor de Jus­ti­ça, e sem­pre com a ame­a­ça de eu ser pre­so”. Foi uma in­ves­ti­ga­ção isen­ta? Não, foi di­re­ci­o­na­da pa­ra pro­du­zir res­pon­sa­bi­li­da­de.

Acha que foi su­fi­ci­en­te­men­te de­fen­di­do pe­lo PSDB e pe­lo ex-go­ver­na­dor?

Alck­min deu en­tre­vis­tas di­zen­do que não acre­di­ta­va em qual­quer par­ti­ci­pa­ção mi­nha por eu ser mem­bro do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, pe­la na­tu­re­za do te­ma.

E o par­ti­do?

O pre­si­den­te es­ta­du­al, Pe­dro To­bi­as, de­fen­deu. Mas o par­ti­do não é o go­ver­na­dor e o pre­si­den­te. Exis­tem ques­tões in­ter­nas.

Pes­qui­sas in­ter­nas mos­tram que o ca­so da me­ren­da te­ve um pe­so po­lí­ti­co gran­de pa­ra o PSDB e pa­ra o ex-go­ver­na­dor. Não me afe­tou po­li­ti­ca­men­te. Me afe­tou na al­ma. Me afe­tou pes­so­al­men­te. A mim não afe­tou. Se al­go po­dia ter si­do fei­to e não foi, se foi ali­men­ta­do fogo ami­go, se gru­dou em al­guém... Em mim, não foi. É in­jus­to co­lar es­sa ima­gem no Alck­min, mas o PSDB vai car­re­gar is­so, sem dú­vi­da. O que o par­ti­do po­dia ter ex­pli­ca­do? Que a co­o­pe­ra­ti­va em ques­tão per­deu a li­ci­ta­ção. O par­ti­do po­dia ter me ar­ru­ma­do ca­nais de co­mu­ni­ca­ção na im­pren­sa, quem ia me dar ou­vi­do? Não tem ninguém que te­nha for­ça nes­se par­ti­do pa­ra fa­zer uma de­fe­sa?

O pro­ces­so não tra­mi­tou, foi tran­ca­do. O sr. se sen­te ino­cen­ta­do?

Me sin­to jus­ti­ça­do. Pe­lo en­cer­ra­men­to an­tes de pro­ces­so sem pé nem ca­be­ça e ne­nhu­ma chan­ce de dar cer­to. Cla­ro que eu que­ria ser ino­cen­ta­do, mas eu ia es­pe­rar o quê? Mais cin­co ou seis anos des­se ab­sur­do?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.