Pas­to­ra trans com fi­lhos ado­ta­dos dis­pu­ta va­ga na Câ­ma­ra

Folha De S.Paulo - - Poder - An­na Vir­gi­nia Bal­lous­si­er Edu­ar­do Ani­zel­li/Folhapress De­mé­trio Mag­no­li O co­lu­nis­ta es­tá em fé­ri­as

“Se acon­te­cer de eu ser elei­ta, ima­gi­na o nó na ca­be­ça da ban­ca­da evan­gé­li­ca? Co­mo as­sim uma pas­to­ra ‘tra­va’?” Tem gen­te que faz o si­nal da cruz só de pen­sar na pos­si­bi­li­da­de, e Alexya Sal­va­dor, 37, sa­be dis­so. Mas, pa­ra ela, é uma ques­tão de mu­dar o sis­te­ma por den­tro. “Qu­e­ro es­tar ao la­do do Bol­so­na­ro e di­zer: o sr. es­tá equi­vo­ca­do.”

O pre­si­den­ciá­vel do PSL, pa­ra ela, sim­bo­li­za o pi­or dos mun­dos, por­ta-voz de um con­ser­va­do­ris­mo que não to­le­ra a di­ver­si­da­de —pre­ci­sa­men­te o que ela re­pre­sen­ta, dos pés (ta­ma­nho 44) à ca­be­ça (com a ca­be­lei­ra ca­che­a­da re­cé­ma­jei­ta­da no sa­lão de be­le­za).

Alexya é pas­to­ra trans­gê­ne­ro na ICM (Igre­ja da Co­mu­ni­da­de Me­tro­po­li­ta­na), que des­toa de ou­tras de­no­mi­na­ções evan­gé­li­cas por agre­gar o pú­bli­co LGBTQ. Tem­plos do ti­po são cha­ma­dos de igrejas in­clu­si­vas, con­cei­to que Alexya acha cu­ri­o­so. “É tão re­dun­dan­te, né?” Pa­ra ela, to­das as igrejas de­ve­ri­am in­cluir, e não ex­cluir ir­mãos.

Ela se fi­li­ou ao PSOL em 2017, após ou­vir o de­pu­ta­do e ago­ra co­le­ga de par­ti­do Je­an Wyllys di­zer que era o úni­co par­la­men­tar as­su­mi­da­men­te ho­mos­se­xu­al no Bra­sil. Ago­ra Alexya quer con­cor­rer à Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, pois Deus a li­vre de ter um Con­gres­so à mer­cê de fi­gu­ras co­mo Ca­bo Da­ci­o­lo, o con­gres­sis­ta que co­me­çou a car­rei­ra po­lí­ti­ca no PSOL e ho­je, no Avan­te, faz “pro­fe­ci­as” pa­ra Wyllys —“irmão Je­an, vo­cê vai se ca­sar e ter fi­lhos e le­var a pa­la­vra de Deus por to­do o país”, dis­se em 2017 na tri­bu­na.

Ela é mui­to bem ca­sa­da com Ro­ber­to, a quem co­nhe­ceu na es­ca­da ro­lan­te do me­trô da Sé. É tam­bém mãe de dois fi­lhos ado­ta­dos: Ga­bri­el, 13, que tem ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais (“ele vi­ve no seu mun­di­nho par­ti­cu­lar”), e Ana Ma­ria, 11, trans­gê­ne­ro, co­mo a mãe —que é vi­ce-pre­si­den­te da Abrafh (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Fa­mí­li­as Ho­mo­tran­sa­fe­ti­vas).

Re­li­gi­o­sa Alexya sem­pre foi. “Cres­ci na Igre­ja Ca­tó­li­ca por­que lá era o úni­co lu­gar em que eu não apa­nha­va”, con­ta na se­de da ICM, em San­ta Ce­cí­lia (re­gião cen­tral de São Pau­lo). Os so­pa­pos que le­va­va fo­ra da­li, de co­le­gas que não acei­ta­vam “o vi­a­di­nho da tur­ma”, dei­xa­vam he­ma­to­mas. Mas a vi­o­lên­cia de es­cu­tar pa­dres di­zen­do que gays não eram “obra de Deus” ge­ra­va mar­cas tão ou mais pro­fun­das ne­la.

Na épo­ca ela não sabia, mas Alexya nun­ca foi gay. É uma mu­lher trans. “Nas­ci com pê­nis, en­tão ti­nha que me com­por­tar co­mo meus pais es­pe­ra­vam. Mas eu que­ria ro­dar bam­bo­lê, e não jo­gar fu­te­bol.”

Um Na­tal em par­ti­cu­lar a mar­cou. Ti­nha uns 9, 10 anos. A ár­vo­re de Na­tal da fa­mí­lia, em Mai­ri­po­rã (SP), era um pinheiro en­cra­va­do nu­ma la­ta de tin­ta, com al­go­dão si­mu­lan­do ne­ve e bo­las de vi­dro da­que­las que que­bra­vam fá­cil.

“Lem­bro que meu pai tra­ba­lhou tan­to que con­se­guiu pre­sen­tes. Pra mim, um carrinho de con­tro­le re­mo­to. Pra mi­nha ir­mã, uma Be­bê Bo­ne­ca. Es­pe­rei to­do mun­do dor­mir, pe­guei a bo­ne­ca e fui no ba­nhei­ro brin­car com ela.”

Quan­do ain­da aten­dia por Ale­xan­der, fez se­mi­ná­rio. Foi por es­ses tem­pos que, vol­tan­do de even­to na PUC, viu “mui­tas tra­ves­tis nu­ma rua”. Ti­nha 22 anos. “Aque­la ima­gem não saía de mim, me in­va­diu co­mo se fos­se uma luz.”

Ter­mi­nou o se­mi­ná­rio e de­ci­diu con­tar aos pais que era trans­gê­ne­ro. “Mi­nha mãe te­ve um aces­so de ri­so, meu pai dis­se: ‘Olha, se vo­cê for vi­a­do até acei­to, mas se eu te ver ves­ti­do de mu­lher vou te ma­tar’. Pen­sei, ok, se ele me acei­ta co­mo gay já é um co­me­ço.”

Aos 28, se as­su­miu co­mo mu­lher trans. “A par­tir de ho­je não sou Ale­xan­der, não uso mais cu­e­ca, vou usar o ca­be­lo até a cin­tu­ra. Meu pai até en­gas­gou na la­sa­nha que es­ta­va chu­pan­do.” Ho­je ele já a acei­ta co­mo fi­lha, pro­ces­so ca­ta­li­sa­do por um per­so­na­gem trans­gê­ne­ro que o co­mo­veu, o Ivan (Ca­rol Du­ar­te) da no­ve­la glo­bal “A For­ça do Que­rer”.

Ela blo­queia os co­men­tá­ri­os de ódio nas re­des so­ci­ais. Os ata­ques par­tem de igrejas Alexya pas­to­ra trans­gê­ne­ro, can­di­da­ta a de­pu­ta­da fe­de­ral que acham a ICM li­be­ral de­mais. “A gen­te não tem dou­tri­na, e is­so ir­ri­ta. Aqui di­ze­mos que po­de ir ba­ter ca­be­lo na Blue Spa­ce e be­ber cho­pi­nho no Ca­ne­ca de Pra­ta”, diz so­bre a ba­la­da gay e o bar no pau­lis­ta­no Lar­go do Arou­che.

Sua mi­li­tân­cia mai­or é na te­o­lo­gia, con­ta. Pro­cu­ra des­cons­truir a ideia de que a Bí­blia cra­va a ho­mos­se­xu­a­li­da­de co­mo pe­ca­do. Sim, de fa­to, es­tá lá no li­vro Le­ví­ti­co, do An­ti­go Tes­ta­men­to: “Não te dei­ta­rás com um ho­mem, co­mo se fos­se mu­lher: is­so é uma abo­mi­na­ção”.

“Mas Le­ví­ti­co tam­bém diz que Deus abo­mi­na quem ves­te rou­pa com dois fi­os di­fe­ren­tes e co­me ca­ma­rão [se­ria im­pu­ro]. “Nes­ses ca­sos”, con­ti­nua, as pes­so­as vêm di­zer que não dá pa­ra le­var tu­do ao pé da le­tra, eram ou­tros tem­pos.

“Nas­ci com pê­nis, en­tão ti­nha que me com­por­tar co­mo meus pais es­pe­ra­vam. Mas eu que­ria ro­dar bam­bo­lê, e não jo­gar fu­te­bol

A pas­to­ra trans­gê­ne­ro Alexya Sal­va­dor, que vai dis­pu­tar uma va­ga na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.