Subs­tân­cia que en­ve­ne­nou ca­sal es­ta­va em gar­ra­fa, diz po­lí­cia

Folha De S.Paulo - - Mundo - AFP, As­so­ci­a­ted Press e Reuters

O agen­te neu­ro­tó­xi­co que ma­tou uma mu­lher e dei­xou um ho­mem em es­ta­do gra­ve em uma ci­da­de bri­tâ­ni­ca foi en­con­tra­do em uma gar­ra­fa no apar­ta­men­to on­de o ca­sal es­ta­va, que fi­ca per­to do lo­cal no qual o ex-es­pião rus­so Ser­guei Skri­pal foi en­ve­ne­na­do, dis­se a po­lí­cia nes­ta sex­ta (13).

“Na quar­ta-fei­ra, 11 de ju­lho, foi recuperada uma pe­que­na gar­ra­fa du­ran­te a re­vis­ta da ca­sa de Char­lie Ro­wley em Ames­bury”, in­for­mou a po­lí­cia bri­tâ­ni­ca em no­ta.

O tex­to acres­cen­ta que os tes­tes con­fir­ma­ram que “a subs­tân­cia con­ti­da na gar­ra­fa era No­vit­chok”.

“Es­te é cla­ra­men­te um av­nan­ço sig­ni­fi­ca­ti­vo e po­si­ti­vo. No en­tan­to, não po­de­mos ga­ran­tir que não ha­ja mais resquí­ci­os da subs­tân­cia”, afir­mou o co­mis­sá­rio as­sis­ten­te Neil Ba­su, che­fe da uni­da­de de con­tra­ter­ro­ris­mo da po­lí­cia bri­tâ­ni­ca. “Por pre­cau­ção, bus­cas mi­nu­ci­o­sas vão con­ti­nu­ar pa­ra se­gu­ran­ça do pú­bli­co e pa­ra aju­dar a equi­pe in­ves­ti­ga­do­ra.”

Ba­su não quis dar mais de­ta­lhes so­bre a gar­ra­fa, mas in­ves­ti­ga­ções es­tão sen­do fei­tas no sen­ti­do de des­co­brir de on­de ela veio e co­mo foi pa­rar nas mãos de Ro­wley.

A com­pa­nhei­ra de Ro­wley, Dawn Stur­gess, tam­bém en­ve­ne­na­da por No­vit­chok, mor­reu no do­min­go (8), de­pois de pas­sar oi­to di­as no hos­pi­tal. Sua mor­te le­vou as au­to­ri­da­des a abrir uma in­ves­ti­ga­ção por ho­mi­cí­dio.

O ca­sal foi ex­pos­to ao mes­mo ti­po de agen­te usa­do con­tra o ex-es­pião rus­so Ser­guei Skri­pal e sua fi­lha Iu­lia em mar­ço, na ci­da­de de Sa­lis­bury (a 10 km de Ames­bury).

O Rei­no Uni­do e seus ali­a­dos acu­sam Mos­cou de ten­tar ma­tar os Skri­pal, que so­bre­vi­ve­ram, cau­san­do uma for­te cri­se di­plo­má­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal. A Rús­sia ne­ga en­vol­vi­men­to no ca­so.

No­vit­chok é um agen­te neu­ro­tó­xi­co de­sen­vol­vi­do pe­la União So­vié­ti­ca du­ran­te a Guer­ra Fria.

A po­lí­cia acre­di­ta que o ca­sal te­nha ma­nu­se­a­do um ob­je­to con­ta­mi­na­do com uma al­ta do­se da subs­tân­cia, em­bo­ra não se­ja ain­da pos­sí­vel de­ter­mi­nar se o agen­te neu­ro­tó­xi­co é do mes­mo lo­te do usa­do con­tra o ex-es­pião rus­so e sua fi­lha.

O go­ver­no bri­tâ­ni­co aler­tou na os mo­ra­do­res de Sa­li­bury e de Ames­bury a não “pe­gar ne­nhum ob­je­to es­tra­nho que con­te­nha lí­qui­do ou gel”, co­mo re­ci­pi­en­tes, se­rin­gas, agu­lhas e cos­mé­ti­cos.

O Rei­no Uni­do con­vi­dou es­pe­ci­a­lis­tas in­ter­na­ci­o­nais da Opaq, a agência da ONU pa­ra o con­tro­le de ar­mas quí­mi­cas, pa­ra con­fir­mar de mo­do in­de­pen­den­te a iden­ti­da­de da subs­tân­cia neu­ro­tó­xi­ca.

Ro­wley, 45, re­cu­pe­rou a cons­ci­ên­cia nes­ta quar­ta­fei­ra (11). A po­lí­cia in­for­mou que con­se­guiu fa­lar por al­guns mi­nu­tos com o pa­ci­en­te e que de­ve vol­tar a ou­vi-lo nos pró­xi­mos di­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.