‘Ain­da não acre­di­to que deu cer­to ti­rá­los da ca­ver­na’

Mer­gu­lha­do­res, vo­lun­tá­ri­os e mi­li­ta­res re­la­tam an­si­e­da­de e per­cal­ços em res­ga­te na Tai­lân­dia

Folha De S.Paulo - - Mundo - Han­nah Be­e­ch , Ri­chard C. Pad­dock e Muk­ti­ta Suhar­to­no

Con­tras as pro­ba­bi­li­da­des, a mai­o­ria dos me­ni­nos foi res­ga­ta­da sem er­ros. Mas na 11ª vi­a­gem pa­ra sal­var um dos in­te­gran­tes de um ti­me de fu­te­bol ju­ve­nil pre­so ha­via qua­se 18 di­as em uma ca­ver­na al­go deu er­ra­do.

A equi­pe de res­ga­te no in­te­ri­or de uma câ­ma­ra sub­ter­râ­nea sen­tiu um pu­xão na cor­da guia —si­nal de que um dos 12 ga­ro­tos e seu téc­ni­co lo­go emer­gi­ria do tú­nel inun­da­do. “Con­ti­nu­em”, dis­se­ram os so­cor­ris­tas, se­gun­do o ma­jor Char­les Hod­ges, co­man­dan­te de missão ame­ri­ca­na que au­xi­li­a­va o res­ga­te no lo­cal.

Pas­sa­ram-se 15 mi­nu­tos. De­pois 60. De­pois 90.

En­quan­to os so­cor­ris­tas aguar­da­vam an­si­o­sa­men­te, um mer­gu­lha­dor que con­du­zia o 11º me­ni­no pe­lo la­bi­rin­to inun­da­do sol­tou a cor­da.

Sem vi­si­bi­li­da­de, não con­se­guiu re­en­con­trá-la. Ele en­tão re­cu­ou len­ta­men­te na ca­ver­na em bus­ca da guia. Só as­sim o res­ga­te pô­de pros­se­guir. Fi­nal­men­te o me­ni­no saiu. São.

Foi um mo­men­to as­sus­ta­dor em uma ope­ra­ção até en­tão sur­pre­en­den­te­men­te in­có­lu­me pa­ra res­ga­tar os jo­ga­do­res do Ja­va­lis Sel­va­gens, que so­bre­vi­ve­ram à es­cu­ri­dão do com­ple­xo de ca­ver­nas Tham Lu­ang, na Tai­lân­dia, lam­ben­do água das pa­re­des ge­la­das de cal­cá­rio pa­ra se hi­dra­tar.

“O mun­do es­ta­va acom­pa­nhan­do, tí­nha­mos que con­se­guir”, dis­se Ka­ew, SEAL da Ma­ri­nha tai­lan­de­sa que aba­na­va a ca­be­ça ao re­fle­tir so­bre o res­ga­te. “Não ha­via es­co­lha.”

En­tre­vis­tas com mi­li­ta­res e au­to­ri­da­des en­vol­vi­das trou­xe­ram à to­na de­ta­lhes de uma ope­ra­ção mon­ta­da com a con­tri­bui­ção fí­si­ca e in­te­lec­tu­al de gen­te de to­do o mun­do. Dez mil pes­so­as par­ti­ci­pa­ram da ope­ra­ção. Ha­via 2.000 sol­da­dos, 200 mer­gu­lha­do­res e cem agên­ci­as go­ver­na­men­tais.

Fo­ram usa­dos ca­su­los plás­ti­cos, ma­cas flu­tu­an­tes e uma cor­da guia que içou os ga­ro­tos so­bre tre­chos aci­den­ta­dos.

Os me­ni­nos fi­ca­ram iso­la­dos nu­ma en­cos­ta ro­cho­sa a mais de 1.500 me­tros abai­xo da su­per­fí­cie. Pa­ra ti­rá-los foi pre­ci­so atra­ves­sar lon­gos tre­chos de­bai­xo d’água de bai­xís­si­ma tem­pe­ra­tu­ra, man­ten­do­os os sub­mer­sos por cer­ca da 40 mi­nu­tos ca­da vez. Os ga­ro­tos che­ga­ram a ser se­da­dos pa­ra evi­tar ata­ques de pâ­ni­co.

“O ele­men­to mais im­por­tan­te do res­ga­te foi a sor­te”, dis­se o ge­ne­ral Cha­long­chai Chaiyakham, do Exér­ci­to tai­lan­dês, que co­o­pe­rou com a ope­ra­ção. “Tan­tas coi­sas po­de­ri­am ter da­do er­ra­do, mas con­se­gui­mos ti­rar os me­ni­nos. Não acre­di­to que deu cer­to.”

Os ris­cos fi­ca­ram evi­den­tes na sex­ta, dia 6, quan­do o mer­gu­lha­dor da re­ser­va dos SEALs tai­lan­de­ses Sa­marn Ku­nan mor­reu. Três SEALs fo­ram hos­pi­ta­li­za­dos de­pois de seus ci­lin­dros de ar com­pri­mi­do qua­se se es­go­ta­rem.

As cor­ren­te­zas des­vi­a­vam os mer­gu­lha­do­res do ca­mi­nho du­ran­te ho­ras, às ve­zes ar­ran­can­do su­as más­ca­ras.

Com equi­pa­men­tos im­pro­vi­sa­dos, al­guns de­les re­men­da­dos, mais de 150 mer­gu­lha­do­res da Ma­ri­nha tai­lan­de­sa aju­da­ram a cri­ar a ro­ta de re­ti­ra­da. To­dos cor­re­ram ris­co de mor­te ca­da vez que en­tra­ram no la­bi­rin­to de Tham Lu­ang.

Equi­pes mi­li­ta­res es­tran­gei­ras trou­xe­ram equi­pa­men­tos de bus­ca e res­ga­te. Os ame­ri­ca­nos cui­da­ram da lo­gís­ti­ca, e os bri­tâ­ni­cos co­bri­ram os tre­chos mais pe­ri­go­sos. O rei da Tai­lân­dia do­ou su­pri­men­tos.

Gen­te de to­do o país co­o­pe­rou co­mo po­dia, pre­pa­ran­do re­fei­ções pa­ra a equi­pe, ope­ran­do bom­bas pa­ra su­gar água da ca­ver­na e pro­cu­ran­do fen­das nas for­ma­ções de cal­cá­rio por on­de os Ja­va­lis Sel­va­gens pu­des­sem ser iça­dos.

Mas, se­gun­do par­ti­ci­pan­tes da ope­ra­ção, o ele­men­to im­pres­cin­dí­vel pa­ra sal­var o ti­me de ga­ro­tos de 11 a 16 anos e seu téc­ni­co foi a co­ra­gem.

“Não sei de ne­nhum res­ga­te que te­nha co­lo­ca­do so­cor­ris­tas e res­ga­ta­dos em tan­to pe­ri­go por um pe­río­do de tem­po tão pro­lon­ga­do, ex­ce­to o ca­so dos bom­bei­ros que en­tra­ram no World Tra­de Cen­ter ci­en­tes de que o edi­fí­cio es­ta­va pres­tes a de­sa­bar [no 11

de Se­tem­bro]”, dis­se Hod­ges.

Fes­ta de ani­ver­sá­rio

Ha­via pre­vi­são de chu­va em 23 de ju­nho, quan­do os Ja­va­lis Sel­va­gens fi­ze­ram sua ex­cur­são a Tham Lu­ang, mas os ga­ro­tos já ha­vi­am ex­plo­ra­do a ca­ver­na an­tes. Eles dei­xa­ram bi­ci­cle­tas e chu­tei­ras na en­tra­da e se­gui­ram com lan­ter­nas, água e lan­ches pa­ra fes­te­jar o ani­ver­sá­rio de um de­les.

O úl­ti­mo in­te­gran­te do ti­me só sai­ria da­li em 10 de ju­lho.

Ao fim da pri­mei­ra noite, seus pais es­ta­vam em pâ­ni­co. Uma equi­pe de SEALs tai­lan­de­ses co­me­çou a en­trar na ca­ver­na às 4h do dia se­guin­te.

Mas eles es­ta­vam acos­tu­ma­dos a águas tro­pi­cais aber­tas, não à cor­ren­te­za bar­ren­ta e ge­la­da de ca­ver­nas. Não ti­nham equi­pa­men­to e mui­to me­nos co­nhe­ci­men­to pa­ra mergulho em ca­ver­nas, on-

de não dá vol­tar à su­per­fí­cie to­da vez que al­go dá er­ra­do.

Ru­en­grit Chang­kawa­nuyen, ge­ren­te re­gi­o­nal tai­lan­dês da Ge­ne­ral Mo­tors, foi um dos pri­mei­ros mer­gu­lha­do­res vo­lun­tá­ri­os a che­gar ao lo­cal, em 25 de ju­nho. De­ze­nas vi­ri­am de Fin­lân­dia, Rei­no Uni­do, Chi­na, Aus­trá­lia e EUA.

A for­ça da água em Tham Lu­ang pe­gou des­pre­ve­ni­do mes­mo um mer­gu­lha­dor em ca­ver­nas ex­pe­ri­en­te co­mo Ru­en­grit, ar­ran­can­do sua más­ca­ra quan­do ele não se po­si­ci­o­nou de fren­te pa­ra a cor­ren­te.

“Era co­mo en­trar em uma ca­cho­ei­ra mui­to for­te e sen­tir a água se lan­çan­do con­tra vo­cê”, con­tou. “Era uma es­ca­la­da ho­ri­zon­tal con­tra a água.”

Os SEALs e os vo­lun­tá­ri­os en­tra­ram com cui­da­do, fi­xan­do cor­das gui­as às pa­re­des. En­con­tra­ram pe­ga­das que da­vam in­dí­ci­os do ca­mi­nho dos ga­ro­tos. Mas as mon­ções fo­ram inun­dan­do a área, e as ca­ver­nas, de cal­cá­rio po­ro­so, ab­sor­vi­am água co­mo es­pon­jas. An­tes aces­sí­veis, elas fo­ram to­tal­men­te inun­da­das.

“Vo­cê es­ten­dia a mão à fren­te e ela su­mia”, dis­se Ka­ew. “Não da­va pa­ra ver na­da.”

Nas pro­fun­de­zas das ca­ver­nas, a água era tão ge­la­da que os den­tes dos mer­gu­lha­do­res tai­lan­de­ses ba­ti­am. Lan­ter­nas fo­ram co­la­das com fi­ta ade­si­va a ca­pa­ce­tes im­pro­vi­sa­dos.

No dé­ci­mo dia da ope­ra­ção, 2 de ju­lho, com pou­ca es­pe­ran­ça de achar al­go que não cor­pos, dois mer­gu­lha­do­res bri­tâ­ni­cos que es­ten­di­am uma re­de de cor­das gui­as vieram à su­per­fí­cie per­to de uma sa­li­ên­cia ro­cho­sa es­trei­ta.

De re­pen­te, vi­ram 13 pes­so­as sen­ta­das no es­cu­ro. Os Ja­va­lis Sel­va­gens ti­nham fi­ca­do sem co­mi­da e sem luz, mas ha­vi­am so­bre­vi­vi­do lam­ben­do a con­den­sa­ção das pa­re­des da ca­ver­na.

A ale­gria da des­co­ber­ta lo­go deu lu­gar à an­si­e­da­de. O ca­pi­tão Anand Su­rawan, vi­ce-co­man­dan­te dos SEALs tai­lan­de­ses, su­ge­riu que os ga­ro­tos tal­vez ti­ves­sem que fi­car na ca­ver­na por qua­tro me­ses, até aca­bar a es­ta­ção chu­vo­sa.

Três SEALs tai­lan­de­ses de­sa­pa­re­ce­ram por 23 ho­ras e, ao re­a­pa­re­ce­rem, es­ta­vam tão fra­cos por fal­ta de oxi­gê­nio que fo­ram le­va­dos ao hos­pi­tal.

Qua­tro di­as após os ga­ro­tos te­rem si­do lo­ca­li­za­dos, Sa­man Ku­nan, o SEAL da re­ser­va que dei­xou seu em­pre­go de se­gu­ran­ça em um ae­ro­por­to pa­ra ser vo­lun­tá­rio no res­ga­te, mor­reu quan­do es­ta­va co­lo­can­do ci­lin­dros de ar nu­ma ro­ta de su­pri­men­to de­bai­xo da água. Sua fa­mí­lia não au­to­ri­zou a au­tóp­sia, mas al­gu­mas au­to­ri­da­des tailandesas di­zem que ele fi­cou sem ar. Ou­tras, que foi hi­po­ter­mia.

“Te­nho or­gu­lho enor­me dele”, dis­se seu pai, Wi­chai Gu­nan, me­câ­ni­co. “Meu fi­lho é um he­rói que fez tu­do que pô­de pa­ra aju­dar os ga­ro­tos.”

En­quan­to is­so, os es­for­ços pa­ra dre­nar a ca­ver­na co­me­ça­ram a sur­tir efei­to. Sa­li­ên­ci­as ro­cho­sas co­me­ça­ram a ele­var-se da água tur­va. O tre­cho mais inun­da­do, que le­va­ra cin­co ho­ras pa­ra ser per­cor­ri­do no iní­cio da ação, ago­ra po­dia ser atra­ves­sa­do em du­as.

No úl­ti­mo fim de se­ma­na,

Os mer­gu­lha­do­res co­lo­ca­ram os me­ni­nos em ma­cas pa­ra trans­por­tá-los em­bai­xo d'água

As equi­pes le­va­ram apro­xi­ma­da­men­te du­as ho­ras pa­ra atra­ves­sar o tre­cho de 1,6 km en­tre o iní­cio e a ba­se de res­ga­te, em gran­de par­te com­ple­ta­men­te inun­da­do a an­si­e­da­de cres­ceu. A me­te­o­ro­lo­gia vol­tou a pre­ver chu­va. O ní­vel de oxi­gê­nio on­de os ga­ro­tos es­ta­vam caí­ra pa­ra 15%. A 12%, o ar se­ria le­tal.

A ope­ra­ção mu­da­va cons­tan­te­men­te con­for­me ca­da va­riá­vel: água, ar, la­ma, o es­ta­do men­tal e fí­si­co dos ga­ro­tos.

Sem sa­ber na­dar, eles pre­ci­sa­vam de más­ca­ras que co­bris­sem o ros­to in­tei­ro, den­tro das quais se­ria bom­be­a­do ar com for­te te­or de oxi­gê­nio.

Mas as más­ca­ras tra­zi­das pe­la equi­pe ame­ri­ca­na eram pa­ra adul­tos. Após tes­te com cri­an­ças nu­ma pis­ci­na lo­cal des­co­briu-se que, pu­xan­do as cin­co cor­rei­as ao má­xi­mo, elas po­de­ri­am fun­ci­o­nar.

A equi­pe ame­ri­ca­na, de 30 pes­so­as, re­co­men­dou que ca­da me­ni­no fos­se con­fi­na­do num ca­su­lo de plás­ti­co fle­xí­vel, cha­ma­do Sked e des­cri­to co­mo ma­ca de res­ga­te da For­ça Aé­rea dos EUA.

Mer­gu­lha­do­res bri­tâ­ni­cos con­du­zi­ram os ga­ro­tos pe­los tre­chos sub­mer­sos mais com­pli­ca­dos, de olho em bo­lhas de ar que com­pro­vas­sem que eles es­ta­vam res­pi­ran­do.

O pre­miê da Tai­lân­dia, Prayuth Chan-ocha, dis­se que os ga­ro­tos to­ma­ram tran­qui­li­zan­tes. “Eles só pre­ci­sa­vam fi­car dei­ta­dos”, dis­se Hod­ges, lí­der da equi­pe ame­ri­ca­na.

Quan­do os me­ni­nos com­ple­ta­ram a par­te do tra­je­to sub­mer­sa, que le­vou du­as ho­ras, o res­to do per­cur­so foi fá­cil, em­bo­ra ain­da de­sa­fi­a­dor.

Os SEALs for­ma­ram equi­pes de re­ve­za­men­to pa­ra car­re­gar os ga­ro­tos nas en­cos­tas ín­gre­mes e es­cor­re­ga­di­as. Em um pon­to, os ca­su­los fo­ram pos­tos so­bre as man­guei­ras das bom­bas d’água, usa­das co­mo es­cor­re­ga­dor. Em ou­tro, em ma­cas flu­tu­an­tes em­pur­ra­das pe­los mer­gu­lha­do­res.

Tor­ren­te fi­nal

O SEAL Ka­ew es­ta­va na ca­ver­na na noite de ter­ça (10), ter­mi­nan­do uma pizza de aba­ca­xi e fru­tos do mar, quan­do ou­viu o gri­to: vi­nha mais água.

Por três di­as, ele e os co­le­gas car­re­ga­ram 12 ga­ro­tos e o téc­ni­co e os en­tre­ga­ram em se­gu­ran­ça. Mi­nu­tos an­tes do alerta, Ka­ew re­ce­be­ra a equi­pe de SEALs que per­ma­ne­ce­ra com o ti­me por oi­to di­as na en­cos­ta sub­ter­râ­nea de Tham Lu­ang.

“Os me­ni­nos es­ta­vam em se­gu­ran­ça, meus ami­gos, tam­bém”, dis­se. “Pen­sei que a missão ti­nha si­do um su­ces­so.”

E en­tão uma das bom­bas que dre­na­va a ca­ver­na pa­rou.

A água, an­tes na cin­tu­ra do mer­gu­lha­dor, lo­go su­biu pa­ra o pei­to, jor­ran­do com for­ça on­de Ka­ew se en­con­tra­va, a cer­ca de 800 me­tros da bo­ca da ca­ver­na. Sem equi­pa­men­to à mão, ele te­ve que cor­rer pa­ra um lu­gar mais ele­va­do. Es­ca­pou por um triz da tor­ren­te.

Foi um fi­nal caó­ti­co pa­ra a ope­ra­ção. Mui­tos mer­gu­lha­do­res e mo­ra­do­res da ci­da­de de Mae Sai, pró­xi­ma à ca­ver­na, ve­em a inun­da­ção co­mo si­nal de que a pro­te­ção di­vi­na du­rou até to­dos se­rem sal­vos.

Ka­ew pas­sou a missão com um amu­le­to de Bu­da co­la­do ao cor­po com fi­ta à pro­va d’água. “A ca­ver­na é sa­gra­da”, dis­se. “Foi pro­te­gi­da até o fim.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.