Do­cu­men­tá­rio se sai bem ao exi­bir a par­te que re­ve­la o to­do

Folha De S.Paulo - - Ilustrada - HB-L

Berg­man - 100 Anos

(Berg­man - Ett år, Ett Liv). Sué­cia, 2018. Di­re­ção: Ja­ne Mag­nus­son. Prées­treia nes­te sá­ba­do (14) em di­ver­sas sa­las do cir­cui­to co­mer­ci­al. Es­treia pre­vis­ta pa­ra qui. (19). Clas­si­fi­ca­ção in­di­ca­ti­va não in­for­ma­da

Se não exis­te re­cei­ta pa­ra um do­cu­men­tá­rio de su­ces­so, há um ca­mi­nho cer­tei­ro pa­ra fra­cas­sar quan­do o as­sun­to é Berg­man: ten­tar abar­car to­da a sua tra­je­tó­ria.

Até mes­mo “A Ilha de Berg­man” (2004), ti­do co­mo o “uber­do­cu­men­tá­rio” so­bre o su­e­co —por con­tar com sua aqui­es­cên­cia e par­ti­ci­pa­ção di­re­ta—, res­trin­giu-se a três te­mas prin­ci­pais: a ilha de Faro, o tra­ba­lho em ci­ne­ma e a atu­a­ção no te­a­tro.

A di­re­to­ra Ja­ne Mag­nus­son já ha­via mos­tra­do co­nhe­ci­men­to des­sa má­xi­ma com a mi­nis­sé­rie “Berg­mans Vi­deo” (2012), que se cen­tra na va­ri­a­da coleção de fi­tas VHS do ci­ne­as­ta, e o lon­ga “Tres­pas­sing Berg­man” (in­va­din­do Berg­man, 2013), no qual ad­mi­ra­do­res cé­le­bres fa­lam do su­e­co, al­guns de­les de den­tro de sua ca­sa na ilha.

Com o cen­te­ná­rio do nas­ci­men­to do di­re­tor, veio a ten­ta­ção trai­ço­ei­ra de fa­zer um re­tra­to que des­se con­ta de sua vi­da e obra —e Mag­nus­son se lan­çou ao de­sa­fio.

O tí­tu­lo in­sos­so do fil­me no Bra­sil —“Berg­man - 100 anos”— po­de­ria su­ge­rir mais um fi­as­co do­cu­men­tal co­me­mo­ra­ti­vo. Mas com “Berg­man - Ett år, Ett Liv” (Berg­man - um ano, uma vi­da), a di­re­to­ra es­ca­pou à ar­ma­di­lha ao pôr em fo­co so­men­te o ano de 1957, a par­te que re­ve­la o to­do.

Na pri­mei­ra exi­bi­ção no Fes­ti­val de Can­nes des­te ano, Mag­nus­son de­cla­rou: “Eu que­ria fa­zer um fil­me co­me­mo­ra­ti­vo de Berg­man pe­lo ano de 1957, pois é im­pres­si­o­nan­te o que ele faz na­que­le ano, mas tam­bém mos­tra o cus­to de tra­ba­lhar tão in­ten­sa­men­te”.

Es­ta­mos no ano de lan­ça­men­to de du­as de su­as obras mais co­nhe­ci­das, “O Sé­ti­mo Se­lo” e “Mo­ran­gos Sil­ves­tres”, além da pro­du­ção de seu pri­mei­ro fil­me pa­ra TV, “Herr Sle­e­man Kom­mer” (o sr. Sle­e­man vem) e da en­ce­na­ção de qua­tro mon­ta­gens te­a­trais —in­cluin­do “Pe­er Gynt”, de Ib­sen, ti­do co­mo ina­dap­tá­vel aos pal­cos até en­tão.

Na vi­da pes­so­al, é na­que­le ano que co­nhe­ce Kä­bi La­re­tei (que se tor­na­ria sua quar­ta mu­lher em 1959) e In­grid von Ro­sen (sua quin­ta e úl­ti­ma es­po­sa), en­quan­to man­tém um re­la­ci­o­na­men­to com a atriz Bi­bi An­ders­son pa­ra­le­la­men­te ao ca­sa­men­to com a jor­na­lis­ta Gun Grut, que, por ra­zões ób­vi­as, des­mo­ro­na­va.

Ele mal vê os seis fi­lhos que já tem à épo­ca, com três mu­lhe­res di­fe­ren­tes.

Com de­poi­men­tos e ima­gens de ar­qui­vo, o fil­me pas­sa por te­mas es­pi­nho­sos, in­cluin­do o ale­ga­do fler­te de Berg­man com o na­zis­mo e um tes­te­mu­nho tão an­ti­go quan­to con­tro­ver­so do seu irmão mais ve­lho.

Há tam­bém uma ten­ta­ti­va de acer­to de con­tas com o di­re­tor sob efei­to do mo­vi­men­to #MeToo. O do­cu­men­tá­rio es­ta­va em pro­du­ção no au­ge dos es­cân­da­los, e Berg­man, afi­nal, fi­cou co­nhe­ci­do pe­lo en­vol­vi­men­to amo­ro­so com atri­zes com quem tra­ba­lhou.

Di­an­te, po­rém, da ne­ga­ção ge­ne­ra­li­za­da de assédio pe­las co­la­bo­ra­do­ras, so­bres­sai o dis­cur­so unís­so­no so­bre a pro­fun­di­da­de das per­so­na­gens que in­ter­pre­ta­ram na obra de Berg­man, al­go em que o di­re­tor foi pi­o­nei­ro.

Com a co­ra­gem pa­ra pas­sar pe­los ter­re­nos pan­ta­no­sos da bi­o­gra­fia do ci­ne­as­ta —e o ta­len­to pa­ra não se afun­dar ne­les—, Mag­nus­son en­tre­ga um re­tra­to fres­co e cri­a­ti­vo de uma figura já tão ana­li­sa­da, in­clu­si­ve por ela mes­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.