Can­tor é re­sul­ta­do das ro­das su­bur­ba­nas so­ma­das ao bo­ro­go­dó

Folha De S.Paulo - - Ilustrada - Luiz Fernando Vi­an­na Au­tor do li­vro ‘Ze­ca Pa­go­di­nho – A Vi­da que se Dei­xa Le­var’

Da ge­ra­ção bri­lhan­te que sur­giu na qua­dra do blo­co car­na­va­les­co Ca­ci­que de Ra­mos, nas dé­ca­das de 1970 e 1980, Ze­ca Pa­go­di­nho se tor­nou o mai­or ex­po­en­te. E is­so acon­te­ceu qua­se à re­ve­lia dele mes­mo, nu­ma com­bi­na­ção de sor­te e ta­len­to far­tos.

Ze­ca ia de ôni­bus pa­ra os pa­go­des do Ca­ci­que, na zo­na nor­te do Rio, com seu ca­va­qui­nho nu­ma sa­co­la de su­per­mer­ca­do, da­que­las de pa­pel. Não que­ria ser me­lhor do que ninguém nem ser fa­mo­so.

Não era um ins­tru­men­tis­ta do ca­li­bre de Al­mir Gui­ne­to. Não ti­nha a voz e o pro­fis­si­o­na­lis­mo de Jor­ge Ara­gão. Não era de uma fa­mí­lia de sam­bis­tas, co­mo Gui­ne­to e Ar­lin­do Cruz. Não ti­nha o vo­ca­bu­lá­rio so­fis­ti­ca­do de Luiz Carlos da Vi­la. E não pos­suía a vi­vên­cia e a sa­be­do­ria de Bi­ra Pre­si­den­te, Ubi­rany e Se­re­no, cri­a­do­res do Fun­do de Quin­tal.

Mas ti­nha a ca­pa­ci­da­de de ob­ser­var e ab­sor­ver tu­do em vol­ta. E a in­te­li­gên­cia dos me­lho­res im­pro­vi­sa­do­res de par­ti­do-al­to, cri­an­do ver­sos em ci­ma da ho­ra até quan­do di­an­te de fe­ras co­mo Bai­a­no, De­ni de Li­ma e, nu­ma úni­ca vez, o mes­tre Ani­ce­to do Im­pé­rio.

Sem­pre te­ve aque­la qua­li­da­de di­fí­cil de tra­du­zir, mas fá­cil de cons­ta­tar: o ca­ris­ma. Ze­ca é re­sul­ta­do das ro­das su­bur­ba­nas (Ca­ci­que, Pa­go­de do Ar­lin­do, Pa­go­de do Os­mar, Pa­go­de da Bei­ra do Rio etc.) so­ma­das ao bo­ro­go­dó que é só dele.

A “eli­te bran­ca” (ex­pres­são eter­ni­za­da pe­lo ex-go­ver­na­dor pau­lis­ta Cláudio Lem­bo) e os mei­os de co­mu­ni­ca­ção mui­tas ve­zes en­xer­gam o sam­ba e os sam­bis­tas co­mo coi­sas fol­cló­ri­cas, cu­ri­o­sas. O lu­gar do Ze­ca se­ria o do “be­bum” di­ver­ti­do.

Mas ele sem­pre foi bem mais do que is­so. É can­tor de pri­mei­ra li­nha, com uma for­ma de di­vi­dir os ver­sos que o põe no mes­mo ti­me de craques co­mo Cy­ro Mon­tei­ro, Mil­ti­nho e João No­guei­ra.

É óti­mo com­po­si­tor, que só não pro­duz mais por cau­sa da pre­gui­ça e por­que, quan­do as va­cas fi­ca­ram gor­das, pre­fe­riu di­vi­dir a car­ne com ou­tros au­to­res.

E tem um faro apu­ra­do pa­ra des­co­brir su­ces­sos, apos­tan­do em mú­si­cas de­sa­cre­di­tas ou en­fi­an­do “Dei­xa a Vi­da me Le­var” num CD cu­jo re­per­tó­rio já es­ta­va fe­cha­do.

Ze­ca fez su­ces­so em 1986, fi­cou ri­co, fi­cou mal de no­vo (“Gas­tei a por­ra to­da”, já re­cor­dou), qua­se mor­reu na ro­da­vi­va da bo­e­mia, te­ve uma se­gun­da chan­ce em 1995 e re­nas­ceu. Não é pa­ra qual­quer um. Sor­te e mui­to ta­len­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.