Au­tor ex­trai de su­as ca­la­mi­da­des es­cri­ta que bus­ca re­no­var li­te­ra­tu­ra

Ju­li­a­no Gar­cia Pes­sa­nha, que lan­ça ‘Re­cu­sa do Não-Lu­gar’, se­rá um dos con­vi­da­dos da Flip des­te ano

Folha De S.Paulo - - Ilustrada - Ma­ria Esther Ma­ci­el É es­cri­to­ra, en­saís­ta e pro­fes­so­ra de li­te­ra­tu­ra com­pa­ra­da na UFMG Bob Wol­fen­son/Divulgação Ma­rio Ser­gio Con­ti O co­lu­nis­ta es­tá em fé­ri­as

Re­cu­sa do Não-Lu­gar Au­tor: Ju­li­a­no Gar­cia Pes­sa­nha. Ed. Ubu. R$ 35,70 (192 págs.)

O que pri­mei­ro cha­ma a aten­ção no li­vro “Re­cu­sa do NãoLu­gar”, de Ju­li­a­no Gar­cia Pes­sa­nha, é a de­di­ca­tó­ria: “Às go­tei­ras e ra­cha­du­ras, que es­can­ca­ram a ur­gên­cia”. In­se­ri­da es­tra­te­gi­ca­men­te após a epí­gra­fe do fi­ló­so­fo ale­mão Pe­ter Slo­ter­dijk —“Ca­la­mi­da­des hu­ma­nas, boa opor­tu­ni­da­de pa­ra o ser!”—, não dei­xa de con­den­sar o que se des­do­bra ao lon­go de no­ve ca­pí­tu­los.

Tra­ta-se de um li­vro he­te­ro­gê­neo, fei­to da mis­tu­ra de re­fle­xões fi­lo­só­fi­cas, re­la­to au­to­bi­o­grá­fi­co, afo­ris­mos e apon­ta­men­tos crí­ti­cos so­bre li­te­ra­tu­ra con­tem­po­râ­nea, no qual o au­tor cria uma re­la­ção de in­ti­mi­da­de com o lei­tor pa­ra dis­cor­rer so­bre fi­ló­so­fos, es­cri­to­res e fa­tos trau­má­ti­cos de sua pró­pria vi­da.

Mas lon­ge de se ater aos de­sas­tres da exis­tên­cia, co­mo fi­ze­ram mui­tos dos au­to­res que evo­ca (en­tre eles Ni­etzs­che, Kaf­ka, Hei­deg­ger e Blan­chot), Pes­sa­nha des­via-se do ca­mi­nho da ne­ga­ti­vi­da­de e, am­pa­ra­do pe­lo con­cei­to de es­fe­ro­lo­gia de Slo­ter­dijk, bus­ca a pas­sa­gem do fo­ra pa­ra o den­tro, da ex­clu­são pa­ra a in­clu­são, da or­fan­da­de ori­gi­nal pa­ra o acon­che­go do mun­do.

As­sim, re­cu­sa o que cha­ma de “self ne­ga­ti­vo” e, na con­tra­mão da fi­lo­so­fia do na­da, pre­do­mi­nan­te no sé­cu­lo 20, cen­tra-se na po­si­ti­vi­da­de do en­con­tro, do abra­ço e dos es­pa­ços in­te­ri­o­res que per­mi­tem as re­la­ções de in­ti­mi­da­de.

Num dos ca­pí­tu­los mais ori­gi­nais do vo­lu­me, é Ni­etzs­che quem as­su­me uma es­pé­cie de pri­mei­ra pes­soa pós­tu­ma pa­ra fa­lar de si, de sua fi­lo­so­fia e do pró­prio Pes­sa­nha.

Um artifício que si­na­li­za não só afi­ni­da­des do es­cri­tor com um de seus mes­tres co­mo tam­bém o seu atu­al pro­ces­so de dis­tan­ci­a­men­to em re­la­ção aos fi­ló­so­fos do abis­mo.

Es­se mo­vi­men­to de re­lei­tu­ra dos pre­cur­so­res e, ao mes­mo tem­po, de re­cu­sa do não lu­gar que eles le­gi­ti­ma­ram, tam­bém se dá a ver nos ca­pí­tu­los de­di­ca­dos a Hei­deg­ger, pa­ra quem Pes­sa­nha olha “de for­ma es­trá­bi­ca e com­ple­men­tar”, as­sim co­mo fez Slo­ter­dijk ao pri­vi­le­gi­ar o nas­ci­men­to hu­ma­no em de­tri­men­to do “ser-pa­ra-a-mor­te” en­fa­ti­za­do na fi­lo­so­fia hei­deg­ge­ri­a­na.

Em­bo­ra as ques­tões dis­cu­ti­das pe­lo au­tor se­jam den­sas e com­ple­xas, o viés per­for­má­ti­co de sua abor­da­gem dis­si­pa o pe­so que po­de­ria se es­pe­rar do li­vro, tor­nan­do-o flui­do e, mui­tas ve­zes, pun­gen­te.

São fre­quen­tes as his­tó­ri­as do­lo­ro­sas que o atra­ves­sam, so­bre­tu­do quan­do Pes­sa­nha fa­la da ex­pe­ri­ên­cia de aban­do­no e so­li­dão que vi­veu des­de o nas­ci­men­to, quan­do sua mãe, ao in­vés de lhe dar à luz e aco­lhê-lo, lan­çou-o na es­cu­ri­dão e no va­zio da exis­tên­cia.

Por ou­tro la­do, con­se­gue ex­trair de su­as ca­la­mi­da­des uma es­cri­ta que, na re­cu­sa ur­gen­te do na­da, bus­ca no­vos pa­ra­dig­mas pa­ra a fi­lo­so­fia e a li­te­ra­tu­ra do nos­so tem­po. uma boa no­tí­cia.

Se bem que dois re­no­ma­dos cam­peões eu­ro­peus são lem­bra­dos em “Mân­ches ou Báia”, no qual dois ga­ro­tos dis­cu­tem em que im­por­tan­te clu­be vão jo­gar no fu­tu­ro.

Um de­fen­de o in­glês Mân­ches (mas qual? “Tem o Unái e o Cid”, ex­pli­ca o ou­tro). Já o ami­go pre­fe­re o ale­mão Báia de Mu­nix. Na dú­vi­da, me­lhor op­tar por Re­al ou Bar­ça.

Mais do que fa­lar so­bre fu­te­bol, o au­tor des­cre­ve a pai­xão pe­lo es­por­te em­pre­gan­do um tom de nos­tal­gia na mai­o­ria das 65 crô­ni­cas reu­ni­das.

Pa­ra quem es­ta­va acom­pa­nhan­do a Co­pa, as crô­ni­cas pen­dem mais pa­ra Lu­ka­ku (ata­can­te bel­ga que re­ve­lou em ar­ti­go que pas­sou fo­me na in­fân­cia e via a mãe mis­tu­rar água no lei­te) do que pa­ra Ney­mar (que pu­bli­cou post pa­ra di­zer que ninguém sa­be pe­lo que ele pas­sou —mas to­do mun­do sa­be que ele já fa­tu­ra­va sa­lá­rio de cin­co dí­gi­tos aos 15 anos).

Ney­mar, aliás, po­de­rá ser lem­bra­do pe­lo lei­tor vez ou ou­tra. Co­mo no óti­mo “Ca­tim­ba”, no qual o au­tor des­cre­ve as des­ven­tu­ras de um jo­ga­dor cu­ja prin­ci­pal ha­bi­li­da­de era a ar­te de si­mu­lar, cair e de­mo­rar pa­ra ba­ter fal­tas, tu­do pa­ra lu­di­bri­ar a ar­bi­tra­gem, um es­pe­ci­a­lis­ta na ar­te de “ad­mi­nis­trar o tem­po”. Sua úni­ca am­bi­ção, po­rém, era ser ti­tu­lar.

Mas é nos pe­que­nos con­tos que re­me­tem à in­fân­cia, dos cam­pos de ter­ra, dos com ca­mi­sa con­tra os sem ca­mi­sa, do du­e­lo na in­cli­na­da rua de pa­ra­le­le­pí­pe­dos, que Pi­va apre­sen­ta as me­lho­res his­tó­ri­as.

Co­mo em “Fu­te­bol Ima­gi­ná­rio”, na qual o uso da bola den­te de lei­te no in­ter­va­lo da es­co­la é proi­bi­da. Após a me­di­da, os alu­nos con­ti­nu­am a pe­la­da, mas sem bola, fin­gin­do os lan­ces (e dis­cu­tin­do as me­lho­res jo­ga­das na au­la).

Al­gu­mas guar­dam um tom me­lan­có­li­co, co­mo “Um Me­ni­no”, em que um ôni­bus de tor­ci­da é in­ter­rom­pi­do por um cor­te­jo fú­ne­bre.

As crô­ni­cas de “A Vi­da pe­la Bola” não são iné­di­tas —ex­ce­ção a “Se­cos e Mo­lha­dos”. Co­mo no li­vro an­te­ri­or do au­tor, “Eram To­dos Ca­mi­sa Dez”, da mes­ma edi­to­ra, as his­tó­ri­as fo­ram pre­vi­a­men­te pu­bli­ca­das no blog do Ju­ca (blog do­ju­ca.uol.com.br), ad­mi­nis­tra­do pe­lo co­lu­nis­ta da Fo­lha Ju­ca Kfou­ri.

Tão pra­ze­ro­so quan­to uma fi-

nal de Co­pa. Ou mais.

O es­cri­tor Ju­li­a­no Gar­cia Pes­sa­nha

A Vi­da pe­la Bola Au­tor: Luiz Gui­lher­me Pi­va. Ed. Ilu­mi­nu­ras, R$ 48 (152 págs.) Gran­des con­tra­ta­ções, sa­lá­ri­os mi­li­o­ná­ri­os, dis­pu­ta pe­lo tí­tu­lo de me­lhor jo­ga­dor do mun­do, os clu­bes mais de­se­ja­dos da Eu­ro­pa... Na­da dis­so es­tá em “A Vi­da Pe­la Bola”, de Luiz Gui­lher­me Pi­va, e is­so é San­dro Ma­ce­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.