Es­tra­té­gi­as de lim­pe­za e ar­ru­ma­ção pa­ra eli­mi­nar de vez o mo­fo de ca­sa

Folha De S.Paulo - - Sobretudo - Ca­ro­li­na Mu­niz Fotos Ka­ri­me Xa­vi­er/Folhapress

Uma man­chi­nha de mo­fo no can­to da pa­re­de po­de até pa­re­cer ino­fen­si­va, mas é uma pe­que­na amos­tra da quan­ti­da­de de fun­gos que es­tão pre­sen­tes no am­bi­en­te.

“A man­cha é si­nal de que os mi­cro-or­ga­nis­mos es­tão ha­bi­tan­do o cô­mo­do há mui­to tem­po, en­tão não adi­an­ta só lim­par aque­la su­jei­ra”, afir­ma o pneu­mo­lo­gis­ta Jo­sé Edu­ar­do Can­ça­do, pro­fes­sor da fa­cul­da­de de me­di­ci­na da San­ta Ca­sa de São Pau­lo.

É pre­ci­so cortar o mal pe­la raiz. Fun­gos sol­tam es­po­ros no ar, que po­dem pi­o­rar o qua­dro de quem já tem al­gum ti­po de aler­gia, de­sen­ca­deá-la em quem ain­da não tem ou até cau­sar do­en­ças pul­mo­na­res mais gra­ves, se hou­ver uma ex­po­si­ção pro­lon­ga­da.

Em boa par­te dos ca­sos, o que ge­ra o mo­fo é a fal­ta de re­no­va­ção do ar, se­gun­do Fá­bio Zep­pe­li­ni, pro­fes­sor de ar­qui­te­tu­ra da Fa­ap (Fun­da­ção Ar­man­do Ál­va­res Penteado).

E, pa­ra re­sol­ver es­se pro­ble­ma, não bas­ta abrir a ja­ne­la do cô­mo­do. É pre­ci­so fa­zer ven­ti­la­ção cru­za­da, com mais de uma ja­ne­la aber­ta, pa­ra que o ar cir­cu­le den­tro da ca­sa (nes­se frio é di­fí­cil, mas o es­for­ço é ne­ces­sá­rio).

Ba­nhei­ros sem ja­ne­la, em ge­ral, são os lu­ga­res mais crí­ti­cos —pi­or ain­da se não têm sis­te­ma de exaus­tão. O ide­al é dei­xar a por­ta sem­pre aber­ta.

E, se já hou­ver uma man­cha de mo­fo no te­to, dá pa­ra lim­pá-la com água e de­ter­gen­te e de­pois pas­sar um pa­no ume­de­ci­do com uma so­lu­ção de 500 ml de água e uma co­lher de água sa­ni­tá­ria, re­co­men­da a ar­qui­te­ta e or­ga­ni­za­do­ra pes­so­al Ju­li­a­na Fa­ria.

Se mes­mo as­sim a man­cha per­sis­tir, tin­ta an­ti­mo­fo e de­su­mi­di­fi­ca­dor elé­tri­co po­dem ser bons ali­a­dos.

A cau­sa do bo­lor tam­bém po­de es­tar em um va­za­men­to ou uma in­fil­tra­ção. Nes­se ca­so, é re­co­men­da­do cha­mar um ar­qui­te­to ou en­ge­nhei­ro.

“O gran­de pro­ble­ma da umi­da­de é que ela en­tra por um lu­gar e a man­cha apa­re­ce em ou­tro. O mo­fo es­tá em uma pa­re­de, e a água, va­zan­do a três me­tros da­li, em um lo­cal que vo­cê nem ima­gi­na”, afir­ma Zep­pe­li­ni.

Es­cu­ros e fe­cha­dos, ar­má­ri­os tam­bém exi­gem uma aten­ção es­pe­ci­al. Em al­guns ca­sos, é pre­ci­so com­bi­nar uma sé­rie de es­tra­té­gi­as de ar­ru­ma­ção e lim­pe­za pa­ra evi­tar a pro­li­fe­ra­ção de fun­gos.

Ve­ja as re­co­men­da­ções das or­ga­ni­za­do­ras pes­so­ais Ca­rol Ro­sa, Paula Im­pa­ra­to e Ju­li­a­na Fa­ria pa­ra man­ter o ar­má­rio e as rou­pas lon­ge do bo­lor.

3

2

4

1

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.