Ju­di­ciá­rio quer reajuste, mas es­tou­ra te­to de gas­tos

Po­der am­pli­ou des­pe­sa no 1º se­mes­tre aci­ma do li­mi­te em vi­gor; se a al­ta não for cor­ri­gi­da, Exe­cu­ti­vo co­bri­rá rom­bo

Folha De S.Paulo - - Primeira Página - Ber­nar­do Ca­ram

Pro­ta­go­nis­ta da dis­cus­são so­bre re­a­jus­tes sa­la­ri­ais e o con­se­quen­te im­pac­to no Or­ça­men­to, o Ju­di­ciá­rio é o úni­co dos três Po­de­res a não res­pei­tar a re­gra que es­ta­be­le­ceu li­mi­te pa­ra o cres­ci­men­to das des­pe­sas.

Só no pri­mei­ro se­mes­tre, se­gun­do da­dos do Te­sou­ro, o Ju­di­ciá­rio am­pli­ou seus de­sem­bol­sos em 8,8%.

A va­ri­a­ção é mais al­ta que os 7,2% per­mi­ti­dos pe­lo te­to de gas­tos pa­ra es­te ano.

A re­gra do te­to, apro­va­da em de­zem­bro de 2016, de­fi­ne que o au­men­to das des­pe­sas do go­ver­no de­ve li­mi­tar-se à va­ri­a­ção da in­fla­ção por pe­río­do de dez anos.

Ca­so o Ju­di­ciá­rio não cor­ri­ja seu es­tou­ro até o fi­nal do ano, o Exe­cu­ti­vo te­rá de com­pen­sar es­se ex­ces­so.

Em 2017, is­so já foi ne­ces­sá­rio. Com li­mi­te de cres­ci­men­to de 7,2%, o Ju­di­ciá­rio ele­vou os gas­tos em 7,5%.

O Exe­cu­ti­vo, ho­je, tem folga. Seu te­to to­le­ra al­ta de 7,1% dos gas­tos, e a am­pli­a­ção das des­pe­sas no pri­mei­ro se­mes­tre foi de 5,3%.

O Le­gis­la­ti­vo tam­bém se con­te­ve no pe­río­do. Am­pli­ou os gas­tos em 2,7%, bem abai­xo dos 9,6% per­mi­ti­dos.

Man­ti­da a ten­dên­cia, o não cum­pri­men­to da re­gra pe­lo Ju­di­ciá­rio de­ve ocor­rer tam­bém em 2019, de­vi­do ao reajuste de 16,4% apro­va­do pe­lo Supremo Tri­bu­nal Fe­de­ral pa­ra seus mi­nis­tros.

Se pas­sar no Con­gres­so, o au­men­to pro­vo­ca­rá um efei­to cascata, pois há ca­te­go­ri­as com re­a­jus­tes atre­la­dos ao do STF.

Pro­ta­go­nis­ta da atu­al dis­cus­são so­bre re­a­jus­tes sa­la­ri­ais e seus con­se­quen­tes im­pac­tos em um Or­ça­men­to que ope­ra no negativo, o Ju­di­ciá­rio é o úni­co dos três Po­de­res da União a não res­pei­tar a re­gra que es­ta­be­le­ce li­mi­te pa­ra o cres­ci­men­to das des­pe­sas.

Se­gun­do da­dos do Te­sou­ro Na­ci­o­nal, o Ju­di­ciá­rio já am­pli­ou seus de­sem­bol­sos em 8,8% no pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano. A va­ri­a­ção é mais al­ta que os 7,2% per­mi­ti­dos pe­lo te­to de gas­tos pa­ra es­te ano.

Uma re­ver­são do qua­dro não é fá­cil, já que os ór­gãos da Jus­ti­ça com­pro­me­tem mais de 80% das des­pe­sas su­jei­tas ao te­to com sa­lá­ri­os e en­car­gos so­ci­ais, que não po­dem ser sim­ples­men­te cor­ta­dos.

A re­gra do te­to de gas­tos, apro­va­da em de­zem­bro de 2016, de­fi­ne que o cres­ci­men­to das des­pe­sas do go­ver­no fe­de­ral se­rá li­mi­ta­do à va­ri­a­ção da in­fla­ção por um pe­río­do de dez anos, com pos­sí­vel pror­ro­ga­ção por mais dez.

O des­cum­pri­men­to da re­gra pe­lo Ju­di­ciá­rio po­de ser cor­ri­gi­do até o en­cer­ra­men­to do ano, quan­do o go­ver­no fe­de­ral fecha as con­tas.

Man­ti­do o es­tou­ro do li­mi­te, o Exe­cu­ti­vo te­rá de com­pen­sar es­se ex­ces­so gas­tan­do me­nos do que o per­mi­ti­do.

No ano pas­sa­do, o uso des­se me­ca­nis­mo já foi ne­ces­sá­rio.

Com um li­mi­te au­to­ri­za­do de cres­ci­men­to de 7,2% em 2017 pa­ra to­dos os Po­de­res, o Ju­di­ciá­rio ele­vou os gas­tos em 7,5%. O ex­ces­so te­ve de ser ab­sor­vi­do pe­lo Exe­cu­ti­vo.

Co­mo a eco­no­mia de ca­da Po­der foi re­pas­sa­da pa­ra es­te ano co­mo sal­do, o li­mi­te de gas­tos não é mais li­ne­ar.

O Exe­cu­ti­vo, por exem­plo, tem um te­to que per­mi­te al­ta de 7,1% dos gas­tos e am­pli­ou as des­pe­sas no pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano em 5,3%. Is­so ain­da dei­xa uma folga no Or­ça­men­to.

O Le­gis­la­ti­vo, por sua vez, am­pli­ou os de­sem­bol­sos em 2,7% de ja­nei­ro a ju­nho, ín­di­ce bem me­nor do que os 9,6% per­mi­ti­dos.

No to­tal, jun­tan­do to­dos os Po­de­res, o gas­to po­de­rá cres­cer no má­xi­mo 7,1% nes­te ano.

Man­ti­da a ten­dên­cia, o des­cum­pri­men­to da re­gra pe­los ór­gãos da Jus­ti­ça de­ve ser ob­ser­va­do no­va­men­te nes­te ano —e po­de ser ain­da mais in­ten­so em 2019.

Os mi­nis­tros do STF (Supremo Tri­bu­nal Fe­de­ral) de­ci­di­ram pro­por um reajuste de 16,38% pa­ra os pró­pri­os sa­lá­ri­os, de R$ 33,7 mil pa­ra R$ 39,3 mil. O no­vo va­lor va­le­ria a par­tir do pró­xi­mo ano.

Se for apro­va­do pe­lo Con­gres­so, o au­men­to vai ge­rar um efei­to cascata, por­que o va­lor pa­go aos mi­nis­tros é o te­to pa­ra o fun­ci­o­na­lis­mo.

Des­se mo­do, o reajuste do STF pro­vo­ca au­men­to au­to­má­ti­co na re­mu­ne­ra­ção de ser­vi­do­res que ho­je têm sa­lá­ri­os cor­ta­dos por es­ta­rem aci­ma do li­mi­te.

Além dis­so, al­gu­mas ca­te­go­ri­as têm seus re­a­jus­tes atre­la­dos aos dos mi­nis­tros.

Ape­sar de o Exe­cu­ti­vo com­pen­sar os ex­ces­sos do Ju­di­ciá­rio, es­sa facilidade tem da­ta pa­ra aca­bar.

A par­tir de 2020, ca­da um dos três Po­de­res —além de De­fen­so­ria Pú­bli­ca da União e Mi­nis­té­rio Pú­bli­co da União— te­rá de res­pei­tar seu pró­prio li­mi­te, sem a pos­si­bi­li­da­de de au­xí­lio.

Em ca­so de des­cum­pri­men­to do te­to de gas­tos, são aci­o­na­dos ga­ti­lhos de ajuste, co­mo ve­to a au­men­tos sa­la­ri­ais de ser­vi­do­res, cri­a­ção de car­gos e re­a­li­za­ção de con­cur­sos.

O pro­fes­sor da FGV Ea­esp Ser­gio Luiz de Mo­ra­es Pin­to aler­ta pa­ra o fa­to de que o go­ver­no cor­re o ris­co de ser obri­ga­do a con­ce­der re­a­jus­tes mes­mo em ca­so de aci­o­na­men­to des­ses ga­ti­lhos.

Ele afir­ma que a re­gra ve­da es­ses au­men­tos, a me­nos que se­jam pro­ve­ni­en­tes de sen­ten­ça ju­di­ci­al tran­si­ta­da em jul­ga­do ou de de­ter­mi­na­ção le­gal an­te­ri­or à en­tra­da em vi­gor da nor­ma.

“Nes­ses ca­sos, o go­ver­no se­rá obri­ga­do a dar os au­men­tos, mas vai ter de cor­tar em ou­tro lu­gar, pos­si­vel­men­te em des­pe­sas so­ci­ais, saú­de ou edu­ca­ção”, afir­mou.

A pres­são dos gas­tos com pes­so­al, so­ma­da a ou­tras des­pe­sas em tra­je­tó­ria de cres­ci­men­to, co­mo a da Pre­vi­dên­cia, já es­tá aos pou­cos es­tran­gu­lan­do o Or­ça­men­to e for­çan­do cor­tes de gas­tos não obri­ga­tó­ri­os.

Nes­te ano, o go­ver­no pre­vê um de­sem­bol­so de R$ 127,7 bi­lhões com des­pe­sas dis­cri­ci­o­ná­ri­as, o que re­pre­sen­ta me­nos de 10% do li­mi­te de gas­tos, es­ti­pu­la­do em R$ 1,347 tri­lhão.

O re­la­tor do pro­je­to que es­ta­be­le­ceu as ba­ses pa­ra o Or­ça­men­to de 2019, se­na­dor Da­lí­rio Be­ber (PSDB-SC), res­sal­ta que o go­ver­no já es­tá per­den­do, por exem­plo, a ca­pa­ci­da­de de in­ves­tir. Ele ex­pli­ca ain­da que não é viá­vel cor­tar cer­tas des­pe­sas dis­cri­ci­o­ná­ri­as.

“Gas­to não obri­ga­tó­rio é só o no­me, por­que o go­ver­no não po­de dei­xar de pa­gar água, luz e alu­guel”, dis­se.

Pa­ra o di­re­tor de Es­tu­dos e Po­lí­ti­cas Ma­cro­e­conô­mi­cas do Ipea (Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca Apli­ca­da), José Ro­nal­do de Cas­tro Sou­za Jú­ni­or, a cri­se que o país vi­ve exi­ge con­tri­bui­ção e sa­cri­fí­cio de to­dos os se­to­res.

“A gen­te não po­de ter um Po­der que não le­ve em con­si­de­ra­ção a si­tu­a­ção em que o país se en­con­tra”, dis­se.

A in­ves­ti­da do Supremo em bus­ca de au­men­tos sa­la­ri­ais vem em meio a uma sé­rie de ten­ta­ti­vas frus­tra­das do go­ver­no fe­de­ral de bar­rar os re­a­jus­tes de ser­vi­do­res.

Em ou­tu­bro de 2017, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer edi­tou uma me­di­da pro­vi­só­ria pa­ra sus­pen­der re­a­jus­tes de uma sé­rie de car­rei­ras.

O texto foi blo­que­a­do por li­mi­nar do STF e aca­bou per­den­do a efi­cá­cia.

Nas di­re­tri­zes do Or­ça­men­to do pró­xi­mo ano, o re­la­tor che­gou a pro­por a proi­bi­ção de re­a­jus­tes, mas foi der­ro­ta­do em ple­ná­rio.

Ago­ra, o Mi­nis­té­rio do Pla­ne­ja­men­to en­tre­gou a Te­mer uma no­va pro­pos­ta pa­ra sus­pen­der re­a­jus­tes.

Se­gun­do a pas­ta, a po­ten­ci­al eco­no­mia de R$ 6,9 bi­lhões com a me­di­da em 2019 se­rá re­ver­ti­da em in­ves­ti­men­tos em edu­ca­ção e pro­gra­mas so­ci­ais.

“É im­por­tan­te fri­sar que o Or­ça­men­to de 2019 es­tá sen­do cons­truí­do em um ce­ná­rio de for­te res­tri­ção fis­cal da eco­no­mia bra­si­lei­ra”, res­sal­tou o mi­nis­té­rio.

A Aju­fe (As­so­ci­a­ção dos Juí­zes Fe­de­rais do Bra­sil) in­for­mou que não vai se ma­ni­fes­tar por­que, se­gun­do a en­ti­da­de, o reajuste ain­da vai ser dis­cu­ti­do pe­lo Con­gres­so e não exis­te na prá­ti­ca.

“A gen­te não po­de ter um Po­der que não le­ve em con­si­de­ra­ção a si­tu­a­ção em que o país se en­con­tra José Ro­nal­do de Cas­tro Sou­za Jú­ni­or di­re­tor do Ipea

O go­ver­no vai ter de cor­tar em ou­tro lu­gar, pos­si­vel­men­te em des­pe­sas so­ci­ais, saú­de ou edu­ca­ção Ser­gio Luiz de Mo­ra­es Pin­to pro­fes­sor da FGV Ea­esp

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.