Mor­re o No­bel V. S. Nai­paul

Folha De S.Paulo - - Primeira Página - Com agên­ci­as de no­tí­ci­as

Con­si­de­ra­do um dos prin­ci­pais au­to­res in­gle­ses do sé­cu­lo 20, Nai­paul es­cre­veu li­vros co­mo “Uma Cur­va no Rio” e “Uma Ca­sa pa­ra o Sr. Biswas”. Ele mor­reu aos 85 anos, em Londres.

O es­cri­tor britânico V. S. Nai­paul, ven­ce­dor do Prê­mio No­bel de Li­te­ra­tu­ra, mor­reu nes­te sá­ba­do (11), em sua ca­sa, em Londres, aos 85 anos, se­gun­do a fa­mí­lia do au­tor.

Nas­ci­do na zo­na ru­ral de Tri­ni­dad e To­ba­go em 1932, sir Vi­di­adhar Su­raj­pra­sad Nai­paul era co­nhe­ci­do por li­vros co­mo “Uma Cur­va no Rio” e “Uma Ca­sa pa­ra o Sr. Biswas”, lan­ça­dos no Bra­sil pe­la edi­to­ra Com­pa­nhia das Le­tras.

Con­si­de­ra­do um dos prin­ci­pais au­to­res in­gle­ses do sé­cu­lo 20, ga­nhou al­guns dos prin­ci­pais prê­mi­os li­te­rá­ri­os do mun­do. Com “Num Es­ta­do Li­vre”, ven­ceu o Man Bo­o­ker Pri­ze de 1971.

Em 2001, re­ce­beu o No­bel de Li­te­ra­tu­ra. Na jus­ti­fi­ca­ti­va do prê­mio, Nai­paul foi exal­ta­do “por unir per­cep­ção nar­ra­ti­va e es­cru­tí­nio in­cor­rup­tí­vel em obras que nos le­vam a per­ce­ber a pre­sen­ça de his­tó­ri­as su­pri­mi­das”.

A aca­de­mia tam­bém des­ta­cou o sen­ti­do de des­lo­ca­men­to em sua obra: “um cir­cum-na­ve­ga­dor li­te­rá­rio, só es­ta­va em ca­sa ne­le mes­mo, em sua voz ini­mi­tá­vel”.

“A mai­o­ria de nós co­nhe­ce nos­sos pais e avós, mas nos­sas ori­gens são mais dis­tan­tes, re­mon­ta­mos ao in­fi­ni­to: to­dos re­mon­ta­mos até a ori­gem da ra­ça em nos­so san­gue, nos­sos os­sos, nos­so cé­re­bro. Ar­ras­ta­mos a me­mó­ria de mi­lha­res de se­res”, es­cre­veu Nai­paul em “Um Ca­mi­nho no Mun­do”, li­vro de for­te te­or au­to­bi­o­grá­fi­co.

Des­cen­den­te de uma fa­mí­lia do nor­te da Ín­dia, V.S. Nai­paul ou­via o pai ler Sha­kes­pe­a­re e Dic­kens pa­ra ele quan­do cri­an­ça. Viveu no Ca­ri­be até os 18 anos, quan­do se mu­dou pa­ra a Inglaterra pa­ra es­tu­dar em Ox­ford com uma bol­sa es­co­lar. Por lá, mo­rou a mai­or par­te da vi­da.

Mais tar­de, re­ce­beu o tí­tu­lo de dou­tor ho­no­ris cau­sa de Ox­ford e tam­bém das uni­ver­si­da­des de Cam­brid­ge, Londres e Co­lum­bia. Em 1990, foi sa­gra­do ca­va­lei­ro britânico pe­la rai­nha Eli­za­beth 2ª.

Com­pa­ra­do a es­cri­to­res co­mo Jo­seph Con­rad, Char­les Dic­kens e Le­on Tols­tói, Nai­paul do­cu­men­tou o co­lo­ni­a­lis­mo, a dis­so­lu­ção do im­pé­rio britânico, a imi­gra­ção de pes­so­as e as iro­ni­as e trau­mas do mun­do pós-co­lo­ni­al, te­mas que es­pe­lha­vam sua pró­pria tra­je­tó­ria, em mais de 30 li­vros de fic­ção e não fic­ção.

O au­tor tam­bém era cri­ti­ca­do por mui­tos pe­lo com­por­ta­men­to ar­ro­gan­te. “Te­nho uma car­rei­ra de 40 anos. Sou mais im­por­tan­te que mui­tos es­cri­to­res. Vo­cê não po­de fa­lar dis­so co­mi­go. Mi­nha fa­mí­lia é mui­to ri­ca, mui­to bem de vi­da. Não pos­so fin­gir que sou um men­di­go ig­no­ran­te”, dis­se o au­tor em en­tre­vis­ta à Fo­lha, em 1994.

Mui­tos li­am seus re­la­tos da de­sor­dem no ter­cei­ro mun­do co­mo des­cul­pas pa­ra o co­lo­ni­a­lis­mo.

No li­vro “Sir Vi­dia’s Sha­dow”, o au­tor ame­ri­ca­no Paul The­roux con­ta sua re­la­ção com Nai­paul e o des­cre­ve co­mo “mi­só­gi­no”, “ra­bu­gen­to”, “ta­ca­nho” e de “cé­re­bro ra­cis­ta”. Anos de­pois, os dois es­cri­to­res se re­con­ci­li­a­ri­am.

Nai­paul es­te­ve no Bra­sil, em 1994, pa­ra pro­mo­ver “Um Ca­mi­nho no Mun­do”. Na épo­ca, dis­se em en­tre­vis­ta à Fo­lha: “Mui­to pou­cas pes­so­as le­ram de fa­to meus li­vros. As pes­so­as ble­fam a res­pei­to”.

Sua mu­lher, Na­di­ra Nai­paul, o clas­si­fi­ca­va co­mo “um gi­gan­te em tu­do que con­quis­ta­va”. Na­di­ra afir­mou que o es­cri­tor mor­reu “cer­ca­do pe­los que o ama­vam, após vi­ver uma vi­da cheia de cri­a­ti­vi­da­de e em­pe­nho”.

“A mai­o­ria de nós co­nhe­ce nos­sos pais e avós, mas nos­sas ori­gens são mais dis­tan­tes, re­mon­ta­mos ao in­fi­ni­to: to­dos re­mon­ta­mos até a ori­gem da ra­ça V. S. Nai­paul es­cri­tor, em “Um Ca­mi­nho no Mun­do”

Ulf An­der­sen/Au­ri­ma­ges/AFP

O es­cri­tor em 2002

Jo­nas Eks­tro­mer/AFP

V. S. Nai­paul na en­tre­ga do Prê­mio No­bel de Li­te­ra­tu­ra em Es­to­col­mo, em 2001

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.