Fa­tia das fa­mí­li­as em que o ho­mem cria os fi­lhos so­zi­nho cres­ce 16% em dez anos

Ain­da mi­no­ri­tá­ria, fa­tia das fa­mí­li­as em que ho­mem cria fi­lhos so­zi­nho cres­ce 16% em dez anos

Folha De S.Paulo - - Primeira Página - Ana Es­te­la de Sou­sa Pin­to

A noi­te da úl­ti­ma ter­ça (6) foi di­fe­ren­te pa­ra o es­cri­tor Luiz Ru­fat­to. Sua fi­lha, He­le­na, que dos 8 aos 25 anos foi cri­a­da só pe­lo pai, mu­dou-se pa­ra a pró­pria ca­sa.

Com is­so, Ru­fat­to dei­xou de in­te­grar uma mi­no­ria: a dos 3,6% de fa­mí­li­as bra­si­lei­ras com fi­lhos em que só o pai es­tá pre­sen­te. Fa­tia re­du­zi­da, mas que cres­ceu 16% em dez anos, até 2015 (úl­ti­mo da­do dis­po­ní­vel), se­gun­do o IBGE.

No es­ta­do de São Pau­lo, a ex­pan­são é ain­da mai­or, de 27%, che­gan­do a 3,3%.

Ru­fat­to, 57, as­su­miu in­te­gral­men­te a cri­a­ção de He­le­na quan­do sua mu­lher não re­sis­tiu a uma ci­rur­gia de cor­re­ção de vál­vu­la car­día­ca. “A pri­mei­ra coi­sa que veio à ca­be­ça de to­dos é que He­le­na te­ria que ser cri­a­da pe­los avós. Mas eu ba­ti o pé e não abri mão de criá-la so­zi­nho.”

A de­ci­são deu lu­gar a um apren­di­za­do mui­to in­te­res­san­te, diz ele. “Pa­ra mim, ao as­su­mir al­guns pa­péis que, na nos­sa so­ci­e­da­de ma­chis­ta, não são do ho­mem: fa­xi­nar, la­var rou­pa. E is­so deu a ela uma vi­são di­fe­ren­te dos pa­péis mas­cu­li­no e fe­mi­ni­no.”

Uma mu­dan­ça nes­ses pa­péis é ca­da vez mais per­cep­tí­vel na so­ci­e­da­de, se­gun­do pes­qui­sa­do­res, psi­ca­na­lis­tas e juí­zes da área de fa­mí­lia. Con­cen­tra­do na clas­se mé­dia, o mo­vi­men­to te­ve co­mo ga­ti­lho a ida vo­lun­tá­ria das mu­lhe­res pa­ra o mun­do do tra­ba­lho.

De um la­do, is­so afe­tou o pa­pel mas­cu­li­no de pro­ve­dor; de ou­tro, au­men­tou a pres­são pa­ra que os ho­mens par­ti­ci­pas­sem mais da cri­a­ção dos fi­lhos. Co­mo con­sequên­cia, eles se per­ce­be­ram va­lo­ri­za­dos ao car­re­gar o be­bê no sling ou le­var as cri­an­ças ao par­que, e pu­de­ram ex­pe­ri­men­tar um ti­po de li­ga­ção que des­co­nhe­ci­am.

“O amor sem­pre es­te­ve lá, mas o la­ço afe­ti­vo mu­dou: o ho­mem sen­tiu que sua pre­sen­ça é mais im­por­tan­te que seu di­nhei­ro”, afir­ma a psi­ca­na­lis­ta Ve­ra Ia­co­nel­li, co­lu­nis­ta da Fo­lha.

A mu­dan­ça de per­cep­ção em seu meio so­ci­al per­mi­tiu que ele “se sin­ta vi­ril no lu­gar de pai que cui­da dos fi­lhos, um lu­gar que an­tes era da mãe”.

Aos pou­cos, a no­va pers­pec­ti­va vai se ex­pan­din­do tan­to pa­ra fa­mí­li­as mais po­bres quan­to pa­ra as mui­to ri­cas, am­bas ain­da mui­to pa­tri­ar­cais, afir­ma a pro­fes­so­ra de psi­co­lo­gia da USP Be­lin­da Pilt­cher Ha­ber Man­del­baum, pes­qui­sa­do­ra de fa­mí­lia, re­la­ções de gê­ne­ro e se­xu­a­li­da­de.

No ge­ral, ain­da é a mu­lher que li­de­ra o cui­da­do com os fi­lhos, mos­tra pes­qui­sa do Ins­ti­tu­to Lo­co­mo­ti­va fei­ta em ju­lho: 89% dos ho­mens di­zem que é im­por­tan­te par­ti­ci­par des­sa ta­re­fa tan­to quan­to a mu­lher, mas só 16% afir­mam fa­zê-lo (ve­ja qua­dro).

Nem sem­pre é fá­cil ocu­par es­se lu­gar, con­ta o co­zi­nhei­ro Ar­tu­ro Car­de­nas, 48, que se viu co­mo úni­co res­pon­sá­vel por Ro­bert quan­do o me­ni­no ti­nha 4 anos e a mãe os aban­do­nou. For­ça­dos a dei­xar seu país na­tal, a Colôm­bia, os dois che­ga­ram a São Pau­lo em 2015.

“De­sem­bar­quei na ro­do­viá­ria da Bar­ra Fun­da sem um re­al no bolso. Não co­nhe­cia nin­guém, nem fa­la­va por­tu­guês”, con­ta o co­zi­nhei­ro Car­de­nas, que ho­je di­vi­de com o fi­lho um quar­to na zo­na sul pau­lis­ta­na e se des­lo­ca de bi­ci­cle­ta pa­ra eco­no­mi­zar a con­du­ção.

Não são as di­fi­cul­da­des práticas, po­rém, que mais o pre­o­cu­pam. Car­de­nas acha que seu fi­lho, ho­je com 14 anos, pre­ci­sa de mui­to ca­ri­nho e afe­to. “A mãe faz is­so me­lhor. Pa­ra o ho­mem é mais com­pli­ca­do, não ti­ve es­sa pre­pa­ra­ção.”

Mais do que de um ho­mem ou de uma mu­lher em ca­sa, as cri­an­ças pre­ci­sam é de quem exer­ça pa­péis ma­ter­nos e pa­ter­nos, res­sal­ta Be­lin­da.

E uma mes­ma pes­soa po­de dar con­ta de nu­trir, aco­lher, dar ba­nho e ca­ri­nho e, por ou­tro la­do, de co­lo­car li­mi­te e lan­çar a cri­an­ça pa­ra o mun­do e os ou­tros.

Ain­da que exis­tam di­fe­ren­ças en­tre os gê­ne­ros no jei­to de tra­tar as cri­an­ças, elas não pre­ju­di­cam o re­sul­ta­do fi­nal, res­sal­va o psi­ca­na­lis­ta Fran­cis­co Daudt: “Am­bos os se­xos po­dem es­tar mais aten­tos às pe­cu­li­a­ri­da­des de seus fi­lhos, e as­sim os edu­ca­rão me­lhor”.

De fa­to, de­ze­nas de pes­qui- sas com­pi­la­das nos EUA pe­la so­ció­lo­ga Ro­ber­ta Co­les, da Mar­quet­te Uni­ver­sity, mos­tram que fi­lhos de pais so­zi­nhos sa­em-se tão bem quan­to os de ca­sais ou mães sol­tei­ras, tan­to na es­co­la quan­to no com­por­ta­men­to.

Os es­tu­dos tam­bém in­di­cam que, nos EUA, es­ses pais são os que de­di­cam aos fi­lhos o mai­or nú­me­ro de ho­ras, su­pe­ran­do a de­di­ca­ção de mães ca­sa­das e até a de mães sol­tei­ras —o que po­de ter co­mo cau­sa o fa­to de que a con­di­ção econô­mi­ca de­les é me­lhor.

“Mas nin­guém cui­da so­zi­nho dos fi­lhos”, pon­de­ra Be­lin­da. “Cria-se uma re­de. O pai pre­ci­sa tra­ba­lhar, e ha­ve­rá uma avó, vi­zi­nha, pro­fes­so­ra ou ami­go que o aju­da­rá.”

Ruf­fa­to, por exem­plo, não ti­nha ne­nhum pa­ren­te em São Pau­lo, mas ti­nha o apoio de uma di­a­ris­ta, e foi uma ami­ga sua que le­vou He­le­na pe­la pri­mei­ra vez ao gi­ne­co­lo­gis­ta. “Ma­qui­a­gem e pen­te­a­dos ela pre­ci­sou apren­der com as ami­gas e as mães de­las.”

Apoio se­me­lhan­te tem o administrador Fer­nan­do Tre­vi­san, 39, que cui­da so­zi­nho da fi­lha Cla­ri­ce, 6, des­de que sua mu­lher mor­reu du­ran­te uma ci­rur­gia car­día­ca, quan­do a menina ti­nha 3 anos.

“Os pais e mães das co­le­gas de es­co­la fo­ram mui­to im­por­tan­tes no dia a dia. Mi­nha fi­gu­ra de pai foi o pilar cen­tral, mas, sem es­sa aju­da, não te­ria che­ga­do até aqui.”

Tre­vi­san diz que ain­da há quem es­tra­nhe ele cri­ar a fi­lha so­zi­nho. “Al­guns per­gun­tam se ela mo­ra com os avós. Se fos­se uma mãe sol­tei­ra, tal­vez a ques­tão não se co­lo­cas­se.”

Ele no­ta que as di­fi­cul­da­des que en­con­tra são, no fun­do, iguais às que te­ria uma mu­lher na mes­ma si­tu­a­ção.

A pri­mei­ra é jus­ta­men­te dar con­ta dos pa­péis ma­ter­no e pa­ter­no. “Se são du­as pes­so­as, uma po­de ser mais du­ra en­quan­to a ou­tra abra­ça e acolhe. So­zi­nho, nem sem­pre dá pa­ra as­su­mir as du­as ati­tu­des.”

A se­gun­da é a fal­ta de al­guém com quem tro­car idei­as so­bre edu­ca­ção, com­por­ta­men­to. “É na so­li­dão que to­mo as de­ci­sões, en­tão ten­to ser o mais pon­de­ra­do pos­sí­vel. Pro­cu­ro ima­gi­nar o que a mãe de­la me di­ria.”

Um ter­cei­ro pon­to im­por­tan­te, diz Tre­vi­san, é não se sen­tir cul­pa­do por cui­dar tam­bém da pró­pria vi­da —jo­gar fu­te­bol com os ami­gos, por exem­plo. “Te­mos que es­tar bem pa­ra que os fi­lhos se sin­tam bem ao nos­so la­do.”

Não só nos mo­men­tos de ne­ces­si­da­de, mas tam­bém nos de se­pa­ra­ção dos ca­sais cres­ce o nú­me­ro de ho­mens que fa­zem ques­tão de fi­car com as cri­an­ças, di­zem juí­zes da área de fa­mí­lia. Mu­dan­ças nas leis que tra­tam de cus­tó­dia, em 2008 e 2014, im­pul­si­o­na­ram es­se fenô­me­no ao tor­nar re­gra a gu­ar­da com­par­ti­lha­da.

Se­gun­do a juí­za Sa­bri­na Me­ne­gat­ti Pít­si­ca, há seis anos em va­ras de fa­mí­lia, há “co­mo nun­ca” ho­mens que­ren­do exer­cer uni­la­te­ral­men­te a gu­ar­da dos fi­lhos.

Mui­tas ve­zes ain­da é a mu­lher que re­sis­te à ideia, o que le­vou gru­pos de pais a se or­ga­ni­za­rem, afir­ma o juiz An­dré Ca­ri­as de Arau­jo, es­pe­ci­a­lis­ta em con­ci­li­a­ção e me­di­a­ção.

Mas, ao me­nos nos gran­des cen­tros ur­ba­nos, tam­bém es­se pre­con­cei­to fe­mi­ni­no es­tá mu­dan­do, afir­ma o juiz Ro­ber­to Ar­ri­a­da Lo­rea, há 13 anos na área. “Tal­vez es­se ta­bu es­te­ja sen­do su­pe­ra­do, e a mu­lher já não ne­ces­si­te ter os fi­lhos mo­ran­do con­si­go pa­ra pro­var que é uma boa mãe.”

Se­gun­do ele, em vá­ri­os ca­sos a de­ci­são tem le­va­do em con­ta não um jul­ga­men­to so­bre quem é o me­lhor ge­ni­tor, mas a ne­ces­si­da­de dos fi­lhos. “A dis­tân­cia da mo­ra­dia até a es­co­la, dis­po­ni­bi­li­da­de de ho­rá­ri­os pa­ra aten­der às cri­an­ças, mo­men­to da car­rei­ra — aca­dê­mi­ca ou pro­fis­si­o­nal— de um e de ou­tro”, afir­ma.

“Que os pais as­su­mam a res­pon­sa­bi­li­da­de e com­par­ti­lhem seu amor é um ca­mi­nho sem vol­ta”, diz a juí­za Sa­bri­na.

Fo­tos Fer­nan­do Sci­ar­ra/Fo­lha­press

O co­zi­nhei­ro Ar­tu­ro Car­de­nas, 48, e seu fi­lho Ro­bert, 14, que ele cria so­zi­nho há dez anos —des­de que a mãe foi em­bo­ra—, na zo­na sul

Fer­nan­do Tre­vi­san, 39, e Cla­ri­ce, 6, que per­deu a mãe há três anos, brin­cam na área do pré­dio em que mo­ram, em Per­di­zes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.