Jo­vens em São Pau­lo ga­nham des­ta­que na ad­vo­ca­cia em tem­pos de La­va Ja­to

Quem é a ge­ra­ção que vem ga­nhan­do des­ta­que nos es­cri­tó­ri­os pau­lis­ta­nos

Folha De S.Paulo - - Primeira Página - Ana Es­te­la de Sou­sa Pin­to texto Eduardo Ani­zel­li fo­tos Ali­ne Pra­do pro­du­ção

Ela mal ti­nha 28 anos quan­do abriu seu pró­prio es­cri­tó­rio. Ad­vo­gou na La­va Ja­to des­de a pri­mei­ra fa­se, em 2014, e nes­te ano, con­se­guiu que o ex-mi­nis­tro Pau­lo Ber­nar­do, seu cli­en­te, fos­se ab­sol­vi­do das acu­sa­ções na­que­la ope­ra­ção na se­gun­da tur­ma do STF. No mês pas­sa­do, qua­li­fi­cou-se pa­ra o mes­tra­do na USP, on­de pes­qui­sa co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da. Nas­ci­da em São Pau­lo, Veronica Ster­man mo­ra em Pi­nhei­ros, tra­ba­lha nos Jar­dins, mas tal­vez pas­se o do­min­go no Mo­rum­bi. Mais exa­ta­men­te no Hos­pi­tal Al­bert Eins­tein, on­de es­tá pa­ra nas­cer seu pri­mei­ro fi­lho, Hen­ri­que.

Veronica faz par­te de uma ge­ra­ção de ad­vo­ga­dos que se for­mou na úl­ti­ma dé­ca­da, pe­río­do quen­te na his­tó­ria po­lí­ti­ca e po­li­ci­al do país, e con­quis­tou es­pa­ços nu­ma ve­lo­ci­da­de mai­or que a das tur­mas an­te­ri­o­res. “Hou­ve um tempo em que o ad­vo­ga­do de 45 anos ain­da po­de­ria ser con­si­de­ra­do jo­vem. Eles es­tão ca­da vez mais pre­co­ces, sem per­da de qua­li­da­de”, diz Se­bas­tião To­jal, uma das re­fe­rên­ci­as em acor­dos de le­ni­ên­cia no Bra­sil. Pro­fes­sor da USP des­de 1985, ele afir­ma que a atu­al ge­ra­ção ace­le­rou o ca­mi­nho por ser mul­ti­dis­ci­pli­nar, do­mi­nar tec­no­lo­gia e fa­lar a lin­gua­gem do cli­en­te.

Quan­do eles ain­da es­ta­vam na fa­cul­da­de de di­rei­to, o es­cân­da­lo da vez era a ação no STF contra a ven­da de sen­ten­ças pa­ra be­ne­fi­ci­ar a má­fia dos ca­ça-ní­queis e bin­gos. En­quan­to eles fa­zi­am es­tá­gi­os, cri­a­vam ga­tos de ra­ça ou sur­fa­vam no li­to­ral nor­te, a Ope­ra­ção Na­va­lha der­ru­ba­va um mi­nis­tro de Mi­nas e Ener­gia sus­pei­to de be­ne­fi­ci­ar em­prei­tei­ras, e o Con­gres­so abria CPI pa­ra in­ves­ti­gar o apa­gão aé­reo.

O gru­po deu seus pri­mei­ros pas­sos na pro­fis­são ao mes­mo tempo em que co­me­ça­va o jul­ga­men­to do men­sa­lão, que du­rou 19 me­ses e ter­mi­nou em 24 con­de­na­ções.

E en­tão a Ope­ra­ção La­va Ja­to ca­ta­pul­tou as es­ta­tís­ti­cas a no­vos pa­ta­ma­res: 115 pri­sões pre­ven­ti­vas, 121 pri­sões tem­po­rá­ri­as, 175 co­la­bo­ra­ções pre­mi­a­das, 11 acor­dos de le­ni­ên­cia. E is­so ape­nas no bra­ço pa­ra­na­en­se da in­ves­ti­ga­ção, e na pri­mei­ra ins­tân­cia.

Cu­ri­ti­ba foi o epi­cen­tro, mas é nos es­cri­tó­ri­os de ad­vo­ca­cia de São Pau­lo que as on­das ba­te­ram mais for­te, dan­do pro­je­ção tam­bém a áre­as co­mo com­pli­an­ce, di­rei­to ad­mi­nis­tra­ti­vo e con­tra­tos, e exi­giu uma co­ne­xão mai­or en­tre elas e o di­rei­to pe­nal.

Nes­se am­bi­en­te —mais exi­gen­te e mais com­ple­xo—, ama­du­re­ceu a no­va ge­ra­ção. Pa­ra dar ros­to a seus re­pre­sen­tan­tes, a re­vis­ta são­pau­lo pe­diu a se­te ad­vo­ga­dos con­sa­gra­dos que in­di­cas­sem —sob ano­ni­ma­to— al­guns de seus pa­res que, com me­nos de 35 anos, lhes ti­ves­sem cha­ma­do a aten­ção.

Há pou­ca coi­sa em co­mum nas ori­gens e tra­je­tó­ri­as des­se gru­po, do qu­al Veronica Ster­man faz par­te. An­der­son D’Avi­la, por exem­plo, nas­ceu há 31 anos em Ar­roio dos Ra­tos, lo­ca­li­da­de de 14 mil ha­bi­tan­tes a 55 km de Por­to Ale­gre. Na­tasha do La­go, 29, é de Sal­to Gran­de (SP), mas, fi­lha de mé­di­co do pro­je­to Ron­don, mo­rou em mais de dez ci­da­des e dei­xou a ca­sa da mãe na Bahia aos 16 anos pa­ra es­tu­dar em São Pau­lo.

Três são mi­nei­ros, de ci­da­des di­fe­ren­tes. Ri­car­do Cai­a­do, 32, nas­ci­do em Be­lo Ho­ri­zon­te, mu­dou-se pa­ra Vi­tó­ria (ES), on­de se for­mou. Con­ra­do Gon­ti­jo, 30, é de Pa­tos de Mi­nas e pi­sou em São Pau­lo pe­la pri­mei­ra vez aos 17 anos, so­zi­nho, pa­ra ter­mi­nar o en­si­no mé­dio. Car­los Ay­res, 34, nas­ceu em Ma­cha­do e tam­bém con­cluiu os es­tu­dos na ca­pi­tal pau­lis­ta, pa­ra on­de veio com a mãe.

Em São Pau­lo nas­ce­ram Mi­chel Kus­minsky Hers­cu, 28, cri­mi­na­lis­ta, e Ju­an Me­na Acos­ta, 27, es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to pú­bli­co.

O pri­mei­ro apai­xo­nou-se por di­rei­to pe­nal ao as­sis­tir a um jul­ga­men­to aos 17 anos e nun­ca mais mu­dou de área. O se­gun­do, ór­fão de pai aos 5 anos, so­nha­va ser ad­vo­ga­do des­de cri­an­ça, mas co­me­çou em fun­ções ad­mi­nis­tra­ti­vas, aos 15. Foi efe­ti­va­do num es­cri­tó­rio de di­rei­to em 2015, às vés­pe­ras de ini­ci­ar uma qui­mi­o­te­ra­pia pa­ra um cân­cer já em me­tás­ta­se.

“Fi­quei sem so­bran­ce­lha, pá­li­do, hor­rí­vel. Mas tra­ba­lhei co­mo qual­quer ou­tro ad­vo­ga­do, o que foi fun­da­men­tal pa­ra mi­nha saú­de men­tal”, diz Acos­ta, que ter­mi­nou o tra­ta­men­to, bem-su­ce­di­do, em 2016. Mon­ta­nhis­ta, a pri­mei­ra vi­a­gem que fez, lo­go em se­gui­da, foi pa­ra o mon­te Hu­ashan, na Chi­na, con­si­de­ra­da a tri­lha mais pe­ri­go­sa do mun­do.

Per­fis di­fe­ren­tes são uma ri­que­za pa­ra quem co­or­de­na equi­pes, diz Cris­ti­an­ne Sac­cab Zar­zur Chac­cur, do es­cri­tó­rio Pi­nhei­ro Ne­to, re­fe­rên­cia na área de con­cor­rên­cia. “O prin­ci­pal é que o jo­vem te­nha en­tu­si­as­mo. A par­tir daí, é pre­ci­so dei­xar flo­res­cer o que ele é, com su­as ca­rac­te­rís­ti­cas di­fe­ren­tes.”

Em co­mum, es­ses oi­to re­pre­sen­tan­tes da no­va ge­ra­ção se­guem um con­se­lho do cri­mi­na­lis­ta Fá­bio To­fic Si­man­tob, ele mes­mo uma es­pé­cie de pre­cur­sor da pre­co­ci­da­de —foi aos 20 anos que fun­dou o IDDD (Ins­ti­tu­to de De­fe­sa do Di­rei­to de De­fe­sa), que ho­je pre­si­de. “Não adi­an­ta vir com mui­ta se­de ao po­te, pen­san­do em su­bir rá­pi­do e en­ri­que­cer”, diz Si­man­tob. “Os que se­rão re­co­nhe­ci­dos co­mo gran­des ad­vo­ga­dos são os que têm a pro­fis­são na al­ma, os que a en­ca­ram co­mo uma de­fe­sa dos va­lo­res da ad­vo­ca­cia e da li­ber­da­de, mes­mo que is­so os in­dis­po­nha com a opinião pú­bli­ca.”

O Jul­ga­men­to de Só­cra­tes ★★☆☆☆ Te­a­tro Nair Bel­lo - shop­ping Frei Ca­ne­ca, r. Frei Ca­ne­ca, 569. Sáb., às 21h, dom., às 19h. Até 9/9. In­gr.: R$ 60. 12 anos

“O Jul­ga­men­to de Só­cra­tes” bus­ca ser, a um só tempo, ce­le­bra­ção do meio sé­cu­lo de car­rei­ra do ator To­ni­co Pe­rei­ra e sín­te­se da sua tra­je­tó­ria; en­ce­na­ção da con­de­na­ção do fi­ló­so­fo, e co­men­tá­rio so­bre a si­tu­a­ção po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra. A dra­ma­tur­gia de Ivan Fer­nan­des, que as­si­na a di­re­ção ao la­do do ator, con­tu­do, cum­pre ape­nas par­te dos ob­je­ti­vos.

Além da im­por­tân­cia pa­ra a his­tó­ria do di­rei­to, a sen­ten­ça que re­caiu so­bre Só­cra­tes po­de ser li­da co­mo um dos pri­mei­ros exem­plos do uso ar­bi­trá­rio da lei contra aque­les que re­cu­sa­vam as nor­mas.

Sob óti­ca ide­a­lis­ta, o jul­ga­men­to re­a­fir­ma a for­ça do li­vre pen­sa­men­to fren­te à in­fle­xi­bi­li­da­de das ins­ti­tui­ções.

Há dra­ma e uni­ver­sa­li­da­de in­trín­se­cos ao te­ma, que são pou­co ex­plo­ra­dos pe­lo texto. Li­vre adap­ta­ção de “Apo­lo­gia de Só­cra­tes”, na qu­al Pla­tão ex­põe a de­fe­sa do men­tor, acu­sa­do de he­re­sia e cor­rup­ção da ju­ven­tu­de, a dra­ma­tur­gia pou­co si­tua a pla­teia so­bre o pen­sa­dor. Pre­fe­re es­ta­be­le­cer re­la­ções en­tre a Ate­nas an­ti­ga e o Bra­sil con­tem­po­râ­neo.

De fa­to, o texto se li­mi­ta a elen­car os di­ver­sos es­cân­da­los que fre­quen­tam as man­che­tes po­lí­ti­cas e en­fi­lei­rar, in­dis­cri­mi­na­da­men­te, no­mes de va­ri­a­das ten­dên­ci­as —do pre­si­den­ciá­vel Gui­lher­me Bou­los ao pre­si­den­te Mi­chel Te­mer.

O dis­cur­so re­sul­tan­te é va­go e di­fu­so, e a crí­ti­ca en­de­re­ça­da ao am­bi­en­te po­lí­ti­co soa su­per­fi­ci­al e re­du­ci­o­nis­ta.

Tais de­fi­ci­ên­ci­as são re­al­ça­das pe­los ele­men­tos cê­ni­cos. É co­mum que mo­nó­lo­gos se­jam en­ce­na­dos eco­no­mi­ca­men­te, a fim de va­lo­ri­zar o in­tér­pre­te e a pa­la­vra.

Nes­te es­pe­tá­cu­lo, ain­da que evi­den­ci­em a po­tên­cia de um ator ex­pe­ri­men­ta­do, luz, ce­ná­rio e fi­gu­ri­no, mi­ni­ma­lis­tas, res­sal­tam a fra­gi­li­da­de da dra­ma­tur­gia. Por ve­zes, a en­ce­na­ção lan­ça mão de re­cur­sos pri­má­ri­os, co­mo uma gu­tu­ral voz di­vi­na em off.

O pró­lo­go al­can­ça ní­veis mai­o­res de den­si­da­de e po­e­sia. O ator pa­re­ce se des­ven­ci­lhar da dra­ma­tur­gia e, em tom au­to­bi­o­grá­fi­co, re­me­mo­ra a ju­ven­tu­de na Cam­pos dos Goy­ta­ca­zes na­tal, on­de, ven­do jú­ris, se in­te­res­sou pe­lo di­rei­to. Nes­se mo­men­to, ain­da re­ve­ren­cia seus men­to­res.

Em­bo­ra não su­pra as de­fi­ci­ên­ci­as do es­pe­tá­cu­lo, To­ni­co é ha­bi­li­do­so com a pa­la­vra. Mu­ni­do de pou­cos re­cur­sos, de­mons­tran­do gran­de vi­gor cê­ni­co do al­to dos seus 50 anos de car­rei­ra, con­se­gue pren­der a aten­ção do pú­bli­co e com ele tra­var um sin­ce­ro diá­lo­go.

Ju­an Acos­ta, 27, pau­lis­ta­no, for­mou-se na FMU e es­pe­ci­a­li­zou­se em di­rei­to pú­bli­co na Es­co­la Su­pe­ri­or de Ma­gis­tra­tu­ra Fe­de­ral. Tra­ba­lha no es­cri­tó­rio KLA, na av. Fa­ria Li­ma

Veronica Ster­man, 34, pau­lis­ta­na, for­mou-se na PUC e faz mes­tra­do na USP. Cri­mi­na­lis­ta, des­de 2012 tem seu pró­prio es­cri­tó­rio nos Jar­dins

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.