Madonna, 60

Can­to­ra ame­ri­ca­na, mai­or es­tre­la pop vi­va, se tor­na uma se­xa­ge­ná­ria en­quan­to de­fen­de fe­mi­nis­mo e re­no­va so­no­ri­da­de

Folha De S.Paulo - - Primeira Página - -Thiago Ney

As es­tre­las são eter­nas, não são? Nor­ma Des­mond, a per­so­na­gem de Glo­ria Swan­son em “Cre­pús­cu­lo dos Deu­ses” se ne­ga­va a ad­mi­tir que a fa­ma ha­via há mui­to fi­ca­do pa­ra trás, mas es­sa fra­se di­ta em uma das ce­nas fi­nais do fil­me de Billy Wil­der po­de­ria ba­ti­zar a bi­o­gra­fia da mais lon­ge­va e bem-su­ce­di­da can­to­ra pop.

Madonna Loui­se Cic­co­ne fa­rá 60 anos em 16 de agos­to. Na car­rei­ra ini­ci­a­da em 1982 com o lan­ça­men­to do sin­gle “Every­body”, nú­me­ros su­per­la­ti­vos apa­re­cem aos montes.

Ven­deu mais de 300 mi­lhões de có­pi­as de dis­co. É a ar­tis­ta so­lo (ho­mem ou mu­lher) com mai­or nú­me­ro de su­ces­sos na pa­ra­da de can­ções dos Es­ta­dos Uni­dos. Sua úl­ti­ma tur­nê, com 82 shows em 2015 e 2016, fa­tu­rou R$ 640 mi­lhões.

Mes­mo se­xa­ge­ná­ria, Madonna não pa­ra. A can­to­ra se mu­dou no ano pas­sa­do pa­ra um pa­la­ce­te nos ar­re­do­res de Lisboa com os qua­tro fi­lhos mais no­vos (ela tem seis). Na ca­pi­tal de Por­tu­gal, é vis­ta em lu­ga­res co­mo o Te­jo Bar, em que can­ta e to­ca com mú­si­cos lo­cais. De­pois de uma saí­da, pos­tou uma foto nas re­des so­ci­ais com os pés do­lo­ri­dos.

E com a in­fluên­cia de no­mes por­tu­gue­ses do pop, da ele­trô­ni­ca e até do fa­do, ela pre­pa­ra o 14º dis­co da car­rei­ra, ain­da sem no­me (uma mú­si­ca já é co­nhe­ci­da, “Be­au­ti­ful Ga­me”). O pro­du­tor fran­cês Mirwais é um dos que tra­ba­lham no ál­bum que sai­rá nes­te ano.

Quan­do Madonna sur­giu, ela ti­nha 24 anos e era uma mu­lher que cho­ca­va —ti­nha pos­tu­ra las­ci­va e vi­su­al agres­si­vo, com­bi­nan­do ban­da­nas, bo­tas pre­tas e lin­ge­rie apa­ren­te. Aos 60, Madonna cho­ca por­que não se com­por­ta co­mo de­ve­ria se com­por­tar uma mu­lher de 60 anos.

No ano pas­sa­do, à re­vis­ta Har­per’s Ba­za­ar, a can­to­ra foi di­re­ta: “Não acre­di­to que exis­ta uma ida­de em que não po­de­mos mais fa­lar ou sen­tir e nem ser o que so­mos. Te­nho aman­tes que são três dé­ca­das mais no­vos do que eu. Is­so faz as pes­so­as se sen­ti­rem des­con­for­tá­veis. Me re­cu­so a ter uma vi­da con­ven­ci­o­nal”.

A vi­da e a car­rei­ra de Madonna não são na­da con­ven­ci­o­nais, mas pa­ra ten­tar ex­pli­car quem é Madonna, é sim­plis­ta afir­mar que exis­tem mui­tas Ma­don­nas ten­do co­mo pa­râ­me­tro as vá­ri­as mu­dan­ças es­té­ti­cas pe­las quais sua mú­si­ca pas­sou nes­ses anos to­dos.

Madonna ain­da man­tém a mes­ma motivação que ti­nha quan­do tro­cou De­troit por No­va York pa­ra ten­tar a car­rei­ra pri­mei­ro co­mo dan­ça­ri­na e de­pois co­mo can­to­ra.

Quer ser a mai­or e a me­lhor ar­tis­ta do pla­ne­ta, não im­por­ta se es­tá mi­li­o­ná­ria ou du­ra.

Sua pri­mei­ra fi­ta de­mo, ain- da­no­fi­nal­do­sa­nos1970,foi gra­va­da em Ma­nhat­tan sem ne­nhum mú­si­co de apoio.

“Ela ti­ra­va um som das gui­tar­ras, do te­cla­do e da ba­te­ria pa­ra che­gar a uma es­tru­tu­ra e de­pois co­lo­ca­va a le­tra. Madonna ti­nha um som pró­prio. Eu não pre­ci­sa­va in­ven­tar as coi­sas do na­da”, dis­se Jon Gor­don, que gra­vou aque­la pri­mei­ra de­mo com qua­tro fai­xas em um es­tú­dio mon­ta­do em uma an­ti­ga igre­ja na rua 57.

Na No­va York da vi­ra­da dos anos 1970 pa­ra os 1980, qua­se fa­li­da, a vi­o­lên­cia es­tou­ran­do, Madonna en­trou pa­ra uma ce­na em que cir­cu­la­vam gen­te co­mo os ar­tis­tas Keith Ha­ring e Je­an-Mi­chel Bas­qui­at. Ha­via a dis­co mu­sic, o pós-punk. E ali es­ta­va nas­cen­do o hip-hop.

Um lu­gar da mo­da na ci­da­de era o clu­be Dan­ce­te­ria. O DJ Mark Ka­mins dis­co­te­ca­va ali quan­do Madonna foi à ca­bi­ne e pe­diu que ele to­cas­se uma mú­si­ca de­la. Era “Every­body”.

Ka­mins e Madonna na­mo­ra­ram por um tempo, e ele lem­bra que, pa­ra ela, na­mo­rar era se­cun­dá­rio. “Ela sa­bia usar a se­xu­a­li­da­de pa­ra ma­ni­pu­lar os ho­mens, to­dos eles.”

Uma das prin­ci­pais crí­ti­cas à can­to­ra até ho­je é a de que ela se sub­me­te ao de­se­jo mas­cu­li­no e se co­lo­ca co­mo ob­je­to sexual pas­si­vo e obe­di­en­te.

Na­da mais ras­tei­ro. Au­to­ra de li­vros co­mo “Per­so­nas Se­xu­ais” e “Se­xo, Arte e Cul­tu­ra Ame­ri­ca­na”, Ca­mil­le Pa­glia es­cre­veu pa­ra o New York Ti­mes em 1990 que a can­to­ra de “In­to the Gro­o­ve” ex­pu­nha “o pu­ri­ta­nis­mo e a ide­o­lo­gia su­fo­can­tes do fe­mi­nis­mo” nos EUA.

“Madonna en­si­na mu­lhe­res jo­vens a se­rem in­tei­ra­men­te se­xu­ais e fe­mi­ni­nas e ain­da as­sim ter to­tal con­tro­le de su­as vidas. Ela mos­tra às ga­ro­tas co­mo ser atra­en­te, sensual, enér­gi­ca, am­bi­ci­o­sa, agres­si­va e en­gra­ça­da —tu­do ao mes­mo tempo”, ar­gu­men­tou.

Em 2016, Madonna foi elei­ta a “mu­lher do ano” pe­la Bill­bo­ard. Em seu dis­cur­so, dis­se que “as mu­lhe­res têm si­do tão opri­mi­das há tan­to tempo que acre­di­tam no que os ho­mens têm a di­zer so­bre elas”.

Tam­bém na­que­le dis­cur­so, a can­to­ra de­fen­deu que mu­lhe­res re­co­nhe­ces­sem seu pró­prio va­lor e “pro­cu­ras­sem mu­lhe­res for­tes pa­ra fa­zer ami­za­de”, des­car­tan­do a cren­ça de que pre­ci­sam dos ho­mens pa­ra re­a­li­zar tra­ba­lhos.

Madonna afir­mou ser uma so­bre­vi­ven­te. Ver­da­de. Es­tá no to­po há mais de três dé­ca­das. Ou­tras can­to­ras de sua ge­ra­ção, co­mo Cyn­di Lau­per, per­de­ram o ru­mo. E Michael Jack­son, que tam­bém fa­ria 60 anos, no dia 29 des­te mês de agos­to, mor­reu há no­ve anos.

Madonna já foi uma ga­ro­ta meio re­bel­de (na fa­se dos dis­cos “Li­ke a Vir­gin”, de 1984, e “True Blue”, de 1986); a jo­vem re­fle­xi­va e mís­ti­ca de “Li­ke a Prayer”, de 1989; a fem­me fa­ta­le de “Ero­ti­ca”, de 1992; uma he­do­nis­ta es­pi­ri­tu­a­li­za­da em “Ray of Light”, de 1998, e “Mu­sic”, de 2000, e a ado­rá­vel in­con­se­quen­te de “Hard Candy”, de 2008, e “MDNA”, de 2012.

Mas Madonna tam­bém é uma só. Ain­da é aque­la mu­lher que vai jo­vem pa­ra No­va York de­ci­di­da a vi­rar uma es­tre­la. En­ten­de que pa­ra is­so de­ve usar to­dos os re­cur­sos, in­clu­si­ve do­mi­nar qual­quer ho­mem que se co­lo­que co­mo bar­rei­ra à sua as­cen­são.

Bruno Santos/Fo­lha­press

Drag qu­e­ens revivem fa­ses clás­si­cas de Madonna em en­saio pa­ra a Fo­lha no Theatro Mu­ni­ci­pal de SP; nas úl­ti­mas 3 dé­ca­das, can­to­ra lan­çou 13 ál­buns, do hou­se ao te­ch­no

Ilus­tra­ção Zé Vi­cen­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.