Mourão mos­tra ig­no­rân­cia so­bre ín­di­os e afri­ca­nos

Mourão, vi­ce de Bol­so­na­ro, mos­tra ig­no­rân­cia so­bre in­dí­ge­nas e afri­ca­nos

Folha De S.Paulo - - Primeira Página - Rei­nal­do José Lo­pes

“Te­mos uma cer­ta he­ran­ça da in­do­lên­cia, que vem da cul­tu­ra in­dí­ge­na”, dis­se o ge­ne­ral Ha­mil­ton Mourão, vi­ce do pre­si­den­ciá­vel Jair Bol­so­na­ro (PSL), pa­pa­gai­an­do es­sen­ci­a­lis­mo ét­ni­co.

O ge­ne­ral da re­ser­va An­to­nio Ha­mil­ton Mourão (PRTB) ini­ci­ou sua cam­pa­nha de can­di­da­to a vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca fa­zen­do um di­ag­nós­ti­co das ma­ze­las he­re­di­tá­ri­as do Bra­sil que pa­re­ce ter si­do co­pi­a­do de al­gum ma­nu­al de so­ci­o­lo­gia dos anos 1930.

“Te­mos uma cer­ta he­ran­ça da in­do­lên­cia, que vem da cul­tu­ra in­dí­ge­na”, pon­ti­fi­cou ele em uma vi­si­ta ao mu­ni­cí­pio de Ca­xi­as do Sul, no Rio Gran­de do Sul, res­sal­tan­do as pró­pri­as ori­gens ame­rín­di­as —“Meu pai é ama­zo­nen­se”.

Com­ple­tou o ra­ci­o­cí­nio di­zen­do que “a ma­lan­dra­gem é oriun­da do afri­ca­no”.

Quan­do fi­quei sa­ben­do da fa­la de Mourão, um texto cu­ri­o­so, es­cri­to em 1723 por ou­tro su­jei­to cha­ma­do An­to­nio (Pi­res de Cam­pos, no ca­so), veio-me à ca­be­ça. Ei-lo:

“Vi­vem de su­as la­vou­ras, no que são in­can­sá­veis, e as la­vou­ras em que mais se fun­dam são man­di­o­cas, al­gum mi­lho e fei­jão, ba­ta­tas, mui­tos ana­na­ses, e sin­gu­la­res em ad­mi­rá­vel or­dem plan­ta­dos (…) mui­to as­se­a­dos e per­fei­tos em tu­do que até as su­as es­tra­das fa­zem mui­to di­rei­tas e lar­gas, e as con­ser­vam tão lim­pas e con­ser­ta­das que se lhe não acha­rá nem uma fo­lha.”

Es­sa ce­na de pro­du­ti­vi­da­de e as­seio qua­se ger­mâ­ni­cos não foi vis­ta na Ba­vi­e­ra, mas... en­tre ín­di­os da fron­tei­ra sul da Amazô­nia, em Ma­to Gros­so, no lu­gar que Pi­res de Cam­pos ape­li­da­va de “Rei­no dos Pa­re­cis”. Ca­dê a in­do­lên­cia? A ar­que­o­lo­gia, aliás, tem mostrado que es­sa ce­na po­de ter si­do a re­gra, e não a ex­ce­ção, an­tes que o fu­tu­ro Bra­sil fos­se con­quis­ta­do pe­los lu­sos.

A atu­al Rondô­nia, por exem­plo, tem se re­ve­la­do um dos prin­ci­pais ber­ços da agri­cul­tu­ra nas Amé­ri­cas (o cul­ti­vo de plan­tas po­de ter co­me­ça­do ali há uns 9.000 anos).

Ou­tros po­vos cons­truí­ram os gran­des mo­nu­men­tos fu­ne­rá­ri­os co­nhe­ci­dos co­mo sam­ba­quis no li­to­ral; e gran­des al­dei­as for­ti­fi­ca­das, com den­sas re­des de es­tra­das, cor­ta­vam re­giões amazô­ni­cas ho­je con­si­de­ra­das “vir­gens”.

Fa­le­mos, en­tão, da ma­lan­dra­gem afri­ca­na.

Se­ria a ma­lan­dra­gem que le­vou guer­rei­ros ne­gros do atu­al Su­dão a con­quis­tar to­do o or­gu­lho­so Egi­to dos fa­raós por vol­ta de 700 a.C.?

Ou foi gra­ças à ma­le­mo­lên­cia que o po­vo sho­na, na Ida­de Mé­dia, cons­truiu a po­de­ro­sa ci­da­de de pe­dra do Gran­de Zim­bá­bue, com ta­ma­nho e com­ple­xi­da­de que na­da de­vi­am às mai­o­res ci­da­des eu­ro­pei­as me­di­e­vais?

Tu­do is­so, é cla­ro, pa­ra não men­ci­o­nar­mos ou­tra ques­tão cru­ci­al: de quais ín­di­os ele es­tá fa­lan­do? (Ain­da so­bra­ram 150 lín­guas in­dí­ge­nas no Bra­sil, mais di­fe­ren­tes en­tre si do que o ára­be di­fe­re do chi­nês.)

De quais afri­ca­nos? (Há mais de mil lín­guas na Áfri­ca moderna.) Do pon­to de vis­ta cul­tu­ral, é tu­do a mes­ma coi­sa? (Não, nem de lon­ge.)

Pa­ra ser jus­to com o ge­ne­ral, ele ar­gu­men­tou ain­da que “a he­ran­ça do pri­vi­lé­gio é uma he­ran­ça ibé­ri­ca”, e is­so lo­go no co­me­ço de sua fa­la. Em ou­tras pa­la­vras, a cul­pa tam­bém se­ria dos por­tu­gue­ses fol­ga­dos que pa­ri­ram nos­sa na­ção.

Ocor­re, po­rém, que cul­tu­ras hu­ma­nas têm uma plas­ti­ci­da­de ad­mi­rá­vel —do con­trá­rio, di­na­mar­que­ses e no­ru­e­gue­ses ain­da es­ta­ri­am en­for­can­do cri­mi­no­sos em hon­ra de Odin e sa­que­an­do mo­nas­té­ri­os na Ir­lan­da, en­quan­to Por­tu­gal e Es­pa­nha não te­ri­am con­se­gui­do en­trar (meio clau­di­can­tes, é ver­da­de) no rol das na­ções de­sen­vol­vi­das.

Mu­dan­ças cul­tu­rais co­mo es­sas acon­te­cem com ba­se em in­cen­ti­vos e opor­tu­ni­da­des.

Em vez de pa­pa­gai­ar es­sen­ci­a­lis­mo ét­ni­co, o ge­ne­ral e seu mí­ti­co com­pa­nhei­ro de cha­pa po­de­ri­am gas­tar um pou­co mais de tempo pen­san­do em co­mo fo­men­tar es­ses fa­to­res de mu­dan­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.