Câ­ma­ras ar­ti­cu­lam ar­bi­tra­gem tra­ba­lhis­ta, mas cus­to é en­tra­ve

Folha De S.Paulo - - Mercado - Anaïs Fer­nan­des

No­vi­da­de da re­for­ma que al­te­rou a CLT, a ar­bi­tra­gem tra­ba­lhis­ta ain­da en­ga­ti­nha no Bra­sil, mas aca­ba de ga­nhar um reforço de pe­so.

A Am­cham-Bra­sil (câ­ma­ra ame­ri­ca­na de co­mér­cio) cri­ou em sua câ­ma­ra de ar­bi­tra­gem um re­gu­la­men­to es­pe­cí­fi­co pa­ra dis­pu­tas do ti­po, com cus­tos e ri­tos pró­pri­os.

A ideia é que, en­tre a ins­tau­ra­ção da ar­bi­tra­gem e a sen­ten­ça, a de­ci­são saia em cer­ca de se­te me­ses —na co­mer­ci­al, a mé­dia é de 18 me­ses.

Os cus­tos tam­bém são di­fe­ren­tes. Na tra­ba­lhis­ta, a ta­xa de ad­mi­nis­tra­ção foi fi­xa­da en­tre R$ 21,6 mil e R$ 24 mil, de­pen­den­do do par­ce­la­men­to, pa­ra ar­bi­tra­gens de até 12 me­ses.

Aci­ma dis­so, pas­sa a in­ci­dir men­sa­li­da­de de R$ 2.000.

Os va­lo­res em dis­pu­ta, que de­fi­nem os ho­no­rá­ri­os dos ár­bi­tros, ga­nha­ram mais fai­xas.

“O pro­ce­di­men­to foi pen­sa­do pa­ra du­rar me­nos. Cri­a­mos mais fai­xas na ta­be­la pa­ra con­tem­plar di­fe­ren­tes ti­pos de de­man­da com pre­ços me­no­res. Te­mos dis­pu­tas en­tre em­pre­sas de R$ 500 mi­lhões, mas a re­a­li­da­de tra­ba­lhis­ta é ou­tra”, diz Ca­ro­li­na Mo­ran­di, se­cre­tá­ria-ge­ral do Cen­tro de Ar­bi­tra­gem da Am­cham.

A Car­mesp (Câ­ma­ra de Ar­bi­tra­gem de SP) es­tu­da um mo­de­lo se­me­lhan­te.

O ór­gão cos­tu­ma re­a­li­zar uma ar­bi­tra­gem “con­ven­ci­o­nal” por mês —no ano, já pro­mo­veu 15 tra­ba­lhis­tas.

“Acre­di­to que até o fim de 2019 elas de­vam co­me­çar a che­gar em mai­or vo­lu­me”, diz Ana Ca­ro­li­na Bot­ter, pre­si­den-

“As em­pre­sas fi­ca­ram ani­ma­das. Mas o cus­to com ar­bi­tra­gem é cer­ca de seis ve­zes mai­or que o de uma re­cla­ma­ção tra­ba­lhis­ta. Acre­di­to que is­so ten­de a bai­xar quan­to mais o re­cur­so for usa­do, mas não é uma mo­vi­men­ta­ção que te­mos vis­to ago­ra Mau­rí­cio de Li­on só­cio do Fels­berg Ad­vo­ga­dos

te da Car­mesp.

A ar­bi­tra­gem tra­ba­lhis­ta já era pre­vis­ta em lei em ca­sos de dis­sí­dio co­le­ti­vo.

Mas a re­for­ma da CLT, em vi­gor des­de no­vem­bro de 2017, re­gu­la­men­tou o re­cur­so tam­bém pa­ra tra­ba­lha­do­res cu­ja re­mu­ne­ra­ção su­pe­re du­as ve­zes o te­to do INSS —ho­je em R$ 5.645,81.

A Di­vi­são Sin­di­cal da CNC (Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Co­mér­cio) ava­lia a cri­a­ção de uma Câ­ma­ra de Ar­bi­tra­gem Tra­ba­lhis­ta.

“É in­te­res­se da CNC au­xi­li­ar sin­di­ca­tos e em­pre­sas nes­ses pro­ces­sos”, dis­se a en­ti­da­de em no­ta.

Ape­sar do es­co­po li­mi­ta­do, o mé­to­do tem atraí­do com­pa­nhi­as pe­la ce­le­ri­da­de e con­fi­den­ci­a­li­da­de do pro­ces­so, im­por­tan­te no des­li­ga­men­to de exe­cu­ti­vos do al­to es­ca­lão.

A ar­bi­tra­gem po­de ser pac­tu­a­da em con­tra­to, des­de que por ini­ci­a­ti­va do em­pre­ga­do ou me­di­an­te sua con­cor­dân­cia. Ad­vo­ga­dos re­la­tam au­men­to na in­clu­são de adi­ti­vos re­la­ci­o­na­dos ao te­ma.

Há cer­ca de um mês, a ad­vo­ga­da May­ra Pa­ló­po­li, do Pa­ló­po­li & Al­bre­cht, aten­deu uma em­pre­sa em um ca­so de ar­bi­tra­gem com um ex-di­re­tor co­mer­ci­al que ga­nha­va em tor­no de R$ 24 mil por mês e ha­via in­cluí­do em con­tra­to adi­ti­vo so­bre ar­bi­tra­gem.

No ca­so acom­pa­nha­do pe­lo ad­vo­ga­do Jor­ge Gon­za­ga Mat­su­mo­to, do Bi­cha­ra Ad­vo­ga­dos, a pos­si­bi­li­da­de de um ex­di­re­tor fi­nan­cei­ro exer­cer seu di­rei­to a “stock op­ti­ons” (re­mu­ne­ra­ção ba­se­a­da em ações) es­ta­va atre­la­da ao com­pro­mis­so de, por um tempo, não ocu­par car­gos em con­cor­ren­tes.

“A cláu­su­la de con­fi­den­ci­a­li­da­de foi fun­da­men­tal pa­ra pre­fe­ri­rem a ar­bi­tra­gem”, afir­ma.

Pro­fis­si­o­nais apon­tam que o prin­ci­pal en­tra­ve pa­ra o avan­ço do mo­de­lo ain­da é o cus­to.

“As em­pre­sas fi­ca­ram ani­ma­das, mas um cus­to com ar­bi­tra­gem é cer­ca de seis ve­zes mai­or que o de uma re­cla­ma­ção tra­ba­lhis­ta. Acre­di­to que is­so ten­de a bai­xar quan­to mais o re­cur­so for usa­do, mas não é uma mo­vi­men­ta­ção que te­mos vis­to”, diz Mau­rí­cio de Li­on, do Fels­berg Ad­vo­ga­dos.

Ca­ro­li­ne Mar­chi, do Ma­cha­do Meyer, pon­de­ra que a ar­bi­tra­gem é uma al­ter­na­ti­va ao cus­to da Jus­ti­ça.

“Hou­ve mo­di­fi­ca­ções, co­mo a de­ter­mi­na­ção de que as par­tes te­rão de ar­car com ho­no­rá­ri­os de su­cum­bên­ci­as. O pro­ces­so do tra­ba­lho es­tá mais ca­ro do que an­ti­ga­men­te.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.