CNC te­rá no­vo dirigente após 38 anos, mas li­ga­do ao mes­mo gru­po po­lí­ti­co

Atu­al pre­si­den­te, com 92 anos de ida­de, de­ci­diu se apo­sen­tar; cha­pa de opo­si­ção tem qua­tro vo­tos

Folha De S.Paulo - - Mercado - Ra­quel Lan­dim

Antônio José Do­min­gues de Oliveira vai dei­xar a pre­si­dên­cia da CNC (Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Co­mér­cio) de­pois de 38 anos. O mo­ti­vo é a ida­de avan­ça­da: ele es­tá com 92 anos. Seu gru­po po­lí­ti­co, po­rém, tem gran­de chan­ce de per­ma­ne­cer no po­der.

As elei­ções es­tão mar­ca­das pa­ra 27 de se­tem­bro, e a cha­pa Uni­dos pe­la CNC —apoi­a­da in­for­mal­men­te pe­lo atu­al dirigente— já tem ga­ran­ti­dos 24 dos 28 vo­tos pos­sí­veis.

Di­ri­gen­tes das fe­de­ra­ções do co­mér­cio do Dis­tri­to Fe­de­ral, de Ser­gi­pe, de Ala­go­as e de San­ta Catarina mon­ta­ra­mu­ma cha­pa opo­si­ci­o­nis­ta, de­no­mi­na­da CNC em Ação e li­de­ra­da pe­lo dirigente da Fe­co­mer­cio DF, Adel­mir Araú­jo San­ta­na.

A chan­ce de vi­tó­ria, no en­tan­to, é re­du­zi­da, uma vez que tem ape­nas qua­tro vo­tos.

Re­por­ta­gem pu­bli­ca­da pe­la Fo­lha em ju­lho mos­trou que Oliveira é o se­gun­do dirigente pa­tro­nal mais lon­ge­vo do país. Seu pro­vá­vel su­ces­sor qua­se não fi­ca atrás.

A cha­pa da si­tu­a­ção é en­ca­be­ça­da por José Ro­ber­to Ta­dros, pre­si­den­te da Fe­co­mer­cio Ama­zo­nas há 32 anos.

Ta­dros ocu­pa a quin­ta po­si­ção no ran­king de lon­ge­vi­da­de das en­ti­da­des pa­tro­nais ela­bo­ra­do pe­la re­por­ta­gem.

“Não pre­ten­do me per­pe­tu­ar no po­der. A me­ta é fi­car no má­xi­mo oi­to anos, por­que já te­nho 72 anos”, dis­se Ta­dros.

“Vou le­var es­se te­ma [da pos­si­bi­li­da­de de re­e­lei­ção ili­mi­ta­da] pa­ra ser dis­cu­ti­do pe­lo con­se­lho. Mi­nha opinião pes­so­al, no en­tan­to, é que não tem na­da de er­ra­do.”

A dis­pu­ta pe­lo co­man­do da CNC é jus­ti­fi­ca­da pe­los ex­pres­si­vos or­ça­men­tos en­vol­vi­dos —a en­ti­da­de co­man­da tam­bém o Sesc e o Se­nac.

Em 2017, as re­cei­tas de CNC, Sesc e Se­nac so­ma­ram R$ 11,4 bi­lhões, sem con­tar os re­cur­sos exis­ten­tes em cai­xa.

Co­mo par­te do cha­ma­do Sis­te­ma S, Sesc e Se­nac re­ce­bem re­pas­ses da Receita Fe­de­ral, des­con­ta­dos de con­tri­bui­ções do fa­tu­ra­men­to de 5 mi­lhões de es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais do país.

A mon­ta­nha de di­nhei­ro foi um dos trun­fos que man­ti­ve­ram o co­man­dan­te da CNC por tan­to tempo no po­der. A en­ti­da­de re­a­li­za elei­ções a ca­da qua­tro anos, mas Oliveira foi su­ces­si­va­men­te re­e­lei­to por una­ni­mi­da­de em cha­pa úni­ca.

Se­gun­do pes­so­as que acom­pa­nham a en­ti­da­de de per­to, o dirigente ado­tou a po­lí­ti­ca de re­pas­sar par­te dos re­cur­sos ar­re­ca­da­dos em es­ta­dos ri­cos pa­ra os mais po­bres.

A me­di­da in­te­ri­o­ri­zou ati­vi­da­des do Se­nac e do Sesc, mas tam­bém ga­ran­tiu apoio ex­pres­si­vo nas elei­ções em que ca­da fe­de­ra­ção tem um vo­to.

Quan­do Oliveira anun­ci­ou, há um ano, que de­sis­ti­ra de con­cor­rer, ar­ti­cu­la­ções pa­ra su­ce­dê-lo ga­nha­ram fô­le­go. Di­ri­gen­tes do Nor­te e do Nor­des­te se ar­ti­cu­la­ram em tor­no de Ta­dros, com apoio de ou­tras re­giões do país.

A ini­ci­a­ti­va foi ca­pi­ta­ne­a­da por Luiz Gas­tão Bit­ten­court, pre­si­den­te li­cen­ci­a­do da Fe­co­mer­cio Ce­a­rá e ho­je in­ter­ven­tor do Sesc e do Se­nac no Rio.

Bit­ten­court, que é da es­tri­ta con­fi­an­ça de Oliveira, es­tá no Rio de Ja­nei­ro des­de a pri­são do ex-pre­si­den­te da fe­de­ra­ção flu­mi­nen­se Or­lan­do Di­niz, acu­sa­do de cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro na La­va Ja­to por su­as co­ne­xões com o ex-go­ver­na­dor Sér­gio Ca­bral (MDB).

Mas um gru­po de di­ri­gen­tes se sen­tiu frus­tra­do em su­as am­bi­ções de se can­di­da­tar e re­sol­veu cri­ar uma cha­pa de opo­si­ção —um dos mem­bros mais ati­vos é o de­pu­ta­do Laér­cio Oliveira, pre­si­den­te da Fe­co­mer­cio Ser­gi­pe. Al­me­jou ser pre­si­den­te da CNC, mas aca­bou se ali­an­do a San­ta­na.

“A cha­pa da si­tu­a­ção não re­pre­sen­ta ne­nhu­ma mu­dan­ça, e a CNC pre­ci­sa de renovação. Mi­nha pro­pos­ta é qua­tro anos de man­da­to e uma re­e­lei­ção —oi­to anos no má­xi­mo”, dis­se San­ta­na, que co­man­da a Fe­co­mer­cio DF há 18 anos.

Ele diz que se man­te­ve por tan­to tempo no car­go por­que não ocor­ri­am mu­dan­ças na con­fe­de­ra­ção.

Com chan­ce re­du­zi­da no plei­to, a opo­si­ção já re­gis­trou di­ver­sos pe­di­do de im­pug­na­ção de mem­bros da si­tu­a­ção, ale­gan­do que não têm re­pu­ta­ção ili­ba­da. Se per­de­rem, co­gi­tam en­trar na Jus­ti­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.