Mú­si­ca am­bi­en­te do me­trô cria en­fu­re­ci­dos e re­la­xa­dos

Após 1 mês, SP pla­ne­ja ex­pan­dir pro­je­to em es­ta­ções de for­ma pro­gres­si­va

Folha De S.Paulo - - Cotidiano - Ma­ri­na Es­tar­que

No tra­je­to de me­trô pa­ra ca­sa, a psi­ca­na­lis­ta Selma Boaventura, 38, acom­pa­nha­va, can­ta­ro­lan­do, a mú­si­ca que saía dos al­to-fa­lan­tes do va­gão. A me­lo­dia lhe tra­zia bo­as lem­bran­ças e uma sen­sa­ção de re­la­xa­men­to.

Em ou­tro va­gão, na li­nha azul, a es­tu­dan­te de di­rei­to Tai­na­ra Ste­fany, 23, res­mun­ga­va pa­ra a ami­ga: “Es­sa mu­si­qui­nha vai fi­car na mi­nha ca­be­ça a noi­te to­da!”. “Nin­guém me­re­ce!”, res­pon­deu a co­le­ga.

A mú­si­ca am­bi­en­te tem sus­ci­ta­do re­a­ções va­ri­a­das um mês de­pois do pro­je­to, ini­ci­a­do pe­lo Me­trô em 6 de ju­lho. Há usuá­ri­os en­fu­re­ci­dos, ou­tros fe­li­zes da vi­da e aque­les que nem no­ta­ram a mu­dan­ça. “Mú­si­ca? Nun­ca ti­nha re­pa­ra­do. Sem­pre vou de fo­ne de ou­vi­do”, diz a ven­de­do­ra Ales­san­dra Apa­re­ci­da, 23.

Se­gun­do o Me­trô, o pro­je­to, im­ple­men­ta­do de for­ma pro­gres­si­va e em fa­se de tes­tes, de­ve che­gar a 55 es­ta­ções e 142 trens, das li­nhas 1, 2 e 3.

O cus­to é de cer­ca de R$ 35 mil men­sais, pa­gos à agên­cia CC&P, que pres­ta o ser­vi­ço —des­te to­tal, R$ 10,6 mil são pa­ra di­rei­tos au­to­rais.

A play­list tem 200 mú­si­cas, com es­ti­los co­mo jazz, bos­sa no­va e sam­ba, e cos­tu­ma ser su­a­ve, ain­da que a per­cep­ção do vo­lu­me va­rie de acor­do com o trem, a lo­ta­ção e a ca­pa­ci­da­de au­di­ti­va do usuá­rio.

“Ado­ro, ti­nha que ser mais al­ta!”, pe­de en­tu­si­as­ma­da a apo­sen­ta­da Car­mem de Je­sus, 80. Já An­to­nio dos Santos, 66, re­cla­ma: “O vo­lu­me es­tá des­pro­por­ci­o­nal”.

Ain­da as­sim, pa­ra o ven­de­dor, a mú­si­ca aju­da “a ali­vi­ar a ten­são”. O po­li­ci­al Evan­dro Li­ma, 45, que vol­ta far­da­do de um dia de tra­ba­lho can­sa­ti­vo, con­cor­da: “Gos­tei, acal­ma”.

Além do vo­lu­me, o re­per­tó­rio é con­tro­ver­so. Tai­na­ra acha que as mú­si­cas são sem­pre iguais. “Pa­re­ce lo­ja de shop­ping.Éhor­rí­vel”,diz.“Mú­si­ca de ele­va­dor” e “tran­qui­la de­mais” são crí­ti­cas co­muns.

Pa­ra aman­tes de mú­si­ca clás­si­ca, um gê­ne­ro re­cor­ren­te, a vi­a­gem é um de­lei­te. “Cur­ti mui­to”, diz o es­tu­dan­te Igor de Mo­ra­es, 14, que to­ca vi­o­li­no.

Por ou­tro la­do, em um am­bi­en­te já ba­ru­lhen­to, mui­tos usuá­ri­os afir­mam que a mú­si­ca é só mais um ruí­do. “É mui­ta po­lui­ção so­no­ra”, diz a se­cre­tá­ria Shei­la Ri­bei­ro, 35.

Al­guns pas­sa­gei­ros que gos­tam de ler sen­tem di­fi­cul­da­des de se con­cen­trar. “É a úni­ca ho­ra que te­nho pa­ra es­tu­dar. Is­so ti­ra a aten­ção”, diz o ad­vo­ga­do Fran­cis­co Fer­nan­do, 43.

Se­gun­do psi­có­lo­gos, a mú­si­ca tem efei­tos va­ri­a­dos, que de­pen­dem do es­ti­lo, do vo­lu­me, da pes­soa e até do hu­mor do dia. “Quan­do a pes­soa es­tá es­tres­sa­da, um ruí­do adi­ci­o­nal po­de ser um des­gas­te. Tem gen­te que odeia mú­si­ca de re­la­xa­men­to”, afir­ma a psi­có­lo­ga Ana Ma­ria Ros­si, da In­ter­na­ti­o­nal Stress Ma­na­ge­ment As­so­ci­a­ti­on.

O psi­qui­a­tra do Hos­pi­tal das Clí­ni­cas El­ko Pe­ris­si­not­ti, es­pe­ci­a­lis­ta em es­tres­se e des­gas­te pro­fis­si­o­nal, afir­ma que não há es­tu­dos com­pro­ba­tó­ri­os de que a mú­si­ca em meios de trans­por­te te­nha be­ne­fí­ci­os. “Pa­re­ce pal­pi­te do me­trô.”

Es­pe­ci­a­lis­tas ava­li­am que o Me­trô po­de ter re­cor­ri­do à mú­si­ca pa­ra aba­far ruí­dos, já que in­ter­ven­ções pa­ra me­lho­rar a acús­ti­ca se­ri­am ca­ras.

“Pre­ci­sa­ria mu­dar o con­ta­to da ro­da com o tri­lho, o per­fil do tri­lho... Se­ria com­ple­xo. Os ruí­dos da má­qui­na e do des­lo­ca­men­to do ar cau­sa­do pe­lo trem são al­tos mes­mo”, diz o fí­si­co Mar­ce­lo Aqui­li­no, do La­bo­ra­tó­rio de Con­for­to Am­bi­en­tal do IPT (Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sas Tec­no­ló­gi­cas).

No en­tan­to, se­gun­do o ar­qui­te­to Marcos Holtz, da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra pa­ra a Qua­li­da­de Acús­ti­ca, a téc­ni­ca de dis­far­çar ruí­dos com sons harmô­ni­cos não fun­ci­o­na bem no me­trô. “É um lo­cal ba­ru­lhen­to. A mú­si­ca pre­ci­sa ser mui­to al­ta e aca­ba sen­do in­va­si­va.”

A as­so­ci­a­ção des­co­nhe­ce ini­ci­a­ti­vas pa­re­ci­das em ou­tros me­trôs do mun­do. “A pes­soa é obri­ga­da a es­cu­tar a mú­si­ca o per­cur­so to­do. Is­so en­fu­re­ce. O fa­to de ser oni­pre­sen­te é per­tur­ba­dor”, diz.

Pro­cu­ra­do, o Me­trô, li­ga­do à ges­tão Már­cio Fran­ça (PSB), afir­mou que acom­pa­nha a opinião dos usuá­ri­os. “[O Me­trô] cons­ta­ta em pes­qui­sas que aque­les que têm al­gu­ma po­si­ção, po­si­ti­va, neutra ou ne­ga­ti­va so­bre o te­ma for­mam um con­tin­gen­te mí­ni­mo”, dis­se.

“Se ‘es­pe­ci­a­lis­tas’ afir­mam que não há es­tu­dos que com­pro­vem o re­la­xa­men­to tra­zi­do pe­la mú­si­ca, [...] en­tão nin­guém po­de ser con­si­de­ra­do es­pe­ci­a­lis­ta no as­sun­to —e co­lo­car mú­si­ca no am­bi­en­te é tão so­men­te ques­tão de li­be­ra­li­da­de da em­pre­sa, o que va­le pa­ra con­sul­tó­ri­os, ele­va­do­res, sa­las de es­pe­ra e trans­por­te pú­bli­co, co­mo o me­trô.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.