Tou­ros mi­li­o­ná­ri­os fa­zem até acu­pun­tu­ra em SP

Téc­ni­ca é usa­da pa­ra pre­pa­rar ani­mais pa­ra fes­tas co­mo a de Bar­re­tos; en­ti­da­des ques­ti­o­nam maus-tra­tos em ro­dei­os

Folha De S.Paulo - - Cotidiano - Mar­ce­lo To­le­do

Cal­ma­men­te, o pa­ci­en­te re­ce­be agu­lhas no cor­po e, em se­gui­da, pas­sa por uma ses­são que in­clui a quei­ma de er­vas pa­ra com­ple­men­tar a acu­pun­tu­ra. To­das as se­ma­nas es­se pa­ci­en­te, o touro Ki­ron, é sub­me­ti­do ao tra­ta­men­to nu­ma fa­zen­da por seu ve­te­ri­ná­rio, com o ob­je­ti­vo de se re­cu­pe­rar e es­tar ap­to a vol­tar às are­nas de ro­deio do país.

A téc­ni­ca, que pas­sou a ser im­plan­ta­da na com­pa­nhia de ro­dei­os do tro­pei­ro Pau­lo Emi­lio Mar­ques (que foi do­no do len­dá­rio touro Ban­di­do), é uma das me­di­das que es­tão sen­do usa­das por do­nos de boi­a­das pa­ra pre­pa­rar ou re­cu­pe­rar me­lhor seus ani­mais pa­ra even­tos co­mo a Fes­ta do Peão de Boi­a­dei­ro de Bar­re­tos, que co­me­ça na pró­xi­ma quin­ta-fei­ra (16).

As ações in­clu­em ve­te­ri­ná­ri­os dis­po­ní­veis 24 h por dia, car­ga diá­ria de exer­cí­ci­os pa­ra es­ti­mu­lar pu­lo e po­tên­cia, ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da, exa­mes de san­gue e de en­zi­mas a ca­da dois me­ses e aper­fei­ço­a­men­to ge­né­ti­co. Há tou­ros, co­mo o Bi­po­lar, que che­gam a pe­sar 1.100 kg e há dois anos não são ba­ti­dos por peões.

As téc­ni­cas são usa­das pe­las prin­ci­pais com­pa­nhi­as de ro­deio co­mo ar­gu­men­to contra as crí­ti­cas re­ce­bi­das por fes­tas de peão de co­me­te­rem maus­tra­tos com os ani­mais. Nes­te ano, a Fo­lha fla­grou pro­ble­mas do ti­po em três ro­dei­os.

Na fa­zen­da de Pau­lo Emi­lio em Icém (SP), o uso da acu­pun­tu­ra tem fei­to os ani­mais

“Não tem co­mo a gen­te fa­zer o ani­mal pu­lar se não ti­ver ín­do­le. É igual can­tor ser­ta­ne­jo, que só can­ta por­que tem o dom” Mar­con­des Maia Santos tro­pei­ro

res­pon­de­rem mais ra­pi­da­men­te em com­pa­ra­ção a tra­ta­men­tos con­ven­ci­o­nais, com an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os e an­ti­bió­ti­cos, se­gun­do o ve­te­ri­ná­rio Bruno For­ni­ta­no Chol­fe, 36.

“As van­ta­gens são re­du­zir gas­tos, evi­tar que o ani­mal se­ja sub­me­ti­do a re­mé­di­os e ace­le­rar a re­cu­pe­ra­ção”, dis­se Chol­fe, que é pro­fes­sor da Unirp (cen­tro uni­ver­si­tá­rio) e in­te­gra uma equi­pe com ou­tros três do­cen­tes e dez residentes que pres­tam aten­di­men­to a ani­mais da fa­zen­da.

No mes­tra­do e dou­to­ra­do, es­tu­dou mais de 200 exa­mes de raio-x de ani­mais e dis­se que a mai­o­ria das le­sões ocor­re em bri­gas, não em ro­dei­os. “Touro de ro­deio tem me­nos le­sões do que va­cas lei­tei­ras.”

O cus­to men­sal com ma- nu­ten­ção dos ani­mais che­ga a R$ 450, se­gun­do Pau­lo Mu­la­to, que ge­ren­cia a fa­zen­da, atua com tou­ros há 30 anos e ava­lia que al­guns ani­mais do plan­tel têm va­lo­res de mer­ca­do de até R$ 400 mil. Bi­po­lar é ca­so à par­te: tro­pei­ros ava­li­am seu pre­ço em R$ 2 mi­lhões.

Os tou­ros são sub­me­ti­dos tam­bém ao re­don­del ele­trô­ni­co —es­pé­cie de es­tei­ra em que são co­lo­ca­dos na pis­ta de areia e os tra­ta­do­res pro­gra­mam tempo e ve­lo­ci­da­de pa­ra ca­da ani­mal.

Do­no de uma fá­bri­ca de ra­ção, o tro­pei­ro Mar­con­des Maia Santos, de Uchôa (SP), de­sen­vol­veu ali­men­ta­ções es­pe­cí­fi­cas pa­ra tou­ros juvenis e adul­tos e in­ves­te em ge­né­ti­ca ani­mal des­de 2014.

Na fa­zen­da, além da ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da pa­ra 60 ani­mais, tem uma are­na pró­pria, la­bo­ra­tó­rio pa­ra aná­li­se de pe­que­nas con­tu­sões, far­má­cia, zo­o­tec­nis­ta e ve­te­ri­ná­rio 24 h.

Ele re­ce­beu pro­pos­ta pa­ra ven­der por R$ 1 mi­lhão o touro Fas­ci­nan­te, mas re­cu­sou. “Fiz uma ven­da re­cen­te de cer­ca de R$ 500 mil, mas nin­guém vai con­se­guir in­ves­tir es­pe­ran­do um re­tor­no des­ses.”

Ape­sar de in­ves­tir em ge­né­ti­ca, dis­se que o país ain­da en­ga­ti­nha nes­se seg­men­to. “Não tem co­mo a gen­te fa­zer o ani­mal pu­lar se não ti­ver ín­do­le. É igual can­tor ser­ta­ne­jo, que só can­ta por­que tem o dom.”

Os ani­mais dos dois tro­pei­ros se­rão al­guns dos usa­dos en­tre os di­as 16 e 26 na Fes­ta do Peão de Bar­re­tos, a prin­ci­pal do país, em sua 63ª edi­ção. A pre­vi­são é re­ce­ber até 1 mi­lhão de vi­si­tan­tes, pa­ra mais de cem shows e qua­tro dis­pu­tas de mon­ta­ri­as em tou­ros.

Chol­fe, Mu­la­to e Santos ado­tam ar­gu­men­tos se­me­lhan­tes em re­la­ção ao tra­ta­men­to a ani­mais em ro­dei­os pro­fis­si­o­nais. “Gos­to mais de boi do que de gen­te, conheço ca­da um pe­lo no­me. Se hou­ves­se maus-tra­tos, se­ria o pri­mei­ro a ir em­bo­ra”, afir­ma Mu­la­to.

Em três pe­que­nos ro­dei­os dis­pu­ta­dos em ci­da­des do in­te­ri­or pau­lis­ta, a Fo­lha en­con­trou nes­te ano ani­mais sen­do con­du­zi­dos com chu­tes ou ex­pos­tos a som mui­to al­to. Além dis­so, al­guns aguar­da­ram seis ho­ras pa­ra se­rem usa­dos em mon­ta­ri­as, em cur­rais aper­ta­dos sem ra­ção ou água.

En­ti­da­des co­mo a ONG Amor de Bi­cho Não Tem Pre­ço e o PEA (Pro­je­to Es­pe­ran­ça Ani­mal) apon­tam tam­bém o uso do se­dém —cin­ta de lã que pas­sa pe­la vi­ri­lha do ani­mal— co­mo um meio de tor­tu­ra contra os ani­mais. Marcos Abud, di­re­tor de ro­deio de Os In­de­pen­den­tes, con­tes­ta.

“Dis­se­mi­nam su­po­si­ções, co­mo a ques­tão do se­dém, que é a mais po­lê­mi­ca. Es­tá com­pro­va­do, e to­dos os es­tu­dos que te­mos in­di­cam is­so cla­ra­men­te, in­cluin­do pes­qui­sas vin­cu­la­das a gran­des en­ti­da­des co­mo a Unesp, que o se­dém não aper­ta os tes­tí­cu­los do ani­mal”, afir­ma Abud. e uma em trei­na­men­to.

É o que tem fei­to o peão ca­pi­xa­ba Rô­mu­lo Ma­cha­do, 23, que há qua­tro anos dis­pu­ta a pro­va de mon­ta­ria em tou­ros.

Dis­pu­ta­rá pe­la pri­mei­ra vez o ro­deio de Bar­re­tos (que dis­tri­bui cer­ca de R$ 1 mi­lhão nas pro­vas no es­tá­dio) e sua pre­pa­ra­ção in­clui 7 km diá­ri­os de cor­ri­da e aca­de­mia pa­ra for­ta­le­ci­men­to mus­cu­lar. “Aqui che­guei a mon­tar tou­ros de 800 kg, mas tam­bém mon­tei de 400 kg. Em São Pau­lo eles são mais pe­sa­dos e pe­ri­go­sos.”

Tou­ros usa­dos nos prin­ci­pais ro­dei­os cos­tu­mam pe­sar de 800 kg a 1 to­ne­la­da.

Tam­bém pa­ra se pre­pa­rar me­lhor pa­ra en­fren­tar os tou­ros, o peão Alex Cer­quei­ra, 25, mon­tou aca­de­mia em sua ca­sa, trei­na to­dos os di­as e faz acom­pa­nha­men­to com um per­so­nal trai­ner em São José do Rio Pre­to, prin­ci­pal­men­te quan­do so­fre al­gu­ma le­são.

“Vi com­pe­ti­do­res dos Es­ta­dos Uni­dos fa­zen­do is­so e acho que o cor­po da gen­te de­pen­de de es­tar pre­pa­ra­do pa­ra en­fren­tar os tou­ros. É a mi­nha fer­ra­men­ta de tra­ba­lho”, dis­se o peão de No­va Ali­an­ça (SP), que com­pe­te há seis anos pro­fis­si­o­nal­men­te.

Fo­tos Pi­er­re Du­ar­te/Fo­lha­press

O ve­te­ri­ná­rio Bruno For­ni­ta­no Chol­fe, 36, faz tra­ta­men­to com agu­lhas em touro de uma fa­zen­da em Icém (SP)

Manuel Al­ba­la­de­jo - 10.ago.18/Ins­ti­tu­to Ar­go­nau­ta

GRU­PO DE ORCAS É AVISTADO EM PRAI­AS DE ILHABELA (SP) En­tre se­te e oi­to ani­mais da fa­mí­lia dos gol­fi­nhos fo­ram vis­tos na tar­de de sex­ta (10) no li­to­ral nor­te, e quan­ti­da­de sur­pre­en­de pes­qui­sa­do­res des­de ju­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.