Con­cor­rên­cia por stre­a­ming fica mais acir­ra­da no país

Net­flix faz se­te anos no país e ga­nha con­cor­rên­cia no ter­ri­tó­rio do stre­a­ming

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Nel­son de Sá

Ao com­ple­tar se­te anos no Bra­sil, a Net­flix vê a con­cor­rên­cia no ter­ri­tó­rio do stre­a­ming cres­cer. No iní­cio do mês, Glo­bo­play, Ama­zon Pri­me Vi­deo e o ser­vi­ço on­li­ne Now, li­ga­do à ope­ra­do­ra de TV Net, pro­mo­ve­ram novas sé­ri­es es­tran­gei­ras.

Na pri­mei­ra se­ma­na de setembro, en­quan­to a Net­flix com­ple­ta­va se­te anos no país, três con­cor­ren­tes dis­pa­ra­ram campanhas pu­bli­ci­tá­ri­as si­mul­tâ­ne­as de novas sé­ri­es es­tran­gei­ras.

A Glo­bo­play lan­çou “The Go­od Doc­tor”, a sua mai­or atra­ção em qua­se três anos de stre­a­ming. A Ama­zon Pri­me Vi­deo saiu com a estreia mun­di­al de “Jack Ryan”, e o ser­vi­ço on­li­ne Now, li­ga­do à ope­ra­do­ra de TV paga Net, apos­tou em “The Hand­maid’s Ta­le” (O Con­to da Aia).

Nes­ta se­ma­na, a Net­flix pas­sou a dividir os mesmos es­pa­ços pu­bli­ci­tá­ri­os com anún­ci­os da sé­rie “Ma­ni­ac”, que estreia no pró­xi­mo dia 21.

O stre­a­ming ou SVOD (ví­deo por de­man­da com as­si­na­tu­ra, na si­gla em in­glês) ago­ra é ter­ri­tó­rio dis­pu­ta­do também no Bra­sil. Até a Re­cord tem seu apli­ca­ti­vo, lan­ça­do há um mês, o PlayP­lus.

De acor­do com o con­sul­tor bri­tâ­ni­co Guy Bis­son, da Am­pe­re Analy­tics, es­se é “um gran­de fenô­me­no” já observado em di­ver­sos ou­tros mer­ca­dos, ape­li­da­do de “stac­king” ou em­pi­lha­men­to.

“Con­for­me cres­ce mais e mais a ofer­ta, con­for­me os gru­pos lo­cais for­ta­le­cem os seus ca­tá­lo­gos, você vê os do­mi­cí­li­os agru­pan­do ser­vi­ços, fa­zen­do os seus pró­pri­os pa­co­tes de te­le­vi­são”, diz ele.

Além da Ama­zon, que se­gue o rastro glo­bal da Net­flix, também se es­ta­be­le­ce­ram ser­vi­ços de âm­bi­to na­ci­o­nal co­mo o Hulu nos Es­ta­dos Uni­dos, o Max­do­me na Alemanha e o In­fi­nity na Itá­lia, to­dos li­ga­dos a gru­pos de te­le­vi­são.

Bis­son pre­vê que o mes­mo acon­te­ça, “com cer­te­za”, em mer­ca­dos emer­gen­tes co­mo o Bra­sil. “Ve­mos con­cor­rên­cia for­te on­de exis­tem, por trás do ser­vi­ço de SVOD, emis­so­ras for­tes de te­le­vi­são, com acesso a con­teú­do lo­cal.”

a te­le­vi­são invertida No Bra­sil, a aposta mais al­ta na con­cor­rên­cia com a Net­flix es­tá sen­do fei­ta pe­la Glo­bo­play. Em janeiro, o Gru­po Glo­bo re­fez to­da a sua es­tra­té­gia, des­lo­can­do o exe­cu­ti­vo João Mes­qui­ta para con­cen­trar as di­fe­ren­tes ini­ci­a­ti­vas em stre­a­ming.

Até en­tão a Glo­bo­play era “uma fer­ra­men­ta pu­ra­men­te de ‘cat­ch up’ da gra­de da TV Glo­bo”, ou de re­cu­pe­ra­ção da pro­gra­ma­ção li­ne­ar, se­gun­do Mes­qui­ta, e “o gru­po de­ci­diu apos­tar ne­la co­mo pon­to de par­ti­da para um SVOD, mas numa óti­ca mais agres­si­va que a tra­di­ci­o­nal”.

O lan­ça­men­to da sé­rie “The Go­od Doc­tor” na pla­ta­for­ma, mar­can­do o iní­cio do novo pro­je­to for­ma­ta­do ao lon­go do pri­mei­ro se­mes­tre, foi pre­ce­di­do pro­mo­ci­o­nal­men­te pe­la trans­mis­são dos dois pri­mei­ros epi­só­di­os na no­va ses­são de fil­mes da TV Glo­bo, de­no­mi­na­da Glo­bo­play.

Pa­ra­le­la­men­te, ago­ra com ca­tá­lo­go mai­or e pro­du­ções es­tran­gei­ras, o ser­vi­ço já avi­sou aos as­si­nan­tes do au­men­to da men­sa­li­da­de, de R$ 15,90 para R$ 18,90, mais perto dos R$ 19,90 da Net­flix.

Um dos mai­o­res de­sa­fi­os da Glo­bo­play, para Mes­qui­ta, se­rá ago­ra “con­ven­cer o con­su­mi­dor bra­si­lei­ro de que se tra­ta de um ser­vi­ço pe­lo qual va­le a pe­na pa­gar, para ver con­teú­dos ex­clu­si­vos”.

Também qua­se ao mes­mo tem­po, o gru­po anun­ci­ou a cri­a­ção de uma uni­da­de de “in­te­li­gên­cia digital” para ad­mi­nis­trar os da­dos de cli­en­tes de to­das as áre­as —com des­ta­que pre­ci­sa­men­te para os 20 mi­lhões de usuá­ri­os úni­cos que a Glo­bo­play te­ria re­gis­tra­do em ju­lho.

No co­man­do da no­va uni­da­de, entrou Edu­ar­do Scha­ef­fer, ex-diretor-ge­ral da pla­ta­for­ma Zap. Há três se­ma­nas, num even­to pú­bli­co em São Paulo, ele de­ta­lhou estar bus­can­do uma “gran­de trans­for­ma­ção” para o gru­po co­mo um to­do, “por­que os con­cor­ren­tes mu­da­ram”.

Ago­ra eles são “empresas de tec­no­lo­gia que atu­am no ambiente de mí­dia e con­se­guem gran­de su­ces­so, por­que têm mo­de­los de ne­gó­cio com­pe­ti­ti­vos”. Sua ta­re­fa se­rá mos­trar “co­mo usar da­dos para che­gar a quem in­te­res­sa”, aos usuá­ri­os do gru­po, co­mo fa­zem os con­cor­ren­tes tão bem-su­ce­di­dos.

E o seu prin­ci­pal trun­fo, acres­cen­tou, é ser “a em­pre­sa pri­va­da com a mai­or abran­gên­cia do Bra­sil, per­den­do even­tu­al­men­te ape­nas para os Correios, em número de cidadãos im­pac­ta­dos”.

Mes­qui­ta, fa­lan­do an­tes do lan­ça­men­to de “The Go­od Doc­tor”, re­fe­riu-se aos 20 mi­lhões de usuá­ri­os da Glo­bo­play —por en­quan­to vol­ta­dos na mai­o­ria ao “cat­ch up”, sem pre­ci­sar as­si­nar, só ca­das­trar— no­va­men­te co­mo um pon­to de par­ti­da.

Seu tra­ba­lho se­rá ago­ra “con­ven­cê-los a pa­gar al­guns re­ais para as­sis­tir ao res­to do con­teú­do que nós va­mos dis­po­ni­bi­li­zar”.

Ele pro­je­ta um ca­tá­lo­go ex­ten­so, com pro­du­ções pró­pri­as do gru­po, co­mo a sé­rie “Além da Ilha” re­a­li­za­da pe­lo Mul­tishow e mais po­pu­lar, com o co­me­di­an­te Paulo Gus­ta­vo, jun­to àque­las que es­tão sen­do ad­qui­ri­das no ex­te­ri­or, co­mo “The Go­od Doc­tor”, des­ta­que entre as sé­ri­es lan­ça­das em 2017 nos Es­ta­dos Uni­dos.

A ideia não é ti­rar sé­ri­es da Glo­bo­sat ou fil­mes do Te­le­ci­ne, que são empresas do mes­mo gru­po, mas con­tra­tar ou “pro­du­zir coi­sas novas”.

O con­sul­tor Guy Bis­son, qu­es­ti­o­na­do so­bre as pers­pec­ti­vas de êxi­to para es­sa trans­for­ma­ção da Glo­bo­play, dis­se que “tu­do vai de­pen­der de con­se­guir as par­ce­ri­as de con­teú­do, em especial o acesso ao con­teú­do lo­cal”.

Aler­tou que, em mer­ca­dos eu­ro­peus e ou­tros, o pri­mei­ro ser­vi­ço a fa­zer al­gu­ma som- bra para a Net­flix tem si­do mes­mo a Ama­zon. E que am­bas têm pri­o­ri­za­do con­teú­do lo­cal para se des­ta­ca­rem.

“O Bra­sil tem si­do um dos prin­ci­pais campos para o que vem sen­do chamado de ‘glo­ba­li­za­ção lo­ca­li­za­da’: pro­du­zir con­teú­do em lín­gua lo­cal, mas com ape­lo glo­bal”, a ser usa­do também em ou­tros mer­ca­dos, com su­ces­so.

Por ou­tro lado, su­bli­nhou Bis­son, a disputa cres­cen­te e o fenô­me­no do em­pi­lha­men­to, tan­to com a Ama­zon qu­an­to com os ser­vi­ços na­ci­o­nais, têm for­ça­do a Net­flix a re­ju­ve­nes­cer o seu ca­tá­lo­go. No Bra­sil, hoje, mais de me­ta­de dos tí­tu­los ofe­re­ci­dos pe­la pla­ta­for­ma tem me­nos de dois anos.

Em ge­ral um de­fen­sor de co­pro­du­ções entre as TVs lo­cais e os dois ser­vi­ços mul­ti­na­ci­o­nais, co­mo faz a BBC, ele diz que o ca­so da Glo­bo, que há se­te anos se re­cu­sa a li­cen­ci­ar con­teú­do, é ex­ce­ção —e pode aju­dar ago­ra, qu­an­do ela par­te para o con­fron­to com a Net­flix e a Ama­zon.

Jeff Wed­dell/ABC/Di­vul­ga­ção

Sé­rie ‘The Go­od Doc­tor’ é aposta da Glo­bo para atrair as­si­nan­tes para sua pla­ta­for­ma de vídeos sob de­man­da, a Glo­bo­play

Di­vul­ga­ção

A Ama­zon Pri­me Vi­deo ten­ta en­trar na disputa pe­lo pú­bli­co bra­si­lei­ro com a estreia mun­di­al da sé­rie ‘Jack Ryan’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.