Au­to­res ana­li­sam o efei­to do au­men­to da be­li­co­si­da­de na sociedade brasileira

Fa­bio Gi­am­bi­a­gi e Paulo Taf­ner re­fle­tem so­bre os ris­cos do acir­ra­men­tro do dis­sen­so

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Por Fa­bio Gi­am­bi­a­gi e Paulo Taf­ner Fa­bio Gi­am­bi­a­gi, eco­no­mis­ta, é au­tor de di­ver­sos livros so­bre economia brasileira e es­pe­ci­a­lis­ta em finanças públicas; Paulo Taf­ner ė eco­no­mis­ta e pes­qui­sa­dor da Fi­pe/USP Ilus­tra­ção Alex Kidd Ar­tis­ta grá­fi­co

A crise das de­mo­cra­ci­as vem sen­do co­men­ta­da há mui­tos anos, e fenô­me­nos co­mo o acir­ra­men­to das ten­sões nos EUA de Donald Trump; o for­ta­le­ci­men­to de regimes de viés au­to­ri­tá­rio em paí­ses co­mo Rússia, Hun­gria ou Fi­li­pi­nas; ou os re­cor­ren­tes pro­ble­mas so­ci­ais na Amé­ri­ca La­ti­na, fizeram re­cru­des­cer es­se ti­po de re­fle­xão.

Uma análise mais pro­fun­da do te­ma mos­tra­rá que são si­tu­a­ções di­fe­ren­tes. De um lado, os EUA di­fi­cil­men­te dei­xa­rão de ter o sis­te­ma de “checks and ba­lan­ces” que mar­ca es­se país há cer­ca de 250 anos. De ou­tro, nem Fi­li­pi­nas, nem Hun­gria nem muito me­nos a Rússia têm um passado ex­pres­si­vo de de­mo­cra­cia a ser de­fen­di­do, uma vez que regimes de for­ça es­ti­ve­ram pre­sen­tes em boa par­te do sé­cu­lo 20.

Qu­an­to à Amé­ri­ca La­ti­na, as si­tu­a­ções são muito dís­pa­res. Vão desde as sau­dá­veis prá­ti­cas de­mo­crá­ti­cas de Chi­le, Uru­guai e Colôm­bia, até a tra­gé­dia ve­ne­zu­e­la­na —e ago­ra também a ni­ca­ra­guen­se.

Aqui no Bra­sil, não es­ta­mos li­dan­do com um sen­ti­men­to, co­mo dizem os fran­ce­ses, de “ma­lai­se” ou da tão argentina mu­fa que com frequên­cia afe­ta o humor dos “her­ma­nos”. Es­ta­mos fa­lan­do de al­go muito con­cre­to: o que se­rá de nós no res­to de nos­sas vidas?

Con­cre­ta­men­te, de uma dú­vi­da que pas­sou a fre­quen­tar a men­te —o que te­mos ver­go­nha de pen­sar— sem que se­ja di­to a não ser em sus­sur­ros: nos­sa de­mo­cra­cia tem sal­va­ção? Ou, co­lo­can­do as ques­tões de ou­tra for­ma: ela me­re­ce ser sal­va? Há mui­ta gen­te que co­me­ça a sus­pei­tar que não. E is­so é pro­fun­da­men­te gra­ve.

A ba­se da so­bre­vi­vên­cia de uma de­mo­cra­cia é a le­gi­ti­mi­da­de do elei­to. A ta­xa de par­ti­ci­pa­ção nas elei­ções nos EUA pode ser bai­xa, mas nenhum ame­ri­ca­no sai­rá por aí a de­fen­der que um pu­nha­do de tan­ques aden­tre pe­la Casa Branca para de­por o presidente, quem quer que se­ja ele. Os bri­tâ­ni­cos po­dem não estar muito felizes com seus úl­ti­mos go­ver­nos, mas a nin­guém pas­sa pe­la ca­be­ça que o ocu­pan­te de Dow­ning Street se­ja ou­tro que não um par­la­men­tar es­co­lhi­do pe­lo mes­mo sis­te­ma que le­vou à es­co­lha dos go­ver­nan­tes da Grã-Bretanha nos úl­ti­mos sé­cu­los.

Em con­tra­po­si­ção a is­so, nós —e aqui ca­be o plu­ral, por­que foi uma cons­tru­ção co­le­ti­va— cri­a­mos no Bra­sil um sis­te­ma com uma combinação sin­gu­lar, que en­vol­ve qu­a­tro ca­rac­te­rís­ti­cas:

1) Uma de­mo­cra­cia com ins­ti­tui­ções que fun­ci­o­nam livremente e li­mi­tam bas­tan­te o po­der do presidente da Re­pú­bli­ca.

2) Um grau ex­tre­mo de frag­men­ta­ção po­lí­ti­ca, com mais de 30 par­ti­dos, dos quais 25 com re­pre­sen­ta­ção par­la­men­tar.

3) Sis­te­mas fa­lhos de con­tro­le, que prejudicam em de­ma­sia os bons ad­mi­nis­tra­do­res, mas não pre­vi­nem o Es­ta­do con­tra a má gestão. A su­ces­são de es­cân­da­los —sem­pre des­co­ber­tos a pos­te­ri­o­ri— é um exem­plo fla­gran­te dis­so, com a corrupção es­pa­lha­da entre to­dos os ní­veis e es­fe­ras de go­ver­no e em to­dos os gran­des par­ti­dos.

4) Uma exa­cer­ba­ção do dis­sen­so, em de­tri­men­to da prá­ti­ca do diá­lo­go com vis­tas à cons­tru­ção de con­sen­sos.

No con­jun­to, o efei­to que a combinação des­ses qu­a­tro ele­men­tos exer­ce so­bre a vida co­ti­di­a­na é de­le­té­rio. A tra­gé­dia argentina de hoje tem su­as raí­zes nos anos 1970. Tal­vez a me­lhor in­di­ca­ção do grau de ra­di­ca­lis­mo da sociedade argentina na­que­les tem­pos fos­se o fa­to de que o hi­no da União Cí­vi­ca Ra­di­cal —o par­ti­do de cen­tro por ex­ce­lên­cia no país— dis­ses­se que a si­gla “se rom­pe, pe­ro no se do­bla” (se que­bra, mas não se do­bra), en­quan­to a candidata a ter­cei­ra legenda na época de Pe­rón, sob li­de­ran­ça de Os­car Alen­de, ti­ves­se co­mo no­me “Par­ti­do In­tran­si­gen­te”.

A ideia de que a po­lí­ti­ca de­ve ser o exercício da ri­gi­dez e da in­fle­xi­bi­li­da­de, pre­sen­te sim­bo­li­ca­men­te na­que­las pa­la­vras, ex­pli­ca muito do espírito ain­da tão pre­sen­te na Argentina. Há um fio condutor que leva dos con­fli­tos fra­ter­nais e san­gren­tos re­tra­ta­dos na obra de Os­val­do So­ri­a­no, na­que­les anos, às re­fle­xões amar­gas de um Ju­an Jo­sé Se­brel­li ou de um Jor­ge Fer­nán­dez Díaz nos dias de hoje.

Um Bra­sil sem con­ver­sa

No Bra­sil, mes­mo nos anos 1970, a con­ver­sa ci­vi­li­za­da que exis­tia entre cul­to­res do diá­lo­go, co­mo Cé­lio Bor­ja ou Nel­son Mar­che­zan, de um lado, e Tan­cre­do Ne­ves, Ulys­ses Guimarães ou Paulo Bros­sard, de ou­tro, ti­nha cor­res­pon­dên­cia nos mo­dos da sociedade.

Não ra­ras ve­zes, ba­ti­das le­ves de car­ro na zo­na sul na­que­la época aca­ba­vam co­mo con­ver­sas de ve­lhos ami­gos entre os mo­to­ris­tas en­vol­vi­dos no epi­só­dio. Es­se país per­ten­ce ao passado. Nos úl­ti­mos anos, o Bra­sil so­freu um pro­ces­so pro­fun­do de “ar­gen­ti­ni­za­ção” da po­lí­ti­ca e da sociedade. A cris­pa­ção é evi­den­te na rua, e, na po­lí­ti­ca, o ob­je­ti­vo pas­sou a ser a de­mo­ni­za­ção do ou­tro. O diá­lo­go bri­lha pe­la au­sên­cia.

Em cer­ta me­di­da, a re­a­li­da­de atu­al dá cer­to sa­bor de fracasso à nos­sa de­mo­cra­cia. Afi­nal, de­pois de anos de ar­bí­trio, a re­de­mo­cra­ti­za­ção pro­me­teu en­tre­gar jus­ti­ça so­ci­al, cres­ci­men­to econô­mi­co e um país com me­nos pri­vi­lé­gi­os e sem impunidade —en­fim uma sociedade mais jus­ta, mais ri­ca e me­nos de­si­gual. Foram fei­tos, é ver­da­de, avan­ços ins­ti­tu­ci­o­nais, mas o fa­to é que fi­ca­mos amar­ra­dos à ar­ma­di­lha do len­to cres­ci­men­to econô­mi­co e à in­ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção de uma de­mo­cra­cia mais subs­tan­ti­va.

Há, entre nós, a ní­ti­da per­cep­ção de que o país apre­sen­ta gra­ves pro­ble­mas de efi­ci­ên­cia e jus­ti­ça. Do pon­to de vis­ta da economia, des­ta­cam-se os re­du­zi­dos ní­veis de poupança e de in­ves­ti­men­to; a bai­xa pro­du­ti­vi­da­de; a enor­me in­for­ma­li­da­de da ati­vi­da­de em­pre­sa­ri­al e das relações de tra­ba­lho; os pre­cá­ri­os in­cen­ti­vos aos in­ves­ti­men­tos; o ain­da re­du­zi­do acesso ao crédito; e a in­jus­ta, ine­fi­ci­en­te e ele­va­da carga tributária, da ordem de 35% do PIB.

Sob a óti­ca da efi­ci­ên­cia so­ci­al, ape­sar de li­gei­ra melhora, a de­si­gual­da­de de ren­da per­ma­ne­ce bas­tan­te ele­va­da; te­mos ain­da trans­fe­rên­ci­as in­jus­ti­fi­cá­veis entre es­tra­tos de ren­da —se­ja pe­los enor­mes sub­sí­di­os ou pe­lo sis­te­ma de Pre­vi­dên­cia— e há in­su­fi­ci­en­te prestação de ser­vi­ços pú­bli­cos es­sen­ci­ais, co­mo educação, saú­de e jus­ti­ça, com uma pre­o­cu­pan­te eclo­são de violência urbana e cer­ta de­sa­gre­ga­ção da so­li­da­ri­e­da­de so­ci­al.

No cam­po ins­ti­tu­ci­o­nal, hou­ve me­lho­ras em al­gu­mas áre­as, mas o Bra­sil tem ain­da pro­ble­mas de to­da sor­te: nos­sas agências re­gu­la­do­ras foram cap­tu­ra­das por in­te­res­ses po­lí­ti­cos, par­ti­dá­ri­os e econô­mi­cos com no­me­a­ções que cons­tran­gem o cor­po téc­ni­co. Nos­so sis­te­ma partidário é mo­ti­vo de pi­a­da: te­mos três de­ze­nas de par­ti­dos e nin­guém se sen­te re­pre­sen­ta­do.

Nenhum dos “gi­gan­tes” tem mais de 12% da Câ­ma­ra e pou­co mais do Se­na­do. Além dis­so, ve­mos to­dos os dias bai­xa fi­de­li­da­de e tro­ca de le­gen­das, em fla­gran­te de­so­be­di­ên­cia à vontade ex­pres­sa nas ur­nas.

O Ju­di­ciá­rio não ga­ran­te acesso equâ­ni­me à Jus­ti­ça e mos­tra-se in­ca­paz de pro­te­ger di­rei­tos de pro­pri­e­da­de. A ine­fi­ci­ên­cia da Jus­ti­ça pro­vo­ca gran­des dis­tor­ções de acesso efe­ti­vo, pois fre­quen­te­men­te de­ses­ti­mu­la e pe­na­li­za os que de­la mais pre­ci­sam. Es­sa é a ra­zão pe­la qual se cris­ta­li­za em tor­no de­la um sen­ti­men­to ge­ne­ra­li­za­do de des­cren­ça.

Sem fa­zer a con­ten­to o que lhe ca­be, o Ju­di­ciá­rio tem se pau­ta­do di­ver­sas ve­zes ou por um vago “prin­cí­pio de jus­ti­ça so­ci­al” que des­res­pei­ta a le­gis­la­ção; ou pe­lo ím­pe­to le­gis­la­ti­vo, am­pli­an­do de mo­do in­de­vi­do sua com­pe­tên­cia cons­ti­tu­ci­o­nal.

Para pi­o­rar es­se qua­dro, anos de ir­res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal e po­pu­lis­mo pro­du­zi­ram um ce­ná­rio de­so­la­dor: mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos, mi­lha­res de empresas fe­cha­das e au­sên­cia de opor­tu­ni­da­des para os jo­vens — que cada dia mais, no ca­so da­que­les que po­dem, dei­xam o país em bus­ca de uma vida mais pro­mis­so­ra.

En­fim, a re­a­li­da­de re­for­ça di­a­ri­a­men­te a per­cep­ção do ci­da­dão co­mum de que nos­sa de­mo­cra­cia não tem pro­du­zi­do re­sul­ta­dos efe­ti­vos. E, qu­an­do se des­con­fia da de­mo­cra­cia, o ris­co é enor­me: a ra­di­ca­li­za­ção, o po­pu­lis­mo e a fal­ta de senso se­mei­am em ter­re­no fér­til.

O diá­lo­go é a me­lhor saí­da para to­da es­sa crise. Por quê? Por­que a chan­ce de a de­mo­cra­cia ace­nar ao país com um fu­tu­ro prós­pe­ro sem que ha­ja es­se en­ten­di­men­to é nu­la. Não somos os EUA, on­de mes­mo com um im­pas­se entre o Exe­cu­ti­vo e o Le­gis­la­ti­vo, o país pode andar sozinho por­que as ins­ti­tui­ções fun­ci­o­nam. Nem a Fran­ça, on­de Macron tem uma am­pla mai­o­ria que lhe per­mi­te pra­ti­ca­men­te apro­var o que qui­ser. Nem a Bélgica, que, mes­mo com um Con­gres­so muito di­vi­di­do, a ri­gor não pre­ci­sa apro­var ne­nhu­ma lei fundamental para que quem ali vi­ve con­ti­nue a to­car a vida com con­fi­an­ça.

“O que nos re­ser­va o fu­tu­ro?” Es­sa é a per­gun­ta que co­me­ça a ser for­mu­la­da cada vez mais e com mais an­gús­tia nos mais di­ver­sos lares do país.

Nas re­si­dên­ci­as de quem pode ter a chan­ce de mi­grar, por­que a re­fle­xão pode ser o pre­nún­cio de de­ci­sões di­fí­ceis, que po­dem dividir fa­mí­li­as, amar­gu­rar vidas, trun­car carreiras, des­fa­zer amores.

Na gran­de mai­o­ria dos que não têm es­sa al­ter­na­ti­va à mão, pe­la dis­si­pa­ção do pou­co de pre­vi­si­bi­li­da­de que a vida pa­re­cia re­ser­var a es­sas pes­so­as, subs­ti­tuí­da pe­lo me­do: do desemprego, do avil­ta­men­to das con­di­ções de vida, da pi­o­ra con­tí­nua do bem-estar, do sen­ti­men­to de fal­ta de jus­ti­ça.

Mes­mo com to­dos os nos­sos pro­ble­mas, que nun­ca foram pou­cos nem pe­que­nos, com to­da a carga de anal­fa­be­tis­mo no passado, de miséria etc., o Bra­sil foi uma ter­ra de pro­gres­so. O fi­lho do nor­des­ti­no anal­fa­be­to que veio para o Su­des­te em me­a­dos do sé­cu­lo passado te­ve acesso a cer­ta educação e deu ao avô um ne­to que hoje se­gue uma car­rei­ra téc­ni­ca que lhe per­mi­te ganhar R$ 2.500 ou R$ 3.000 por mês. O te­tra­ne­to de um es­cra­vo hoje pode ser um ad­vo­ga­do.

Mes­mo nas dé­ca­das di­fí­ceis pos­te­ri­o­res a 1980, hou­ve, em li­nhas ge­rais, pro­gres­so. Quem ga­nha­va sa­lá­rio mí­ni­mo em 1990 aos 20 anos hoje tem uma fi­lha que ga­nha dois salários mínimos em um con­tex­to em que a re­mu­ne­ra­ção tem um po­der aqui­si­ti­vo de duas ve­zes e meia o que ti­nha no passado.

Hoje, po­rém, qu­an­do es­sa fi­lha ten­ta ver o fu­tu­ro, mais do que al­go tris­te, en­xer­ga al­go feio, ruim —ou, pi­or, não en­xer­ga na­da.

Um cor­po do­en­te

“O que nos re­ser­va o fu­tu­ro?” Ten­te­mos es­tres­sar es­se ra­ci­o­cí­nio. Sa­be­mos o que era a Venezuela em 1998: um país nor­mal, em al­guns as­pec­tos mais avançado do que o nos­so, com uma classe mé­dia ex­pres­si­va, on­de as pes­so­as fa­zi­am seus planos, ti­nham seus so­nhos, to­ca­vam a vida.

Hoje é um país em que fal­ta tu­do, com uma in­fla­ção des­con­tro­la­da, on­de a po­pu­la­ção li­te­ral­men­te ema­gre­ceu em to­das as clas­ses so­ci­ais pe­las di­fi­cul­da­des da vida co­ti­di­a­na e com ní­veis de violência al­tís­si­mos. Mi­lhões mi­gra­ram, sem es­pe­ran­ças.

Não se che­gou a is­so da noi­te para o dia —e sim co­mo resultado de um po­pu­lis­mo bru­tal­men­te ir­res­pon­sá­vel e de uma de­sor­dem pro­gres­si­va. E, ca­be re­gis­trar, a au­sên­cia de ordem, a par­tir de cer­to pon­to, dei­xa de ser de­sor­dem para se trans­for­mar em bar­bá­rie.

Não es­ta­mos ig­no­ran­do que as ins­ti­tui­ções no Bra­sil são mais for­tes que as da Venezuela nem a pre­sen­ça de ele­men­tos po­lí­ti­cos que es­pe­re­mos que aqui não se fa­çam pre­sen­tes, mas não nos en­ga­ne­mos: a “ve­ne­zu­e­li­za­ção” do país é um dos ce­ná­ri­os pos­sí­veis.

Qu­an­do um cor­po fica do­en­te — co­mo es­tá a de­mo­cra­cia brasileira— fenô­me­nos in­ter­nos co­me­çam a ser aci­o­na­dos. An­ti­cor­pos en­tram em fun­ci­o­na­men­to.

Nes­se con­tex­to, o cla­mor pe­lo “res­ta­be­le­ci­men­to da ordem” con­quis­ta­rá, mais e mais, co­ra­ções e mentes. Não es­ta­mos aqui ma­ni­fes­tan-

Nos úl­ti­mos anos, o Bra­sil so­freu um pro­ces­so pro­fun­do de ‘ar­gen­ti­ni­za­ção’ da po­lí­ti­ca e da sociedade. A cris­pa­ção é evi­den­te na rua e, na po­lí­ti­ca, o ob­je­ti­vo pas­sou a ser a de­mo­ni­za­ção do ou­tro. O diá­lo­go bri­lha pe­la au­sên­cia

A re­a­li­da­de re­for­ça a per­cep­ção de que nos­sa de­mo­cra­cia não tem pro­du­zi­do re­sul­ta­dos efe­ti­vos

do um de­se­jo: nenhum dos au­to­res des­te ar­ti­go tem nem um passado as­so­ci­a­do a es­sas idei­as —pe­lo con­trá­rio— nem a me­nor sim­pa­tia pe­la hi­pó­te­se. Es­ta­mos ape­nas fa­zen­do análise po­lí­ti­ca.

No fi­nal da dé­ca­da pas­sa­da, era pos­sí­vel di­zer que a de­mo­cra­cia ti­nha nos da­do mais liberdade, o fim da al­ta in­fla­ção e a vir­tu­al eli­mi­na­ção da po­bre­za. Dez anos de­pois, po­rém, se a ca­mi­nho do co­me­ço da pró­xi­ma dé­ca­da, a po­pu­la­ção sen­tir que 35 anos de de­mo­cra­cia te­rão ge­ra­do a paralisia da economia, mais de 60 mil as­sas­si­na­tos por ano e hou­ver a per­cep­ção de que o re­tor­no da in­fla­ção al­ta é uma ques­tão de tem­po, a te­se de que a de­mo­cra­cia te­rá fra­cas­sa­do co­me­ça­rá a se dis­se­mi­nar.

“As ins­ti­tui­ções são for­tes”, di­rão al­guns. “Não somos uma re­pu­bli­que­ta”, di­rão ou­tros. “Es­ses tem­pos pas­sa­ram”, pen­sa­rá a mai­o­ria. Pode ser. O pro­ble­ma é que di­an­te da de­sor­dem e da crise econô­mi­ca pro­lon­ga­da, ape­los po­pu­lis­tas e/ou au­to­ri­tá­ri­os ganham es­pa­ço na vida po­lí­ti­ca do país. Não se pode dis­so­ci­ar a elei­ção de lí­de­res au­to­ri­tá­ri­os da Eu­ro­pa do sé­cu­lo passado, ao fla­ge­lo do desemprego, da de­sor­dem so­ci­al e da hi­pe­rin­fla­ção.

É aqui que os des­do­bra­men­tos se tor­nam mais dra­má­ti­cos. Es­ta­mos convencidos de que são pou­cos os ca­sos de bra­si­lei­ros que de­se­jam um re­gi­me au­to­ri­tá­rio. Po­rém, mui­tos cidadãos co­muns têm a sensação de que nos­sa de­mo­cra­cia não é subs­tan­ti­va; e mui­tos em­pre­sá­ri­os es­tão exas­pe­ra­dos pe­la de­sor­dem de to­da ordem.

Mui­tos bra­si­lei­ros es­tão can­sa­dos de nos­sa de­mo­cra­cia não subs­tan­ti­va. Fal­ta-nos uma eli­te —em seu sen­ti­do mais amplo— que trans­mi­ta as ba­ses mo­rais nas quais nos­sa sociedade pos­sa se as­sen­tar. Não é mais acei­tá­vel que po­lí­ti­cos “ven­dam” vo­tos por car­gos; que em­pre­sá­ri­os tro­quem va­lo­res éti­cos pe­lo ga­nho fá­cil; que par­ti­dos ne­go­ci­em tem­po de TV ao in­vés de dis­se­mi­na­rem e lu­ta­rem por idei­as. Não é mais acei­tá­vel que can­di­da­tos min­tam para ganhar elei­ções. Te­mos to­dos que evi­tar os ra­di­ca­lis­mos que es­tão tor­nan­do nos­sa de­mo­cra­cia in­sa­lu­bre.

Se as al­ter­na­ti­vas de uma “ve­ne­zu­e­li­za­ção pro­gres­si­va” ou de uma “saí­da au­to­ri­tá­ria” são o que se po­de­ria de­no­mi­nar de “sui­cí­dio em slow mo­ti­on”, res­ta às for­ças de­mo­crá­ti­cas e mo­der­ni­zan­tes, que en­ten­dem que não há fu­tu­ro para o país fo­ra da vi­gên­cia das re­gras do ca­pi­ta­lis­mo, no mun­do glo­ba­li­za­do de hoje, se co­lo­ca­rem de acor­do e de­fi­nir li­nhas de ação, para além de even­tu­ais diferenças, que per­mi­tam que o pró­xi­mo go­ver­no con­si­ga transitar pe­las di­fi­cul­da­des que te­rá que en­ca­rar, para che­gar a 2022 em con­di­ções me­lho­res que as atu­ais. Nes­sas cir­cuns­tân­ci­as, o diá­lo­go entre es­sas for­ças se im­põe. Ve­tos mú­tu­os não são uma opção, já que, em ca­so de pre­va­le­ce­rem, nos con­du­zi­rão a al­gum dos ce­ná­ri­os po­la­res des­cri­tos acima. O Bra­sil não me­re­ce

 es­se des­ti­no.

Qu­an­do se des­con­fia da de­mo­cra­cia, o ris­co é enor­me: a ra­di­ca­li­za­ção, o po­pu­lis­mo e a fal­ta de senso se­mei­am em ter­re­no fér­til

Odiá­lo­goéa­me­lhor saí­da para to­da es­sa crise. Por quê? Por­que sim­ples­men­te a chan­ce da de­mo­cra­cia ace­nar ao país com um fu­tu­ro prós­pe­ro sem­queha­ja­es­se en­ten­di­men­to é nu­la

Ilus­tra­ção Car­ca­rah

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.