Abor­dar ci­da­da­nia no Cen­so pode re­de­fi­nir Con­gres­so nos EUA

Me­di­da pode ini­bir imi­gran­tes ilegais de res­pon­de­rem ques­ti­o­ná­rio e re­du­zir re­pre­sen­ta­ção po­lí­ti­ca de es­ta­dos

Folha de S.Paulo - - Mundo - Da­ni­el­le Brant

A per­gun­ta, sim­ples, tem po­der de ge­rar re­a­ções in­fla­ma­das: você é ci­da­dão ame­ri­ca­no? É o que o Cen­so de 2020 quer sa­ber. Nos EUA de Donald Trump, es­sas pa­la­vras não so­am inó­cu­as.

As­sim co­mo no Bra­sil, o Cen­so previsto na Cons­ti­tui­ção ame­ri­ca­na é realizado a cada dé­ca­da desde 1790. O ob­je­ti­vo é es­ti­mar a po­pu­la­ção.

Os da­dos são usa­dos para de­fi­nir a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de de cada distrito na Câ­ma­ra. Por is­so, o ques­ti­o­ná­rio não é apli­ca­do so­men­te a cidadãos. Dis­tri­tos com po­pu­la­ção mai­or re­ce­bem mais as­sen­tos e mais re­cur­sos fe­de­rais.

É is­so que pre­o­cu­pa as or­ga­ni­za­ções de de­fe­sa de mi­no­ri­as, que des­con­fi­am da jus­ti­fi­ca­ti­va do go­ver­no para in­cluir a per­gun­ta: as­se­gu­rar o direito a voto de to­dos. Para os ati­vis­tas, a per­gun­ta afu­gen­ta­rá imi­gran­tes ilegais ou mes­mo cidadãos na­tu­ra­li­za­dos ame­ri­ca­nos com pa­ren­tes sem per­mis­são para per­ma­ne­ce­rem nos EUA.

“Vi­ve­mos num cli­ma de gran­de hostilidade a la­ti­nos, ne­gros, imi­gran­tes ilegais”, afir­ma Sil­via Pe­dra­za, pro­fes­so­ra de so­ci­o­lo­gia e cul­tu­ra da Uni­ver­si­da­de de Mi­chi­gan.

Chayen­ne Po­li­me­dio, vi­ce­di­re­to­ra do cen­tro de es­tu­dos New Ame­ri­ca, con­si­de­ra que mui­tos imi­gran­tes po­dem dei­xar de par­ti­ci­par com me­do de a in­for­ma­ção ser com­par­ti­lha­da, por exem­plo, com o Departamento de Jus­ti­ça ou com as agências de imi­gra­ção.

“Eles temem que o go­ver­no saiba seus en­de­re­ços. Fi­cam numa si­tu­a­ção de­li­ca­da.”

Sem as res­pos­tas des­sa par­ce­la da po­pu­la­ção, a pre­ci­são do Cen­so fica com­pro­me­ti­da, avalia Lau­ren­ce Be­nen­son, diretor as­sis­ten­te do Na­ti­o­nal Im­mi­gra­ti­on Fo­rum. O efei­to direto é a su­ba­va­li­a­ção do número de ha­bi­tan­tes dos EUA, o que pre­ju­di­ca­ria o acom­pa­nha­men­to de­mo­grá­fi­co.

Ha­ve­ria im­pac­to ain­da no de­se­nho dos dis­tri­tos. Es­ta­dos muito po­pu­lo­sos são di­vi­di­dos em mais dis­tri­tos para que a po­pu­la­ção pos­sa ter mai­or re­pre­sen­ta­ção. Com 19,85 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, No­va York tem 27 dis­tri­tos — ou 27 as­sen­tos. Ver­mont, com 623.657 ha­bi­tan­tes, tem 1.

No­va York é um exem­plo do im­pac­to do Cen­so. O es­ta­do perdeu dois re­pre­sen­tan­tes após ser re­de­se­nha­do co­mo resultado da pes­qui­sa de 2010.

“Se você es­tá num distrito do Ari­zo­na e tem 8.000 pes­so­as que não res­pon­dem ao cen­so, o es­ta­do pode per­der um as­sen­to”, es­ti­ma Be­nen­son.

O efei­to é mai­or em lu­ga­res com fa­tia ele­va­da de imi­gran­tes, co­mo No­va York e Califórnia —es­ta­dos que ten­dem a ele­ger de­pu­ta­dos de­mo­cra­tas.

“Se você quer pro­vo­car des­van­ta­gem a lu­ga­res com imi­gran­tes, es­sa é uma for­ma.” “Mes­mo se os dois par­ti­dos per­de­rem ali, os re­pu­bli­ca­nos ganham um as­sen­to em ou­tro lu­gar com me­nos migrantes.”

Ain­da as­sim, o im­pac­to con­ti­nua sen­do bi­par­ti­dá­rio, afir­ma An­ge­la Manso, diretora da Na­leo, as­so­ci­a­ção apar­ti­dá­ria. Mes­mo áre­as que vo­tam ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te em de­mo­cra­tas têm mo­ra­do­res re­pu­bli­ca­nos. “Quem acha que só vai pre­ju­di­car um gru­po não en­ten­de

co­mo o Cen­so fun­ci­o­na.”

O re­de­se­nho dos dis­tri­tos ameaça re­du­zir os re­cur­sos fe­de­rais a es­sas áre­as, fa­zen­do com que em­po­bre­çam. “Você tem co­mu­ni­da­des com o mes­mo ta­ma­nho, mas o fi­nan­ci­a­men­to fe­de­ral não che­ga, pois o di­nhei­ro leva em conta o número de pes­so­as”, diz Manso.

“É pro­ble­má­ti­co em áre­as que pre­ci­sam de es­co­las, estradas. Te­rão que vi­ver com es­se di­nhei­ro por dez anos”, diz, lem­bran­do que o pró­xi­mo Cen­so só vi­ria em 2030.

Além de po­ten­ci­al­men­te anular uma gran­de par­ce­la da po­pu­la­ção, a in­clu­são da per­gun­ta também en­ca­re­ce­ria a pes­qui­sa. Para as­se­gu­rar que a mai­o­ria da po­pu­la­ção res­pon­da, há uma sé­rie de pas­sos que o Cen­so se­gue, co­mo en­vi­ar for­mu­lá­rio pe­los Correios e fa­zer acom­pa­nha­men­to por te­le­fo­ne ou vi­si­ta.

O orçamento previsto para o Cen­so de 2020 é de US$ 15,6 bi­lhões (R$ 65 bi­lhões). Se­gun­do o diretor de pes­qui­sa e me­to­do­lo­gia do pró­prio Cen­so, John Abowd, o custo ex­tra de acres­cen­tar a per­gun­ta se­ria de ao me­nos US$ 27,5 mi­lhões, con­for­me es­ti­mou em me­mo­ran­do de janeiro ao secretário de Co­mér­cio, Wil­bur Ross.

A per­gun­ta so­bre ci­da­da­nia não é iné­di­ta. Mas a úl­ti­ma vez em que to­dos os lares se­le­ci­o­na­dos foram ques­ti­o­na­dos so­bre o te­ma foi em 1950. A par­tir daí, a per­gun­ta foi trans­fe­ri­da a um for­mu­lá­rio mais ex­ten­so e que era enviado para um em cada seis lares.

O pro­ble­ma da per­gun­ta no Cen­so de 2020 é o ca­mi­nho pe­lo qual foi incluída. Em mar­ço, o secretário de Co­mér­cio anun­ci­ou que o ques­ti­o­na­men­to ocor­re­ria, a pe­di­do do Departamento de Jus­ti­ça, que bus­ca­va proi­bir prá­ti­cas dis­cri­mi­na­tó­ri­as con­tra elei­to­res. O Con­gres­so de­le­ga a Ross a au­to­ri­da­de de de­ter­mi­nar as perguntas do Cen­so.

“Sou­be­mos, de­pois, de con­ver­sas na Casa Branca para in­cluir a per­gun­ta com in­di­ví­du­os co­mo Kris Ko­ba­ch e Ste­ve Ban­non”, diz Manso, ci­tan­do as­ses­so­res an­ti-imi­gra­ção.

Da­dos do Cen­so são con­fi­den­ci­ais, mas há pre­ce­den­tes: a his­to­ri­a­do­ra Mar­go An­der­son, da Uni­ver­si­da­de de Wisconsin, e o es­ta­tís­ti­co Wil­li­am Selt­zer, da Uni­ver­si­da­de Fordham, acha­ram pro­vas de que fun­ci­o­ná­ri­os do Cen­so en­tre­ga­ram ao go­ver­no da­dos de ame­ri­ca­nos de as­cen­dên­cia ja­po­ne­sa na Se­gun­da Guerra.

Cer­ca de 120 mil de­les foram en­vi­a­dos a campos de in­ter­na­men­to após o ataque a Pearl Har­bor, em 1941.

Da­vid J. Phi­lips-24.jun.18/As­so­ci­a­ted Press

Fa­mí­li­as imi­gran­tes em McAl­len (Te­xas) es­pe­ram para pas­sar por cen­tro de pro­ces­sa­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.