Burocracia é en­tra­ve para re­va­li­dar di­plo­mas de re­fu­gi­a­dos

Folha de S.Paulo - - Mundo - Gabriela Baz­zo e Vanessa Fa­jar­do

Ape­sar de novas leis e da sim­pli­fi­ca­ção dos pro­ces­sos em uni­ver­si­da­des bra­si­lei­ras, re­va­li­dar o di­plo­ma de cur­so su­pe­ri­or é um de­sa­fio para os re­fu­gi­a­dos que che­gam ao Bra­sil.

Até agosto de 2018, a ONG Com­pas­si­va, par­cei­ra do Ac­nur (ór­gão da ONU para os re­fu­gi­a­dos), vi­a­bi­li­zou a re­va­li­da­ção de 30 cer­ti­fi­ca­dos de re­fu­gi­a­dos desde o iní­cio da par­ce­ria entre as or­ga­ni­za­ções, em 2016. Com o di­plo­ma re­va­li­da­do, o es­tran­gei­ro es­tá ap­to a exer­cer a pro­fis­são na qual se for­mou no seu país.

Pe­la par­ce­ria, foram re­a­li­za­dos 89 pro­ces­sos desde 2016 —des­tes, 30 di­plo­mas foram re­va­li­da­dos, 48 es­tão em análise, 2 foram ar­qui­va­dos e 9, in­de­fe­ri­dos. Além de apoio ju­rí­di­co, a Com­pas­si­va pre­vê a pos­si­bi­li­da­de de au­xí­lio financeiro para ar­car com tra­du­ções ju­ra­men­ta­das e ta­xas do pro­ces­so. Atu­al­men­te, o pra­zo para pro­ces­sar os ca­sos é de 180 dias, se­gun­do de­ter­mi­na o Mi­nis­té­rio da Educação.

“Hoje, te­mos no Bra­sil ape­nas 14% da po­pu­la­ção com ensino su­pe­ri­or completo, e re­ce­be­mos vá­ri­os re­fu­gi­a­dos que têm ensino su­pe­ri­or, mes­tra­do, dou­to­ra­do, fa­lam qu­a­tro idi­o­mas. Qu­an­do não re­co­nhe­ce­mos seus di­plo­mas, per­de­mos mão de obra qua­li­fi­ca­da”, afir­ma Ca­mi­la Tar­din, ad­vo­ga­da da ONG.

No Bra­sil, não há procedimento pa­drão para tais pro­ces­sos, e em al­gu­mas ins­ti­tui­ções a ta­xa para re­va­li­dar um cer­ti­fi­ca­do pode ser su­pe­ri­or a R$ 2.000, fo­ra os cus­tos com tra­du­ções.

Es­ta­dos co­mo São Paulo e Rio de Janeiro con­tam com dis­po­si­ti­vos le­gais que isen­tam os re­fu­gi­a­dos do pa­ga­men­to des­sas ta­xas em uni­ver­si­da­des es­ta­du­ais. Para Ca­mi­la, no en­tan­to, de­ve­ria ha­ver uma lei fe­de­ral de isen­ção de ta­xas em to­do o país.

“Além do custo, te­mos vá­ri­os ou­tros en­tra­ves. A mai­o­ria das ins­ti­tui­ções quer que a do­cu­men­ta­ção dos re­fu­gi­a­dos se­ja con­su­la­ri­za­da, mas, qu­an­do fa­la­mos de um re­fu­gi­a­do da Síria que é um desertor, ele é tra­ta­do co­mo um cri­mi­no­so em seu país, en­tão não vai con­se­guir ir ao con­su­la­do pe­dir um ca­rim­bo”, cri­ti­ca.

Para o re­fu­gi­a­do sí­rio Sa­lim Al­na­zer, o pro­je­to da Com­pas­si­va mos­trou “o ca­mi­nho das pedras’’ para re­va­li­da­ção de seu di­plo­ma de far­ma­cêu­ti­co pe­la Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral Flu­mi­nen­se (UFF). A ONG também ajudou com seu cre­den­ci­a­men­to no Con­se­lho Re­gi­o­nal de Far­má­cia.

No Bra­sil desde no­vem­bro de 2014, ele já tra­ba­lhou co­mo ven­de­dor e atu­al­men­te é o far­ma­cêu­ti­co res­pon­sá­vel de uma em­pre­sa de lo­gís­ti­ca.

Al­na­zer ten­tou re­va­li­dar o cer­ti­fi­ca­do pe­la USP, mas de­sis­tiu de­vi­do ao custo de R$ 1.700. “A gen­te saiu da Síria sem di­nhei­ro, sem na­da, só com as rou­pas. A re­va­li­da­ção me abriu por­tas’’, conta.

Tatya­na Fri­e­dri­ch, coordenadora do pro­gra­ma de po­lí­ti­ca mi­gra­tó­ria da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Pa­ra­ná (UFPR), também con­de­na o ex­ces­so de burocracia. “O pro­ces­so é ca­ro e eli­ti­za­do”, diz.

A UFPR ofe­re­ce uma re­va­li­da­ção pa­ra­le­la à do Mi­nis­té­rio da Educação para “re­la­ti­vi­zar as exigências.” Mes­mo as­sim, pe­la ins­ti­tui­ção, são re­va­li­da­dos no má­xi­mo três di­plo­mas de re­fu­gi­a­dos por ano, das cer­ca de 25 so­li­ci­ta­ções.

“Já vi gen­te che­gar com di­plo­ma com as pon­tas qu­ei­ma­das e ser uma burocracia para re­va­li­dar. Às ve­zes as ins­ti­tui­ções sub­me­tem es­sas pes­so­as a pro­vas tão di­fí­ceis que nem os co­or­de­na­do­res dos cur­sos pas­sa­ri­am. En­quan­to não fi­zer­mos uma po­lí­ti­ca de re­va­li­da­ção, va­mos su­ba­pro­vei­tar o po­ten­ci­al des­ses pro­fis­si­o­nais.”

Luís Felipe Ma­ga­lhães, pes­qui­sa­dor do Ob­ser­va­tó­rio das Mi­gra­ções em São Paulo e da Cá­te­dra Sérgio Vieira de Mel­lo da Uni­camp, re­for­ça a ne­ces­si­da­de de po­lí­ti­cas públicas de va­li­da­ção dos di­plo­mas e de acesso à educação em seus di­ver­sos ní­veis.

“Es­ta­mos di­an­te de uma fa­se mi­gra­tó­ria em que os novos imi­gran­tes fre­quen­te­men­te pos­su­em al­ta es­co­la­ri­da­de. As po­lí­ti­cas públicas são es­sen­ci­ais para iden­ti­fi­car e apro­vei­tar es­se po­ten­ci­al, per­mi­tin­do que imi­gran­tes si­gam con­tri­buin­do para o de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co e so­ci­al e para a di­ver­si­da­de cul­tu­ral pe­los quais pas­sam qual­quer pro­je­to de país’’, comenta.

Ga­bo Morales/Ac­nur

Ca­mi­la Tar­din, ad­vo­ga­da da ONG Com­pas­si­va, aten­de re­fu­gi­a­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.