Qu­an­do o ódio se­pul­ta a paz

Me­mó­ria do úl­ti­mo abraço entre um ra­bi­no e um pa­les­ti­no

Folha de S.Paulo - - Mundo - Cló­vis Ros­si Re­pór­ter especial, mem­bro do Con­se­lho Editorial da Fo­lha e vencedor do prê­mio Ma­ria Mo­ors Ca­bot

Con­fes­so: fui um dos in­gê­nu­os que se en­tu­si­as­ma­ram com os Acor­dos de Os­lo entre is­ra­e­len­ses e pa­les­ti­nos, que com­ple­ta­ram 25 anos na se­ma­na que pas­sou.

Acre­di­ta­va piamente que pa­vi­men­ta­ri­am o ca­mi­nho para a paz na­que­le pe­da­ci­nho de mun­do que, pa­ra­do­xal­men­te, con­cen­tra as três re­li­giões que, em te­se, pre­gam a paz e uma in­su­por­tá­vel quan­ti­da­de de san­gue der­ra­ma­do.

Meu en­tu­si­as­mo de­cor­reu nem tan­to dos ter­mos do acor­do em si. Ti­nha ida­de su­fi­ci­en­te para sa­ber que mes­mo as mais belas pa­la­vras e in­ten­ções po­dem vi­rar fu­ma­ça ou se­rem dis­tor­ci­das.

O que me ani­mou foi ter si­do tes­te­mu­nha ocu­lar de um en­con­tro até en­tão im­pen­sá­vel entre um ra­bi­no (no ca­so, Henry So­bel, à época da Con­gre­ga­ção Is­ra­e­li­ta Pau­lis­ta) e o mais im­por­tan­te lí­der pa­les­ti­no, Ias­ser Ara­fat (aliás, um dos sig­na­tá­ri­os dos Acor­dos de Os­lo).

So­bel, que estava em Je­ru­sa­lém para um con­gres­so, me con­vi­dou (e a três ou­tros jor­na­lis­tas) para acom­pa­nhá-lo à uma au­di­ên­cia com Ara­fat. Foi em 1994, dias de­pois da elei­ção para a Au­to­ri­da­de Pa­les­ti­na, um dos ra­rís­si­mos plei­tos no mun­do mu­çul­ma­no que a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal ca­rim­bou com as pa­la­vri­nhas má­gi­cas “li­vre” e “jus­to”.

Ao fi­nal da au­di­ên­cia, So­bel per­gun­tou ao lí­der pa­les­ti­no se ele acei­ta­ria re­ci­tar um sal­mo. Ara­fat con­cor­dou e o ra­bi­no leu em he­brai­co o sal­mo 37, que ter­mi­na as­sim: “Os mal­do­sos pe­re­ce­rão/ Mas aque­les que ser­vem o Se­nhor her­da­rão a Ter­ra/ E se de­li­ci­a­rão na abun­dân­cia de paz”.

Pe­na que, nos 24 anos se­guin­tes, tu­do o que abun­dou na re­gião foi o ódio, que su­fo­cou por in­tei­ro a paz.

Por fa­lar em ódio e na fal­ta de paz, ter­mi­nei faz pou­co de ver a sé­rie is­ra­e­len­se “Fau­da” (“Caos”, em árabe). É a his­tó­ria de uma uni­da­de de con­tra­ter­ro­ris­mo is­ra­e­len­se en­cra­va­da em ter­ri­tó­rio pa­les­ti­no. Por ex­ten­são, é também a his­tó­ria dos ter­ro­ris­tas/ati­vis­tas que a uni­da­de per­se­gue.

Pa­re­ceu-me uma apro­xi­ma­ção muito fiel à re­a­li­da­de, sensação con­fir­ma­da por quem vi­ve em Israel e co­nhe­ce bas­tan­te bem o con­fli­to. Ju­an Car­los Sanz, correspondente de El País, es­cre­veu faz pou­co so­bre Fau­da: “A ar­te se li­mi­ta a imitar a re­a­li­da­de”.

Qual é a re­a­li­da­de? “Am­bas as par­tes são igual­men­te res­pon­sá­veis pe­la violência”, es­cre­ve Sanz.

O mais dra­má­ti­co, na re­a­li­da­de co­mo na ficção, é que os dois la­dos têm ra­zões para acu­mu­lar ódio um con­tra o ou­tro. Os is­ra­e­len­ses, é ló­gi­co, pe­los atentados ter­ro­ris­tas pra­ti­ca­dos por pa­les­ti­nos.

Não jus­ti­fi­co o ódio, mas en­ten­do: uma vez, che­guei pou­co de­pois de um aten­ta­do em ple­no mer­ca­do Maha­ne Yehu­da, um dos mais mo­vi­men­ta­dos de Je­ru­sa­lém. Ain­da vi os le­gis­tas re­co­lhen­do pe­da­ços de cor­pos des­pe­da­ça­dos, al­guns de­les jun­to a to­ma­tes es­ma­ga­dos pe­la ex­plo­são.

Quem é que não sen­ti­ria ódio ao ver membros de sua co­mu­ni­da­de atin­gi­dos des­sa for­ma?

No ca­so dos pa­les­ti­nos, a sé­rie mos­tra co­mo não só os sus­pei­tos de ter­ro­ris­mo mas também seus fa­mi­li­a­res (mu­lhe­res, mães, fi­lhos) são per­se­gui­dos, even­tu­al­men­te tor­tu­ra­dos e exe­cu­ta­dos.

Itay Stern, crí­ti­co de TV do jor­nal Ha­a­retz, es­cre­veu que Fau­da é a pri­mei­ra sé­rie is­ra­e­len­se que ofe­re­ce também “uma narrativa pa­les­ti­na”— que ob­vi­a­men­te é uma narrativa car­re­ga­da de ódio.

É cla­ro que há ou­tros mo­ti­vos para o fracasso de Os­lo, mas o ódio acu­mu­la­do tal­vez pe­se mais. É uma pe­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.