De­ses­pe­ran­ça faz tra­ba­lha­dor de­sis­tir de pro­cu­rar em­pre­go

Ida­de, fal­ta de es­tu­dos e pou­co di­nhei­ro para cus­te­ar bus­ca por tra­ba­lho es­tão entre os fa­to­res que le­vam ao de­sa­len­to

Folha de S.Paulo - - Mercado - La­ris­sa Quin­ti­no e Paulo Muz­zo­lon

Fal­ta de alen­to, de­sâ­ni­mo, aba­ti­men­to, es­mo­re­ci­men­to. São mui­tos os sinô­ni­mos para de­sa­len­to no di­ci­o­ná­rio. No Bra­sil de hoje, po­rém, a palavra sig­ni­fi­ca fim da es­pe­ran­ça de en­con­trar tra­ba­lho.

Se­ja por fal­ta di­nhei­ro — cus­ta bus­car em­pre­go—, se­ja por tan­to pro­cu­rar, não en­con­trar e já se con­si­de­rar in­ca­paz para fun­ções que apa­re­cem, os de­sa­len­ta­dos bra­si­lei­ros já so­mam 4,8 mi­lhões de pes­so­as —4,3% da po­pu­la­ção em ida­de de tra­ba­lhar, se­gun­do o IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca).

O ín­di­ce é re­cor­de: mais que o do­bro do re­gis­tra­do de 2012 a 2015, qu­an­do a ta­xa de desemprego, hoje em 12,3%, era de ape­nas um dí­gi­to.

O de­sa­len­ta­do fica fo­ra das es­ta­tís­ti­cas de desemprego pe­los cri­té­ri­os de análise das pes­qui­sas ofi­ci­ais. Por es­sa pe­cu­li­a­ri­da­de, ali­men­tam nas pla­ni­lhas uma con­ta­bi­li­da­de in­ver­sa à re­a­li­da­de: qu­an­to mai­or o número de de­sa­len­ta­dos, me­nor a ta­xa de desemprego.

Os que per­dem a es­pe­ran­ça são trans­fe­ri­dos para massa de qua­se 65,5 mi­lhões de pes­so­as que es­tão fo­ra da for­ça de tra­ba­lho, o universo re­ser­va­do a es­tu­dan­tes e apo­sen­ta­dos, por exem­plo.

As­sim, os sem tra­ba­lhos que so­nham em tra­ba­lhar es­tão ca­ta­lo­ga­dos em dois gru­pos. A en­fer­mei­ra San­ta Al­ves, o car­re­ga­dor Jo­sé Mo­des­to e Neu­sa Francisca dos San­tos, que já tra­ba­lhou em ca­sas de fa­mí­lia, por exem­plo, que per­de­ram a es­pe­ran­ça para sair em bus­ca de uma ati­vi­da­de, não são de­sem­pre­ga­dos.

Nes­sa ca­te­go­ria es­tão pes­so­as co­mo Pris­ci­la Fi­guei­re­do, a au­xi­li­ar de cozinha Je­nif­fer Apa­re­ci­da dos San­tos e a au­xi­li­ar de lim­pe­za Do­ra­li­ce de Sou­za que, mes­mo ven­do o di­nhei­ro para a pas­sa­gem do ôni­bus ou para im­pri­mir cur­rí­cu­los min­guar, con­ti­nu­am em bus­ca de uma va­ga.

Es­ses de­sa­len­ta­dos e de­sem­pre­ga­dos mo­ram em Ca­pão Re­don­do, zo­na sul de São Paulo, re­gião em que a ta­xa de desemprego no ano passado foi de 18,6%, de acor­do com a Fun­da­ção Se­a­de —a se­gun­da mai­or ta­xa da ca­pi­tal pau­lis­ta, atrás do ex­tre­mo da zo­na les­te (20,2%).

“Há o desemprego ocul­to, que não apa­re­ce nas es­ta­tís­ti­cas. Perde-se de vis­ta es­se con­tin­gen­te que de­sis­tiu [de pro­cu­rar em­pre­go]”, afir­ma a pro­fes­so­ra Be­lin­da Man­del­baum, chefe do Departamento de Psi­co­lo­gia So­ci­al e do Tra­ba­lho do Ins­ti­tu­to de Psi­co­lo­gia da USP.

Se­gun­do Man­del­baum, os de­sa­len­ta­dos não são ex­cluí­dos ape­nas das es­ta­tís­ti­cas. Pou­co a pou­co também são trans­fe­ri­dos para uma es­pé­cie de lim­bo so­ci­al na vida real.

“As pes­so­as fi­cam até com res­tri­ção de cir­cu­la­ção, sem di­nhei­ro para se mo­vi­men­tar pe­la ci­da­de. O de­sa­len­to ge­ra até uma imo­bi­li­da­de so­ci­al, as pes­so­as fi­cam res­tri­tas a seu âm­bi­to fa­mi­li­ar”, afir­ma.

Ela re­for­ça que o tra­ba­lho tem im­pac­to pro­fun­do na vida das pes­so­as. É fundamental na for­ma­ção da iden­ti­da­de, das ca­pa­ci­da­des. “Quem tra­ba­lha es­tá in­se­ri­do no mun­do, em ou­tros gru­pos, tem uma iden­ti­da­de so­ci­al. Tu­do se perde qu­an­do es­tá de­sem­pre­ga­do”, diz ela.

Se­gun­do a pro­fes­so­ra, es­tu­dos mos­tram que há cor­re­la­ção entre desemprego e di­vór­cio, violência fa­mi­li­ar e até al­co­o­lis­mo. A sociedade, diz, vê o pai de fa­mí­lia co­mo o prin­ci­pal pro­ve­dor da casa. Se não con­se­gue cum­prir es­se papel, pode ser visto co­mo um fra­cas­sa­do —e é aí que a violência fa­mi­li­ar pode ex­plo­dir.

“Ele se vê co­mo al­vo de violência no mun­do e re­pro­duz is­so den­tro de casa”, diz.

Cla­ro, is­so não ocor­re sem­pre nem em to­das as fa­mí­li­as. Mas, se­gun­do Man­del­baum, é po­ten­ci­a­li­za­do pe­lo ma­gro col­chão de am­pa­ro a de­sem­pre­ga­dos que há no Bra­sil —o se­gu­ro-desemprego só tem até cin­co par­ce­las.

“Aqui o desemprego, ape­sar de ser es­tru­tu­ral, é mais cul­pa do de­sem­pre­ga­do. Se o su­jei­to não es­tá tra­ba­lhan­do é va­ga­bun­do. Não dá para por só na conta dis­so. Não pode ser só do tra­ba­lha­dor o fracasso.”

Man­del­baum de­fen­de ain­da que, olhan­do ape­nas para os nú­me­ros, a re­a­li­da­de pode ser mas­ca­ra­da de mui­tas ou­tras ma­nei­ras.

“O jo­vem que lim­pa vi­dro no se­má­fo­ro, para fins de es­ta­tís­ti­ca, es­tá em­pre­ga­do.” Pris­ci­la Fi­guei­re­do, 27

São os fi­lhos que dão for­ça para que Pris­ci­la não de­sis­ta de bus­car em­pre­go. “É tan­to não que a gen­te leva na ca­ra que só com um mo­ti­vo muito for­te para não de­sa­ni­mar de vez”. Sem ren­da fi­xa, tem se vi­ra­do com al­guns bi­cos que faz em casa de ami­gas. A fa­mí­lia ain­da conta com o di­nhei­ro do ma­ri­do, que con­ti­nua em­pre­ga­do, mas a si­tu­a­ção fi­cou com­pli­ca­da pois há uma fon­te a me­nos de di­nhei­ro. “Tem me­nos ren­da en­tran­do e cada dia as con­tas es­tão mais al­tas. Te­mos que fa­zer ma­la­ba­ris­mos para pa­gar a conta de luz, que cada dia é mais ca­ra”.

Do­ra­li­ce de Sou­za, 36Para con­se­guir eco­no­mi­zar um pou­co de di­nhei­ro e evi­tar gas­tar muito com a impressão de cur­rí­cu­los, a au­xi­li­ar de lim­pe­za Do­ra­li­ce per­gun­ta aos se­le­ci­o­na­do­res se con­se­gue pre­en­cher su­as in­for­ma­ções em fi­chas ca­das­trais nos lo­cais de seleção. “As­sim fi­co com os cur­rí­cu­los im­pres­sos na mão para en­tre­gar em lu­ga­res on­de não há fi­cha dis­po­ní­vel. Não é fá­cil im­pri­mir ou ti­rar có­pi­as de cur­rí­cu­lo to­da ho­ra, en­tão a gen­te se vi­ra co­mo pode. O ne­gó­cio é ter mui­ta fé para não de­sa­ni­mar”. Mãe de dois fi­lhos, ela conta que perdeu o em­pre­go em no­vem­bro, qu­an­do a em­pre­sa em que tra­ba­lha­va mu­dou de cli­en­tes e subs­ti­tuiu sua mão de obra pe­la de dois ho­mens. “Não ti­ve o que fa­zer se­não vol­tar a bus­car em­pre­go.”

Jo­sé Mo­des­to, 57Seu úl­ti­mo em­pre­go for­mal foi em 2009. Por pro­ble­mas na co­lu­na, dei­xou de pro­cu­rar em­pre­go há um ano. Ten­tou várias ve­zes um au­xí­lio-do­en­ça no INSS, já que ain­da não tem ida­de para apo­sen­tar. Po­rém, o be­ne­fí­cio por in­ca­pa­ci­da­de é ne­ga­do por­que ele, por ter fi­ca­do muito tem­po sem con­tri­buir, não es­tá mais co­ber­to pe­lo se­gu­ro so­ci­al. Mo­des­to apon­ta que a ida­de e a sua bai­xa for­ma­ção, já que não com­ple­tou o ensino fundamental, são en­tra­ves para con­se­guir um em­pre­go. “Nem adi­an­ta eu me can­di­da­tar para al­gu­ma coi­sa que não se­ja ser­vi­ço bra­çal, por­que que não pas­so na seleção”. Ele mo­ra em uma casa da fa­mí­lia, conta com a ajuda dos ir­mãos e também com o bol­sa-fa­mí­lia para con­se­guir pa­gar as con­tas de luz, água e gás.

San­ta Al­ves, 56Sem car­tei­ra desde 2010, de­sis­tiu de bus­car em­pre­go há dois anos. En­fer­mei­ra com es­pe­ci­a­li­za­ção em en­fer­ma­gem obs­té­tri­ca, diz não ver mais lu­gar para ela no mer­ca­do. “Acham que sou muito ve­lha, que não dou conta de car­re­gar um ido­so ou uma criança.” San­ta só irá se apo­sen­tar aos 60 anos, da­qui a qu­a­tro anos. “Te­nho mais uns anos ten­do que pen­sar em um dia de cada vez”. Mo­ra com a fi­lha, de 17 anos, que tra­ba­lha co­mo jo­vem-apren­diz, e o ma­ri­do, de­sem­pre­ga­do. “É com­pli­ca­do mi­nha fi­lha ter que aju­dar nas con­tas. Meu ma­ri­do faz bi­cos, mas o di­nhei­ro também não dá pra na­da”.

Neu­sa Francisca dos San­tos, 44 Mãe de uma me­ni­na de se­te me­ses e dois me­ni­nos de 10 anos e 14 anos, ela afir­ma que não bus­ca uma ocu­pa­ção pois não tem quem a aju­de a cuidar dos fi­lhos. “É muito ca­ro pa­gar para al­guém fi­car com eles só para sair e en­tre­gar cur­rí­cu­lo por aí”. Conta que tem re­ce­bi­do au­xí­lio da mãe para pa­gar as con­tas da casa. O úl­ti­mo em­pre­go com car­tei­ra as­si­na­da de Neu­sa é dis­tan­te. “Nem lem­bro mais, foi em casa de fa­mí­lia. De­pois eu tra­ba­lhei em ou­tras, mas tu­do sem re­gis­tro.”

Je­nif­fer Apa­re­ci­da dos San­tos, 30É com a ajuda da mãe que a au­xi­li­ar de cozinha mantém a es­pe­ran­ça de vol­tar a tra­ba­lhar. De­sem­pre­ga­da há um ano, desde que a em­pre­sa em que tra­ba­lha­va fa­liu, ela sai duas ve­zes por se­ma­na para en­tre­gar cur­rí­cu­lo, mas depende do di­nhei­ro que a mãe co­lo­ca em seu Bi­lhe­te Úni­co para se lo­co­mo­ver pe­la ci­da­de. “Se não for is­so, não te­nho o que fa­zer. São R$ 8 por dia só de ôni­bus para pro­cu­rar tra­ba­lho. Mas te­nho dois fi­lhos, te­nho que dar um jei­to. É is­so que me faz não de­sa­ni­mar das coi­sas”.

Fo­tos Da­ni­lo Ver­pa/Fo­lha­press

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.