Lí­der de protestos con­tra Wall Street lan­ça uni­ver­si­da­de

Mi­cah White vai dis­cu­tir ati­vis­mo e protestos con­si­de­ra­dos ino­va­do­res

Folha de S.Paulo - - Mercado - Da­ni­el­le Brant

Há se­te anos, di­an­te de um Es­ta­dos Uni­dos que lu­ta­va para sair da pi­or crise desde a gran­de de­pres­são de 1929, ele ajudou a parar o país com um áci­do discurso con­tra o “po­der cor­ro­si­vo” dos ban­cos e da eli­te fi­nan­cei­ra, acu­sa­dos de mergulhar a economia ame­ri­ca­na no caos.

Em 2018, Mi­cah White, 36, co­fun­da­dor do mo­vi­men­to Oc­cupy Wall Street, tem planos não me­nos am­bi­ci­o­sos.

Em agosto, ele lan­çou uma uni­ver­si­da­de de ati­vis­mo on­li­ne, com a mis­são de for­mar ma­ni­fes­tan­tes e es­ti­mu­lar “novas ma­nei­ras de pen­sar o ati­vis­mo e protestos ino­va­do­res”.

“É uma es­co­la de ati­vis­tas para ati­vis­tas. As au­las vão ser fil­ma­das no Bard Col­le­ge, que fica a duas horas de No­va York. Os ati­vis­tas po­dem as­sis­tir para se tor­nar me­lho­res”, diz, em en­tre­vis­ta à Fo­lha.

Para janeiro já es­tá mar­ca­do o se­gun­do cur­so, so­bre ati­vis­mo e jus­ti­ça ha­bi­ta­ci­o­nal.

No ca­so de­le, o ati­vis­mo co­me­çou ce­do, aos 13 anos.

“Eu via os de­sa­bri­ga­dos, pes­so­as vi­ven­do sem di­nhei­ro e ou­tras pas­san­do por elas e in­di­fe­ren­tes a is­so. Pen­sei que ti­nha al­go muito errado”, diz.

Além de White, ou­tros no­mes li­ga­dos ao ati­vis­mo ame­ri­ca­no dão peso à iniciativa. Um de­les é Ali­cia Garza, co­fun­da­do­ra do mo­vi­men­to #BlackLi­vesMat­ter (“Vidas Ne­gras Im­por­tam”) e que foi con­vi­da­da para fa­lar so­bre o te­ma.

Le­no­ra Fu­la­ni, a pri­mei­ra mulher e a pri­mei­ra afro­a­me­ri­ca­na a aparecer co­mo candidata pre­si­den­ci­al em uma disputa nos 50 es­ta­dos, é ou­tra pa­les­tran­te.

Para pro­mo­ver a gra­du­a­ção, White re­a­li­zou um sim­pó­sio, no úl­ti­mo dia 17 de agosto, com o te­ma “Por que os protestos fra­cas­sam?”.

No ca­so do Oc­cupy Wall Street, são vá­ri­os os mo­ti­vos identificados.

“Éramos muito ide­a­lis­tas. Acha­mos que, sen­tan­do de­mo­cra­ti­ca­men­te no chão, as coi­sas fi­ca­ri­am me­lho­res”, diz White. “Nos­sas reu­niões eram dis­fun­ci­o­nais. A es­tru­tu­ra do mo­vi­men­to não era ade­qua­da para a ideia que ti­ve­mos.”

Para ele, a fal­ta de ma­tu­ri­da­de dos in­te­gran­tes con­tri­buiu para mi­nar o mo­vi­men­to. “Mas ti­ve­mos al­gu­mas sa­bo­ta­gens den­tro do mo­vi­men­to também.”

O Oc­cupy co­me­çou for­mal­men­te em 17 de setembro de 2011, no Zuc­cot­ti Park, em No­va York.

Sob o mo­te “nós somos os ou­tros 99%”, em re­fe­rên­cia ao 1% dos mais ri­cos que pro­vo­cou o caos financeiro que aba­teu o res­tan­te da po­pu­la­ção, eles ocu­pa­vam ru­as, ban­cos e se­des de empresas.

O ob­je­ti­vo era pro­tes­tar con­tra a de­si­gual­da­de de ren­da e econô­mi­ca nos EUA.

“Ha­via mui­ta rai­va con­tra Wall Street. Es­tá­va­mos ten­tan­do di­mi­nuir o po­der do di­nhei­ro na cul­tu­ra e mu­dar o que é o pa­râ­me­tro para su­ces­so ou fracasso”, diz.

Mas o mo­vi­men­to, para ele, foi bem-su­ce­di­do ao dis­se­mi­nar a ideia de igual­da­de, mes­mo que não te­nha da­do “po­der para os 99%.”

O Oc­cupy também foi um dos pri­mei­ros a usar a seu fa­vor as re­des so­ci­ais. No ca­so, a mí­dia es­co­lhi­da foi o Twit­ter, com a hash­tag #Oc­cupyWallS­tre­et sen­do usa­da para con­vo­car ma­ni­fes­tan­tes e or­ga­ni­zar os atos.

Era co­mum, na época, en­con­trar ma­ni­fes­tan­tes usan­do más­ca­ras de Guy Faw­kes, o sol­da­do ca­tó­li­co que ten­tou ex­plo­dir o Par­la­men­to da In­gla­ter­ra na Cons­pi­ra­ção da Pól­vo­ra.

No au­ge, em no­vem­bro de 2011, cer­ca de 1.500 cidades em 82 paí­ses re­gis­tra­ram protestos co­or­de­na­dos.

Em meio a is­so, o gru­po ati­vis­ta hacker Anony­mous ga­nhou re­no­me, com vídeos em que es­ti­mu­la­va as pes­so­as a par­ti­ci­pa­rem dos atos.

Mas, em maio de 2012, seis me­ses de­pois, o mo­vi­men­to perdeu for­ça até fi­car com­ple­ta­men­te de­si­dra­ta­do.

Se­gun­do White, a pres­são po­lí­ti­ca do presidente Ba­rack Oba­ma e do en­tão pre­fei­to de No­va York, Mi­cha­el Blo­om­berg, pe­sou.

Blo­om­berg che­gou a acu­sar o mo­vi­men­to de des­truir em­pre­gos em Wall Street, en­quan­to Oba­ma ado­tou a es­tra­té­gia de não con­fron­tar o Oc­cupy.

Para o ati­vis­ta, se o en­tão presidente fos­se o re­pu­bli­ca­no Donald Trump, tal­vez o mo­vi­men­to não ti­ves­se si­do tão fu­gaz.

“Eu não sei co­mo ele re­a­gi­ria. Se­ria in­te­res­san­te ver. Em al­gu­mas ma­nei­ras, ele se­ria sim­pá­ti­co, por­que ele também se po­si­ci­o­nou con­tra o es­ta­blish­ment”, diz.

“Por ou­tro lado, Oba­ma ig­no­rou o mo­vi­men­to, o que con­tri­buiu para que perdesse for­ça. Trump ten­ta­ria fa­zer pi­a­da, te­ria to­ma­do de­ci­sões im­pul­si­vas. O mo­vi­men­to po­de­ria cres­cer, por­que ele po­de­ria ter in­fla­ma­do o Oc­cupy”, afir­ma.

“A es­tru­tu­ra do mo­vi­men­to não era ade­qua­da para a ideia que ti­ve­mos

Mi­cah White co­fun­da­dor do mo­vi­men­to Oc­cupy Wall Street

Di­vul­ga­ção

Mi­cah White, co­fun­da­dor do Oc­cupy Wall Street

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.