Alu­nos do li­to­ral gra­vam livros para co­le­gas de es­co­la que não po­dem ler

Folha de S.Paulo - - Cotidiano - Klaus Ri­ch­mond

Com epi­lep­sia e uma sín­dro­me pa­ra­lí­ti­ca, o ado­les­cen­te, que ain­da perdeu o pai por um ataque car­día­co no úl­ti­mo ano, não de­sis­tia. Fo­lhe­a­va in­can­sa­vel­men­te os livros com con­tos escritos pe­los pró­pri­os ami­gos, fi­xa­va aten­ta­men­te os olhos nas ilus­tra­ções, mas não com­pre­en­dia.

O ca­so mobilizou os es­tu­dan­tes de uma es­co­la em Ita­nhaém, no li­to­ral sul de SP, a trans­for­mar em sons as li­nhas que Kayky não con­se­guia ler.

“Por que não pro­du­zi­mos um au­di­o­li­vro para ele também ou­vir as his­tó­ri­as?”, propôs Ales­san­dra Apa­re­ci­da Sales Ca­val­can­te, 45, orientadora da es­co­la Ma­ria Apa­re­ci­da So­a­res Amên­do­la.

Com ajuda dos pró­pri­os es­tu­dan­tes, os edu­ca­do­res vi­ram a chan­ce de aten­der ou­tros alu­nos com ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais co­mo sín­dro­me de down, autismo, além de de­fi­ci­ên­ci­as vi­su­al, au­di­ti­va, fí­si­ca e men­tal. Além de Kayky, só na es­co­la há ou­tros dez ca­sos.

Foi as­sim que, em maio, os alu­nos pas­sa­ram a pro­du­zir os au­di­o­li­vros na es­co­la, com ajuda de uma pro­fes­so­ra que ti­nha for­ma­ção mu­si­cal. Cada con­to é nar­ra­do por um alu­no, cap­ta­da por um microfone e edi­ta­da. An­tes de ser con­cluí­do, há o tra­ba­lho de so­no­plas­tia e efei­tos es­pe­ci­ais: a porta que ba­te, o som do tro­vão, a chu­va cain­do no chão.

As pri­mei­ras gra­va­ções foram fei­tas com con­tos clás­si­cos co­mo “A Prin­ce­sa e a Er­vi­lha”, “Os Três Por­qui­nhos” e “A Be­la e a Fe­ra”. “Po­de­ría­mos usar ma­te­ri­ais pron­tos, mas a cri­an­ças se can­sam ra­pi­da­men­te, e te­mos alu­nos muito bons. Fa­lei: ‘Va­mos fa­zer nós mesmos’. Eles to­pa­ram na ho­ra”, diz a orientadora.

“É tu­do muito na­tu­ral, por is­so acre­di­ta­mos que as pes­so­as têm si­do to­ca­das. Elas sen­tem a di­fe­ren­ça, a criança se iden­ti­fi­ca”, diz San­dra Re­gi­na Veloso, 58, diretora da es­co­la.

Ape­sar da dis­po­si­ção, gra­var não é ta­re­fa fá­cil. Os es­tu­dan­tes pre­ci­sam fi­car de­pois do ho­rá­rio da au­la, e em cada sa­la de gra­va­ção so­men­te en­tram um alu­no e um pro­fes­sor por vez, na­da de ami­go por perto.

“O mais difícil foi controlar o nervosismo. Ace­le­rá­va­mos muito, fa­lá­va­mos bai­xo qu­an­do era para ser al­to”, diz Lau­ra Bel­lon, 13, pri­mei­ra a gra­var.

Ví­ci­os de leitura também foram re­cor­ren­tes: “blé”, “prr” e um som de “tsc”, pro­du­zi­do nas pau­sas, foram cor­ri­gi­dos à exaus­tão. “Só não sen­ti di­fi­cul­da­des no úl­ti­mo. Já sa­bia que não po­dia fa­zer ‘blé’”, dis­se Ana Khady­ja Men­des, 13.

O pro­je­to ain­da ga­nhou uma no­va for­ma de in­clu­são nos úl­ti­mos dias. Uma das alu­nas, Jully Silva Carneiro, 14, gra­vou em ví­deo um dos con­tos com lin­gua­gem de si­nais, usa­da para comunicação entre de­fi­ci­en­tes au­di­ti­vos. Ela tem os pais e o ir­mão com a de­fi­ci­ên­cia em casa.

O pro­je­to dos au­di­o­li­vros nas­ceu em meio ao mo­men­to mais difícil atra­ves­sa­do pe­la es­co­la. Em janeiro e fe­ve­rei­ro, o lo­cal foi invadido e so­freu di­ver­sos fur­tos e de­pre­da­ções. Os pro­fes­so­res e pais ti­ra­ram di­nhei­ro do pró­prio bol­so para co­lo­car a casa em ordem no­va­men­te.

As cri­an­ças vi­vem em uma re­gião mais po­bre da ci­da­de. “Mui­tas de­las nun­ca foram ao shop­ping ou co­me­ram no McDo­nald’s. Há mui­tos pro­ble­mas nas fa­mí­li­as, também. Fa­lam que somos co­mo uma fê­nix, vi­ve­mos re­nas­cen­do”, conta Ales­san­dra.

Desde o iní­cio, já foram mais de 20 tí­tu­los gra­va­dos. O tra­ba­lho, inclusive, ali­men­ta três das 40 es­co­las da re­de mu­ni­ci­pal da ci­da­de.

“O Kayky me fa­lou: ‘Eu ago­ra con­si­go ler um livro’. Não con­se­guía­mos vê-lo pa­ra­do, is­so nos emo­ci­o­na muito”, dis­se Fa­bri­cia Sales Ca­val­can­te, 42, orientadora edu­ca­ci­o­nal.

A ideia é que, até o fim do ano, os au­di­o­li­vros se­jam le­va­dos a to­das as 40 es­co­las da re­de mu­ni­ci­pal de ensino da ci­da­de. Ao to­do, são 423 alu­nos de educação in­clu­si­va.

“Es­ta­mos ago­ra mos­tran­do aos pro­fes­so­res que aten­dem es­sas cri­an­ças co­mo po­dem uti­li­zar mais es­se re­cur­so, mas não só os alu­nos com de­fi­ci­ên­cia, co­mo os que têm di­fi­cul­da­de de aprendizagem”, afir­ma Fa­brí­cia.

A es­co­la tem, ao to­do, 345 alu­nos. Até o fim do ano, a es­ti­ma­ti­va é de já ter, pe­lo me­nos, 60 tí­tu­los gra­va­dos e co­lo­car o acer­vo à dis­po­si­ção de bi­bli­o­te­ca mu­ni­ci­pal da ci­da­de.

Josy Iná­cio/Di­vul­ga­ção/Pre­fei­tu­ra de Ita­nhaém

Au­la com au­di­o­li­vros em SP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.