Es­cân­da­lo trou­xe ten­são an­tes de re­e­lei­ção de Lu­la

A du­as se­ma­nas do 1º tur­no das elei­ções que re­e­le­ge­ri­am Lu­la, dois ho­mens fo­ram pre­sos sob sus­pei­ta de ten­ta­rem com­prar dos­siê con­tra Jo­sé Ser­ra (PSDB), can­di­da­to em SP, no ca­so co­nhe­ci­do co­mo “es­cân­da­lo dos alo­pra­dos”

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Li­li­an Ch­ris­to­fo­let­ti

O pre­nún­cio da re­e­lei­ção de Lu­la (PT), em 2006, não era su­fi­ci­en­te pa­ra acal­mar os âni­mos do par­ti­do. Is­so por­que, a ape­nas du­as se­ma­nas do pri­mei­ro tur­no, dois ho­mens li­ga­dos à si­gla ha­vi­am si­do pre­sos em um ho­tel com R$ 1,7 mi­lhão. Era o co­me­ço de um es­cân­da­lo ne­bu­lo­so.

An­te­vés­pe­ra da elei­ção pre­si­den­ci­al de 2006. O pre­nún­cio de uma vi­tó­ria do en­tão can­di­da­to à re­e­lei­ção Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va (PT), já no pri­mei­ro tur­no da dis­pu­ta, não era su­fi­ci­en­te pa­ra acal­mar os âni­mos do par­ti­do. Uma cla­ra ten­são pai­ra­va nos sem­blan­tes pe­tis­tas.

Is­so por­que, a ape­nas du­as se­ma­nas do pri­mei­ro tur­no, dois ho­mens li­ga­dos à si­gla ha­vi­am si­do pre­sos em um ho­tel em São Pau­lo com R$ 1,7 mi­lhão em di­nhei­ro vi­vo, en­tre re­ais e dó­la­res. Era o iní­cio de um es­cân­da­lo ne­bu­lo­so, mal ex­pli­ca­do, que des­per­tou a ira de pe­tis­tas, mas cu­jo en­re­do e per­so­na­gens só se­ri­am re­ve­la­dos 11 anos de­pois, na es­tei­ra da La­va Ja­to.

As in­for­ma­ções dis­po­ní­veis até aque­le mo­men­to eram que o di­nhei­ro, apre­en­di­do com dois des­co­nhe­ci­dos —Val­de­bran Pa­di­lha e Ge­di­mar Pas­sos— se­ria usa­do pa­ra a com­pra de um dos­siê con­tra o en­tão can­di­da­to do PSDB ao go­ver­no de SP, Jo­sé Ser­ra, que li­de­ra­va as pes­qui­sas. O dos­siê se re­ve­lou fa­ju­to de­pois.

À épo­ca, Lu­la, ten­tan­do di­mi­nuir a im­por­tân­cia do epi­só­dio, dis­se que aqui­lo era obra de “um ban­do de alo­pra­dos”, ex­pres­são pe­la qual o ca­so é lem­bra­do até ho­je.

Car­re­gan­do o tra­di­ci­o­nal blo­qui­nho de ano­ta­ções da Fo­lha e um gra­va­dor de fi­ta cas­se­te, dei­xei a Re­da­ção, por vol­ta das 8h30, ru­mo à se­de da PF, na La­pa, em São Pau­lo. Mar­te­la­va ques­tões ain­da obs­cu­ras: de on­de vi­nha o di­nhei­ro e de quem par­tiu a ideia de com­prar um dos­siê às vés­pe­ras da elei­ção?

Ti­nha uma pre­o­cu­pa­ção ime­di­a­ta: con­se­guir as fo­tos dos R$ 1,7 mi­lhão apre­en­di­do.

En­quan­to pe­ram­bu­la­va pe­lo sa­guão es­cu­ro e ain­da va­zio da su­pe­rin­ten­dên­cia pau­lis­ta da PF, re­ce­bi uma li­ga­ção do en­tão de­le­ga­do Ed­mil­son Pe­rei- ra Bru­no. O po­li­ci­al, até en­tão des­co­nhe­ci­do, foi o res­pon­sá­vel pe­la pri­são dos pe­tis­tas e pe­la apre­en­são do di­nhei­ro num fi­nal de se­ma­na em que es­ta­va de plan­tão.

Ace­le­ra­do, sem dar pau­sa en­tre uma fra­se e ou­tra, Bru­no dis­se que uma ope­ra­ção aba­fa es­ta­va em an­da­men­to, que ele ia ser afas­ta­do do ca­so e que iri­am ques­ti­o­nar até mes­mo a ve­ra­ci­da­de da apre­en­são do di­nhei­ro. Di­zia-se in­dig­na­do e que­ria con­ver­sar fo­ra da se­de da PF, na la­te­ral do pré­dio. Cha­mou ou­tros três re­pór­te­res.

Às 10h30 to­dos es­ta­vam no lo­cal in­di­ca­do. Bru­no se­gu­ra­va um en­ve­lo­pe com o CD. Eram as fo­tos dos re­ais e dó­la­res apre­en­di­dos, cu­ja di­vul­ga­ção ha­via si­do proi­bi­da pe­lo co­man­do da Po­lí­cia Fe­de­ral sob o ar­gu­men­to de que is­so po­de­ria in­ter­fe­rir no re­sul­ta­do da elei­ção.

En­tre­gou as ima­gens aos jor­na­lis­tas com o com­pro­mis­so de não ter sua iden­ti­da­de re­ve­la­da. Agi­ta­do e con­fu­so, di­zia que, pa­ra se pro­te­ger, iria men­tir, di­zer que o CD com as ima­gens ha­via si­do rou­ba­do. Afir­ma­va es­tar di­vi­di­do en­tre o me­do de ser punido pe­los su­pe­ri­o­res e a rai­va de ver o ca­so aba­fa­do. “Eu que­ro que o po­vo to­do ve­ja”, afir­mou aos re­pór­te­res.

Na sequên­cia, o de­le­ga­do en­tre­gou có­pia do ma­te­ri­al pa­ra ou­tros três jor­na­lis­tas que fa­zi­am plan­tão em fren­te ao pré­dio da PF. Lá den­tro, um de­poi­men­to im­por­tan­te acon­te­cia. A po­lí­cia ou­via Ha­mil­ton La­cer­da, en­tão co­or­de­na­dor de cam­pa­nha de Aloi­zio Mer­ca­dan­te (PT) pa­ra o go­ver­no pau­lis­ta, que ha­via si­do apon­ta­do co­mo o ho­mem que trans­por­tou o di­nhei­ro até o ho­tel —anos de­pois, o pe­tis­ta foi ab­sol­vi­do pe­la Jus­ti­ça.

Com o CD em mãos, vol­tei rá­pi­do pa­ra a Re­da­ção. No ca­mi­nho, avi­sei a che­fia so­bre o ocor­ri­do. O CD foi aber­to em um com­pu­ta­dor da Edi­to­ria de Fo­to­gra­fia. Lo­go, 23 fo­tos co­lo­ri­das com pi­lhas de re­ais e de dó­la­res sur­gi­ram na te­la do com­pu­ta­dor.

En­quan­to ana­li­sá­va­mos em si­lên­cio as ima­gens, che­gou a in­for­ma­ção de que o PT ha­via re­cor­ri­do ao TSE (Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral) e ao TRE (Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Elei­to­ral) pau­lis­ta pa­ra im­pe­dir a di­vul­ga­ção das ima­gens sob o ar­gu­men­to de que o “va­za­men­to ile­gal” te­ria ocor­ri­do por meio de pa­ga­men­to —acu­sa­ção re­jei­ta­da no mes­mo dia pe­los ma­gis­tra­dos.

De qual­quer for­ma, já era tar­de. As fo­tos já es­ta­vam na in­ter­net.

En­quan­to o par­ti­do ques­ti­o­na­va a ve­ra­ci­da­de das ima­gens, a PF di­vul­ga­va um co­mu­ni­ca­do con­fir­man­do que as fo­tos de fa­to eram do inqué­ri­to.

Na Re­da­ção, o cli­ma era de gra­vi­da­de. Dis­cu­tiu-se se as fo­tos se­ri­am pu­bli­ca­das, se iri­am pa­ra a Pri­mei­ra Pá­gi­na e se se­ria man­ti­do o off-the-re­cord, di­rei­to de to­da fon­te de per­ma­ne­cer no ano­ni­ma­to. Se, por um la­do, re­ce­bi as fo­tos sob a con­di­ção de não re­ve­lar o no­me do po­li­ci­al, por ou­tro, o pró­prio de­le­ga­do Bru­no já ha­via se ex­pos­to pa­ra pe­lo me­nos se­te jor­na­lis­tas.

Ga­ran­tir o si­gi­lo da fon­te sem­pre foi uma coi­sa in­dis­cu­tí­vel, uma das pri­mei­ras li­ções quan­do en­trei no jor­nal em 1998. E foi is­so o que de­fen­di na­que­le dia.

Por fim, de­ci­diu-se pe­la pu­bli­ca­ção da ima­gem, já na Pri­mei­ra Pá­gi­na, pois pre­va­le­ceu o en­ten­di­men­to de que as fo­tos ti­nham evi­den­te in­te­res­se pú­bli­co. Quan­to à iden­ti­da­de de Bru­no, a Fo­lha ba­se­ou­se no ar­ti­go quin­to da Cons­ti­tui­ção, que pre­vê o di­rei­to ao si­gi­lo. “É as­se­gu­ra­do a to­dos o aces­so à in­for­ma­ção e res­guar­da­do o si­gi­lo da fon­te, quan­do ne­ces­sá­rio ao exer­cí­cio pro­fis­si­o­nal.”

A exi­bi­ção das ima­gens, às vés­pe­ras da elei­ção, pro­vo­cou uma on­da de pro­tes­tos en­tre os pe­tis­tas, que acu­sa­vam a im­pren­sa de agir de for­ma or­ques­tra­da pa­ra fa­vo­re­cer a can­di­da­tu­ra do tu­ca­no Ge­ral­do Alck­min à Pre­si­dên­cia. Ou­tros di­zi­am en­ten­der a im­por­tân­cia das ima­gens, mas de­fen­di­am que a pu­bli­ca­ção ocor­res­se após o pri­mei­ro tur­no, pa­ra não in­flu­en­ci­ar na dis­pu­ta.

“Per­di­guei­ros da in­for­ma­ção”, “ja­gun­ços” e “es­cra­vos” fo­ram al­guns dos ad­je­ti­vos usa­dos pa­ra cri­ti­car a pu­bli­ca­ção das ima­gens e, prin­ci­pal­men­te, o fa­to de a iden­ti­da­de do de­le­ga­do não ter si­do re­ve­la­da na pri­mei­ra re­por­ta­gem por ne­nhum dos re­pór­te­res —o no­me de Bru­no só foi aber­to no dia se­guin­te à pu­bli­ca­ção, de­pois que o pró­prio po­li­ci­al as­su­miu a au­to­ria dos va­za­men­tos.

Àque­la al­tu­ra, com os âni­mos acir­ra­dos pe­la dis­pu­ta elei­to­ral, era bem cla­ro que pou­co im­por­ta­va de quem era o di­nhei­ro, quem ha­via en­co­men­da­do o dos­siê e sob as or­dens de quem. Blogs e co­mu­ni­da­des do Or­kut —re­de so­ci­al de uma épo­ca em que o Fa­ce­bo­ok era um ilus­tre des­co­nhe­ci­do —re­per­cu­ti­am fe­bril­men­te as ima­gens.

A elei­ção aca­bou se de­ci­din­do no se­gun­do tur­no.

On­ze anos de­pois, quan­do o ca­so já pa­re­cia se­pul­ta­do e com to­dos os per­so­na­gens ino­cen­ta­dos pe­la Jus­ti­ça, um ex-exe­cu­ti­vo da Ode­bre­cht re­to­mou o as­sun­to du­ran­te uma de­la­ção pre­mi­a­da.

Luiz Edu­ar­do da Ro­cha So­a­res, res­pon­sá­vel pe­las con­tas se­cre­tas da em­prei­tei­ra, afir­mou aos de­le­ga­dos que o di­nhei­ro apre­en­di­do no es­cân­da­lo dos alo­pra­dos saiu dos co­fres da Ode­bre­cht e da cer­ve­ja­ria Itai­pa­va, no mes­mo es­que­ma que ban­cou o cai­xa dois de di­ver­sas cam­pa­nhas elei­to­rais, de di­fe­ren­tes si­glas.

Se­gun­do So­a­res, no dia se­guin­te à apre­en­são do di­nhei­ro, ele foi cha­ma­do pa­ra uma reu­nião no co­mi­tê do PT, em São Pau­lo.

Afir­mou que es­ta­vam to­dos “em pâ­ni­co” pois um dos ma­ços de dó­la­res ti­nha um in­vó­lu­cro com o no­me de uma dis­tri­bui­do­ra de be­bi­das li­ga­da à Itai­pa­va.

O me­do de se­rem des­co­ber­tos, dis­se o ex-exe­cu­ti­vo, foi se dis­si­pan­do à me­di­da que as in­ves­ti­ga­ções não avan­ça­vam e as dis­cus­sões per­di­am o fo­co. Em 2017, quan­do fa­lou du­ran­te uma oi­ti­va da La­va Ja­to so­bre o di­nhei­ro apre­en­di­do no ca­so, era só mais um de­ta­lhe nu­ma en­xur­ra­da de de­nún­ci­as con­tra di­fe­ren­tes par­ti­dos e can­di­da­tos.

Os alo­pra­dos já eram his­tó­ria.

Re­pro­du­ção

Di­nhei­ro apre­en­di­do em um ho­tel em São Pau­lo que se­ria usa­do pa­ra a com­pra de dos­siê con­tra o PSDB

Ed­son Sil­va - 23.set.2006/Fo­lha­press

Aloi­zio Mer­ca­dan­te, en­tão can­di­da­to ao go­ver­no de São Pau­lo, e Lu­la

Mar­cus Vail­lant - 18.set.2006/A Ga­ze­ta

Ge­di­mar Pas­sos, pre­so no ca­so dos alo­pra­dos

Mau­rí­cio Bar­bant - 19.set.2006/Fo­lha­press

Val­de­bran Pa­di­lha, tam­bém pre­so no epi­só­dio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.