Ca­co­e­tes es­ta­tis­tas

Bol­so­na­ro dá no­vas mos­tras de re­sis­tên­cia à ven­da de es­ta­tais, o que cau­sa des­con­fi­an­ça quan­to à so­li­dez de sua pla­ta­for­ma de go­ver­no li­be­ra­li­zan­te

Folha de S.Paulo - - Primeira Página -

Acer­ca de re­sis­tên­ci­as de Bol­so­na­ro a pri­va­ti­za­ções.

Se já ha­via dú­vi­da quan­to à sin­ce­ri­da­de da sú­bi­ta con­ver­são de Jair Bol­so­na­ro (PSL) ao li­be­ra­lis­mo econô­mi­co, o pró­prio pre­si­den­ciá­vel tra­tou de re­for­çá-la com su­as mais re­cen­tes de­cla­ra­ções acer­ca da ven­da de em­pre­sas es­ta­tais.

O ca­pi­tão re­for­ma­do dis­se dis­cor­dar da pri­va­ti­za­ção na área de ge­ra­ção de ener­gia elé­tri­ca, além de pre­ten­der pre­ser­var o con­tro­le do que cha­mou de “mi­o­lo” da Pe­tro­bras —re­fe­rên­cia ao seg­men­to de pes­qui­sa e ex­tra­ção de pe­tró­leo.

Re­a­fir­mou, além dis­so, sua co­nhe­ci­da aver­são à pre­sen­ça de em­pre­sas chi­ne­sas no país, o que con­si­de­ra um ris­co es­tra­té­gi­co.

A si­na­li­za­ção de des­com­pas­so, ao me­nos em par­te, com a pla­ta­for­ma li­be­ra­li­zan­te de seu eco­no­mis­ta, Pau­lo Gu­e­des, re­per­cu­tiu de ime­di­a­to no mer­ca­do fi­nan­cei­ro.

Na quar­ta-fei­ra (10), des­pen­ca­ram os pre­ços das ações de es­ta­tais, in­ter­rom­pen­do uma tra­je­tó­ria de al­ta que es­ta­va li­ga­da, jus­ta­men­te, à as­cen­são de Bol­so­na­ro nas pes­qui­sas e sua sur­pre­en­den­te vo­ta­ção no pri­mei­ro tur­no.

Bol­so­na­ro apa­ren­tou des­co­nhe­cer até que a Ele­tro­bras já pas­sa ho­je em dia por um pro­ces­so de ajus­tes vi­san­do uma no­va es­tra­té­gia de pri­va­ti­za­ção.

Se­gun­do o pla­no, ela­bo­ra­do pe­lo go­ver­no Mi­chel Te­mer (MDB), ha­ve­rá um au­men­to de ca­pi­tal da em­pre­sa —após uma eta­pa de sa­ne­a­men­to fi­nan­cei­ro e re­cu­pe­ra­ção da ca­pa­ci­da­de de in­ves­ti­men­to. Com a ven­da de no­vas ações no mer­ca­do, a União per­de­ria a par­ti­ci­pa­ção atu­al, mas man­te­ria cer­tas prer­ro­ga­ti­vas na ad­mi­nis­tra­ção.

Não es­tá cla­ro se tal mo­de­lo, que não en­vol­ve con­tro­le por ne­nhum gru­po, lo­cal ou es­tran­gei­ro, con­ta com a apro­va­ção do can­di­da­to. Apos­tas de ana­lis­tas a es­se res­pei­to fi­cam em sus­pen­so por ora.

No ca­so da Pe­tro­bras, ao me­nos, Bol­so­na­ro se apro­xi­ma mais da ra­ci­o­na­li­da­de. Acei­ta man­ter o ru­mo de aber­tu­ra da ex­plo­ra­ção pa­ra ou­tras com­pa­nhi­as, da­da a li­mi­ta­ção de re­cur­sos da es­ta­tal, e não apa­ren­ta se opor à aber­tu­ra do mer­ca­do de re­fi­no e do gás na­tu­ral.

O pre­si­den­ciá­vel tam­bém já se com­pro­me­teu a não pri­va­ti­zar o Ban­co do Bra­sil ou a Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral. Das 144 em­pre­sas fe­de­rais, Pe­tro­bras, Ele­tro­bras, BB, CEF e su­as sub­si­diá­ri­as res­pon­dem por 97. O res­tan­te tem mo­des­ta im­por­tân­cia fi­nan­cei­ra.

Há al­guns me­ses, o as­ses­sor econô­mi­co de Bol­so­na­ro su­ge­ria ar­re­ca­dar até R$ 1 tri­lhão com ven­das de ati­vos pa­ra aba­ter a dí­vi­da pú­bli­ca —quan­tia vis­ta co­mo in­viá­vel mes­mo an­tes de o ca­pi­tão re­for­ma­do dar no­vas mos­tras de su­as in­cli­na­ções es­ta­tis­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.