Co­mo de­fi­nir a atra­ção prin­ci­pal do UFC 229? Lu­ta ou bri­ga?

Ima­gi­ná­rio en­vol­vi­do nas lutas per­mi­te emer­gir to­da or­dem de sel­va­ge­ria

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Ka­tia Ru­bio

Em­bo­ra eu me de­di­que a es­tu­dar e pes­qui­sar o es­por­te olím­pi­co, não me es­ca­pam ou­tras ma­ni­fes­ta­ções da cul­tu­ra cor­po­ral de mo­vi­men­to, por exem­plo, o MMA em sua li­ga UFC.

Sei que há quem di­ga que es­sas ma­ni­fes­ta­ções não se­jam es­por­ti­vas, e eu ten­do a di­zer que são es­por­te sim, só não são olím­pi­cas, mui­to em­bo­ra al­gu­mas téc­ni­cas ve­nham das mui­tas ar­tes mar­ci­ais e es­por­tes de com­ba­te pre­sen­tes no pro­gra­ma olím­pi­co.

E vou além. Há que se lem­brar que o pu­gi­la­to, os pri­mór­di­os do bo­xe, fa­zia par­te do pro­gra­ma olím­pi­co dos Jo­gos da An­ti­gui­da­de. E, sen­do os atle­tas os me­lho­res sol­da­dos, es­ses lu­ta­do­res eram for­ma­dos e trei­na­dos na ar­te da lu­ta pa­ra ma­tar ou mor­rer no cam­po de ba­ta­lha. Mas, nos Jo­gos Pú­bli­cos, as re­gras de­fi­ni­am quais gol­pes eram per­mi­ti­dos e até on­de a lu­ta po­dia che­gar.

A no­bre­za do lu­ta­dor-atle­ta era mol­da­da por prin­cí­pi­os mo­rais, tam­bém co­nhe­ci­dos co­mo va­lo­res. Na­que­le mo­men­to, as com­pe­ti­ções atlé­ti­cas, mais do que ser uma dis­pu­ta con­tra o ou­tro, re­pre­sen­ta­va a su­pe­ra­ção de si mes­mo. E o ad­ver­sá­rio era uma pre­sen­ça de­ter­mi­nan­te pa­ra se al­can­çar es­se ob­je­ti­vo.

A de­ca­dên­cia so­ci­al le­vou con­si­go os va­lo­res mo­rais das prá­ti­cas atlé­ti­cas. Do pu­gi­la­to de­ri­vou o pan­crá­cio, lu­ta que as­so­ci­a­va vá­ri­as téc­ni­cas. Re­ti­ra­do dos jo­gos ce­le­bra­ti­vos, foi le­va­do às are­nas pú­bli­cas, on­de os atle­tas tor­na­ram-se gla­di­a­do­res e pas­sa­ram a lu­tar pe­la pró­pria vi­da, uma vez que os com­ba­tes du­ra­vam até que um dos lu­ta­do­res pe­re­ces­se.

Ob­ser­vo que na atu­a­li­da­de as lutas exer­cem gran­de fas­cí­nio em di­fe­ren­tes pú­bli­cos. O ima­gi­ná­rio en­vol­vi­do nas lutas aca­ba por evo­car um uni­ver­so mí­ti­co que per­mi­te emer­gir to­da or­dem de sel­va­ge­ria e cri­a­tu­ras mons­tru­o­sas.

Nes­sa for­ma de dis­pu­ta pre­va­le­ce uma es­tru­tu­ra ma­ni­queís­ta on­de, ob­vi­a­men­te, os mo­ci­nhos ga­nham dos ter­rí­veis vi­lões. Es­sa es­tru­tu­ra bi­ná­ria re­for­ça a ló­gi­ca de um ser hu­ma­no com po­de­res su­pre­mos que ani­qui­la o ad­ver­sá­rio mais fra­co, um per­de­dor.

Co­mo sou edu­ca­do­ra e pro­mo­vo va­lo­res pe­lo es­por­te, cus­to a en­ten­der e as­si­mi­lar es­sa ló­gi­ca. Fe­liz­men­te co­nhe­ço um pou­co da his­tó­ria do es­por­te e das ar­tes mar­ci­ais. No Ori­en­te, a for­ma­ção dos mon­ges e a clas­se dos Sa­mu­rais são al­guns exem­plos da for­ma­ção de lu­ta­do­res. Pa­ra es­ses gru­pos, a for­ma­ção pa­ra o com­ba­te es­ta­va as­so­ci­a­da a ri­tu­ais re­li­gi­o­sos, ao es­ta­be­le­ci­men­to de pa­drões de com­por­ta­men­to e a uma éti­ca par­ti­cu­lar.

Pa­ra o trei­na­men­to eram uti­li­za­das for­mas mais bran­das e me­nos vi­o­len­tas de com­ba­te, o que per­mi­tiu a tran­si­ção pa­ra a atu­al es­por­ti­vi­za­ção.

Ji­go­ro Ka­no, o pa­tro­no do judô, as­sim co­mo Gishin Fu­na­goshi, o pa­tro­no do ca­ra­tê, ten­ta­ram evi­tar a in­clu­são des­sa mo­da­li­da­de no pro­gra­ma olím­pi­co pe­lo re­ceio de que to­do o con­jun­to de va­lo­res atre­la­do àque­las ar­tes mar­ci­ais se tor­nas­sem ape­nas um com­ba­te. En­ten­di­am que o judô era um ca­mi­nho pa­ra mui­tas coi­sas, prin­ci­pal­men­te pa­ra a edu­ca­ção, por is­so evi­tou o quan­to pô­de fa­zer da lu­ta ape­nas uma bri­ga.

Co­mo de­fi­nir a atra­ção prin­ci­pal do UFC 229? Lu­ta ou bri­ga? Agres­si­vi­da­de ou vi­o­lên­cia? O es­pe­tá­cu­lo mi­diá­ti­co que en­vol­veu os dois me­lho­res lu­ta­do­res da atu­a­li­da­de le­van­ta es­sas ques­tões.

Cla­ro es­tá que am­bos es­ta­vam su­fi­ci­en­te­men­te bem trei­na­dos pa­ra en­fren­tar a com­pe­ti­ção. En­tre­tan­to, des­co­la­dos da di­men­são éti­ca que en­vol­ve o es­por­te, e ma­ni­pu­la­dos pe­la es­tru­tu­ra es­pe­ta­cu­lar do even­to, o com­ba­te tor­nou-se um cam­po de dis­pu­ta imo­ral. O es­tran­gu­la­men­to le­vou a um cam­peão, mas fez uma lu­ta sem ven­ce­do­res. É o que acon­te­ce quan­do fal­ta o va­lor res­pei­to à com­pe­ti­ção e ao ad­ver­sá­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.