Mor­de e as­so­pra

Folha de S.Paulo - - Opinião - Ju­li­an­na Sofia

Alheio ao mau agou­ro do ane­do­tá­rio po­lí­ti­co so­bre sen­tar-se na ca­dei­ra an­tes do re­sul­ta­do das ur­nas, Jair Bol­so­na­ro es­ca­la in­tre­pi­da­men­te a ram­pa do Pa­lá­cio do Pla­nal­to ao anun­ci­ar três mi­nis­tros es­tra­té­gi­cos de seu go­ver­no vir­tu­al. O eco­no­mis­ta Pau­lo Gu­e­des (Fa­zen­da/Pla­ne­ja­men­to), o de­pu­ta­do Onyx Lo­ren­zo­ni (Ca­sa Ci­vil) e o ge­ne­ral da re­ser­va Au­gus­to He­le­no (De­fe­sa). Ou­tros seis no­mes já apa­re­cem co­mo fa­vo­ri­tos pa­ra com­por o mi­nis­té­rio en­xu­to do can­di­da­to do PSL, que de­ve­rá ter 15 pas­tas.

As­sim co­mo as in­di­ca­ções pre­co­ces —a du­as se­ma­nas do se­gun­do tur­no das elei­ções—, sur­gem di­ver­gên­ci­as pre­ma­tu­ras e na­da tri­vi­ais so­bre o ru­mo de pro­je­tos do even­tu­al no­vo go­ver­no. A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia é o me­lhor exem­plo da ba­te­ção de ca­be­ça ins­ta­la­da nas trin­chei­ras do ca­pi­tão re­for­ma­do.

Gu­e­des in­sis­te em apro­vei­tar a pro­pos­ta de Mi­chel Te­mer, que dor­mi­ta no Con­gres­so des­de o fi­nal de 2016, vo­tan­do-a já nes­te ano. Se­ria um pri­mei­ro pas­so den­tro do pla­no de fa­ti­ar as mu­dan­ças nas re­gras de apo­sen­ta­do­ria, com vis­tas a um re­gi­me de ca­pi­ta­li­za­ção.

O roteiro já foi de­sau­to­ri­za­do pe­la Ca­sa Ci­vil de Lo­ren­zo­ni, que es­cu­la­cha o tex­to-le­ga­do do eme­de­bis­ta. Bol­so­na­ro tam­bém des­me­re­ce a re­for­ma de Te­mer. Quer uma dis­cus­são mais de­va­gar e con­sen­su­al so­bre o te­ma e diz ser pri­o­ri­da­de aca­bar com pri­vi­lé­gi­os do fun­ci­o­na­lis­mo.

Em 2019, se elei­to, o go­ver­no bol­so­na­ris­ta amar­ga­rá um dé­fi­cit pre­vi­den­ciá­rio de R$ 218 bi­lhões, e as des­pe­sas com be­ne­fí­ci­os do INSS atin­gi­rão 45% do gas­to to­tal. Ne­nhu­ma re­for­ma te­rá o con­dão de re­ver­ter o gi­gan­tis­mo das ci­fras de ime­di­a­to, mas a de­mo­ra na apro­va­ção ou a op­ção por re­gras mui­to gra­du­a­lis­tas pou­co con­tri­bui­rá pa­ra con­ter a es­ca­la­da ex­plo­si­va da dí­vi­da pú­bli­ca.

É ce­do pa­ra sa­ber se, de fa­to, Gu­e­des per­deu o em­ba­te. Até o dia 28, o ar­ti­fí­cio dú­bio do mor­de e as­so­pra pa­re­ce um meio efi­caz de, si­mul­ta­ne­a­men­te, ga­ran­tir vo­tos e evi­tar acu­sa­ções fu­tu­ras de es­te­li­o­na­to elei­to­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.