Re­no­va­ção po­de cres­cer

Re­gra con­tra na­ni­cos po­de mu­dar ra­di­cal­men­te o ce­ná­rio par­ti­dá­rio bra­si­lei­ro

Folha de S.Paulo - - Eleições 2018 - Da­ni­el Fal­cão Ad­vo­ga­do e pro­fes­sor dou­tor de di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal do IDP – Ins­ti­tu­to Bra­si­li­en­se de Di­rei­to Pú­bli­co

A gran­de re­no­va­ção ve­ri­fi­ca­da na elei­ção pa­ra o Con­gres­so Na­ci­o­nal em 2018 tem va­ri­a­das ex­pli­ca­ções po­lí­ti­cas e so­ci­o­ló­gi­cas. O cres­ci­men­to da di­rei­ta po­de ser ain­da mai­or, em ra­zão de re­gras cons­ti­tu­ci­o­nais que fo­ram cri­a­das jus­ta­men­te pa­ra bar­rar a par­ti­ci­pa­ção elei­to­ral e con­gres­su­al de par­ti­dos po­lí­ti­cos na­ni­cos co­mo era, por exem­plo, o PSL de Jair Bol­so­na­ro até do­min­go (7).

A cláu­su­la de bar­rei­ra, clas­si­ca­men­te, é um me­ca­nis­mo que im­pe­de a elei­ção de par­la­men­ta­res oriun­dos de par­ti­dos com pe­que­na re­pre­sen­ta­ção no Po­der Le­gis­la­ti­vo. No Bra­sil, a ado­ção des­se ins­tru­men­to sem­pre foi em um mo­do mais tem­pe­ra­do.

Em 2006, pre­via-se que o par­ti­do po­lí­ti­co, pa­ra ul­tra­pas­sá-la, de­ve­ria ter ao me­nos 5% dos vo­tos vá­li­dos pa­ra a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos em to­do o país, dis­tri­buí­dos em pe­lo me­nos no­ve es­ta­dos, com um mí­ni­mo de 2% do to­tal em ca­da um de­les.

O par­ti­do que não atin­gis­se a cláu­su­la per­de­ria di­rei­to ao fun­ci­o­na­men­to par­la­men­tar, ou se­ja, te­ria de­pu­ta­dos que não po­de­ri­am par­ti­ci­par de co­mis­sões e fi­ca­ri­am sem li­de­ran­ça par­ti­dá­ria den­tro do Con­gres­so.

O STF, por una­ni­mi­da­de, en­ten­deu ser in­cons­ti­tu­ci­o­nal es­sa cláu­su­la, já que po­de­ría­mos ter na prá­ti­ca par­la­men­ta­res com me­nos prer­ro­ga­ti­vas no exer­cí­cio de seus man­da­tos.

No bo­jo da re­for­ma po­lí­ti­ca fei­ta em 2017, foi apro­va­da, des­sa vez por emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal, uma no­va cláu­su­la de bar­rei­ra. Des­sa vez, não se afe­ta­ria de ne­nhu­ma for­ma o fun­ci­o­na­men­to par­la­men­tar de qual­quer par­ti­do, mas, sim, sua atu­a­ção elei­to­ral e sua pró­pria exis­tên­cia.

Já nas elei­ções de 2018, os par­ti­dos que não atin­gis­sem 1,5% dos vo­tos vá­li­dos pa­ra a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos em to­do o país, dis­tri­buí­dos em pe­lo me­nos no­ve es­ta­dos, com um mí­ni­mo de 1% do to­tal em ca­da um de­les ou ele­ges­sem ao me­nos no­ve de­pu­ta­dos fe­de­rais dis­tri­buí­dos tam­bém em no­ve es­ta­dos per­dem o di­rei­to a fa­zer pro­pa­gan­da no ho­rá­rio elei­to­ral gra­tui­to no rá­dio e na te­le­vi­são. Além dis­so, dei­xam de re­ce­ber a par­tir de 2019 mais re­cur­sos do fun­do par­ti­dá­rio.

Des­sa for­ma, o par­ti­do po­de con­ti­nu­ar exis­tin­do e seus par­la­men­ta­res elei­tos po­de­rão ser de­pu­ta­dos e se­na­do­res nor­mal­men­te, mas o par­ti­do po­lí­ti­co que não ul­tra­pas­sou a cláu­su­la es­tá, na ver­da­de, con­de­na­do ao na­nis­mo ou até mes­mo à ex­tin­ção. Al­gu­mas agre­mi­a­ções es­tão pla­ne­jan­do fu­sões pa­ra jun­tas res­pei­ta­rem es­se me­ca­nis­mo cons­ti­tu­ci­o­nal.

Por ou­tro la­do, a pró­pria emen­da que cri­ou a cláu­su­la traz ou­tros dis­po­si­ti­vos que se­rão a pá de cal nos par­ti­dos pe­que­nos: pri­mei­ra­men­te, nas pró­xi­mas três elei­ções fe­de­rais a di­fi­cul­da­de au­men­ta­rá e, ao fi­nal, em 2030 a cláu­su­la se­rá bem mais di­fí­cil de ser cum­pri­da, ha­ven­do a ex­pec­ta­ti­va de que pou­cos par­ti­dos con­si­gam su­pe­rá-la.

Ade­mais, a Cons­ti­tui­ção abre uma ex­ce­ção à re­gra da fi­de­li­da­de par­ti­dá­ria: os par­la­men­ta­res elei­tos por par­ti­dos que não cum­pri­ram a cláu­su­la po­dem mu­dar de agre­mi­a­ção sem qual­quer ame­a­ça de per­da de seus man­da­tos.

As­sim, par­ti­dos que su­pe­ra­ram a cláu­su­la de bar­rei­ra em 2018 — tra­di­ci­o­nais ou não — re­ce­be­rão uma gran­de le­va de par­la­men­ta­res em fe­ve­rei­ro de 2019, lo­go após a pos­se dos no­vos con­gres­sis­tas, em es­pe­ci­al aque­les que fi­ze­rem par­te do no­vo go­ver­no a ser elei­to no úl­ti­mo do­min­go de ou­tu­bro.

E sal­vo uma no­va mu­dan­ça na Cons­ti­tui­ção, ve­re­mos ou­tras fu­sões e mais par­ti­dos pe­re­cen­do em ra­zão da ex­ce­ção à fi­de­li­da­de par­ti­dá­ria em 2022, 2026 e 2030, em um fenô­me­no que po­de mu­dar ra­di­cal­men­te o ce­ná­rio par­ti­dá­rio bra­si­lei­ro cri­a­do des­de o fim do bi­par­ti­da­ris­mo, em 1979.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.