Tur­quia li­ber­ta pas­tor pivô de cri­se com EUA

Ten­são com go­ver­no Trump por pri­são apro­fun­dou cri­se econô­mi­ca no país; re­li­gi­o­so foi con­de­na­do por ter­ro­ris­mo

Folha de S.Paulo - - Mundo - AFP, As­so­ci­a­ted Press e Reu­ters

A Jus­ti­ça da Tur­quia de­ter­mi­nou nes­ta sex­ta-fei­ra (12) a li­be­ra­ção do pas­tor evan­gé­li­co ame­ri­ca­no An­drew Brun­son e sus­pen­deu su­as res­tri­ções de vi­a­gem, per­mi­tin­do seu re­tor­no aos Es­ta­dos Uni­dos, co­mo exi­gia o pre­si­den­te Do­nald Trump. A pri­são do re­li­gi­o­so le­vou a san­ções econô­mi­cas que fo­ram o pivô pa­ra a cri­se fi­nan­cei­ra tur­ca.

Lí­der de uma igre­ja em Es­mir­na, no oes­te do país, por mais de 20 anos, o re­li­gi­o­so es­ta­va ha­via dois anos pre­so acu­sa­do de ter­ro­ris­mo. Ele foi re­la­ci­o­na­do ao Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res do Cur­dis­tão (PKK), con­si­de­ra­do um gru­po ter­ro­ris­ta por Tur­quia, EUA e União Eu­ro­peia.

As au­to­ri­da­des tur­cas tam­bém o li­ga­ram ao mo­vi­men­to Hiz­met, do lí­der is­la­mi­ta Fethul­lah Gü­len, acu­sa­do pe­lo man­da­tá­rio tur­co, Re­cep Tayyip Er­do­gan, de ser o man­dan­te da ten­ta­ti­va de gol­pe con­tra ele, em ju­lho de 2016.

Foi em um dos ex­pur­gos de­cor­ren­tes do le­van­te, em ou­tu­bro, que Brun­son foi pre­so. Sem ser sen­ten­ci­a­do, o pas­tor pas­sou 21 me­ses na ca­deia.

O re­gi­me se­ria con­ver­ti­do pa­ra pri­são do­mi­ci­li­ar em ju­lho, na mes­ma épo­ca em que Trump ame­a­çou apli­car san­ções de­vi­do à pri­são e do­brar as ta­ri­fas a im­por­ta­ções de alu­mí­nio e aço tur­cos.

A me­di­da não sa­tis­fez o re­pu­bli­ca­no: ele ofi­ci­a­li­zou as pu­ni­ções, que apro­fun­da­ram a des­va­lo­ri­za­ção da li­ra tur­ca. A moeda per­deu 45% de seu va­lor no ano, che­gan­do à co­ta­ção má­xi­ma de 7,24 em re­la­ção ao dó­lar —o câm­bio fe­chou em 5,87 nes­ta sex­ta.

Brun­son foi con­de­na­do ofi­ci­al­men­te a três anos, um mês e 15 di­as de pri­são. Os juí­zes, po­rém, de­ci­di­ram li­be­rá-lo em de­fi­ni­ti­vo pe­lo tem­po de­ti­do e por bom com­por­ta­men­to. O cri­me de ter­ro­ris­mo tem pe­na má­xi­ma de 35 anos.

Em sua úl­ti­ma de­cla­ra­ção an­tes do ve­re­dic­to, o pas­tor cho­rou en­quan­to ten­ta­va se de­fen­der. “Na nos­sa igre­ja nós aju­da­mos a to­dos, cur­dos, ára­bes, sem ne­nhum ti­po de dis­cri­mi­na­ção. Sou um ho­mem ino­cen­te. Eu amo Je­sus. Eu amo a Tur­quia”, dis­se.

De­pois do jul­ga­men­to, abra­çou cho­ran­do sua mu­lher, No­ri­ne, que o acom­pa­nha­va. Ele vol­tou pa­ra ca­sa e foi le­va­do na sequên­cia pa­ra o ae­ro­por­to de Es­mir­na, de on­de par­tiu em avião pri­va­do pa­ra a ba­se ame­ri­ca­na de Ramms­tein, na Ale­ma­nha, on­de fi­ca­rá por um dia an­tes de ir aos EUA.

“É o dia pe­lo qual nos­sa fa­mí­lia vem re­zan­do. Es­tou en­can­ta­do de es­tar a ca­mi­nho de ca­sa nos Es­ta­dos Uni­dos”, de­cla­rou Brun­son, em no­ta.

“Nós es­ta­mos chei­os de ale­gria que Deus res­pon­deu as ora­ções de tan­ta gen­te de to­do o mun­do”, dis­se Pam Brun­son, mãe do pas­tor, que mo­ra em Black Moun­tain, no es­ta­do ame­ri­ca­no da Ca­ro­li­na do Nor­te, em en­tre­vis­ta à agên­cia de no­tí­ci­as Reu­ters.

Trump co­me­mo­rou a li­ber­ta­ção e dis­se que de­ve re­ce­ber o pas­tor na Ca­sa Bran­ca nes­te sá­ba­do (13). “Bo­as no­tí­ci­as. O pas­tor Brun­son já es­tá no ar”, dis­se an­tes de um even­to de cam­pa­nha em Cin­ci­nat­ti.

Qu­es­ti­o­na­do so­bre a re­ti­ra­da das san­ções e das ta­ri­fas, Trump dis­se que não hou­ve ne­nhum acor­do com as au­to­ri­da­des tur­cas pa­ra per­mi­tir a li­ber­ta­ção do pas­tor.

A de­fe­sa da li­ber­ta­ção de Brun­son pe­lo re­pu­bli­ca­no veio prin­ci­pal­men­te de­vi­do à pres­são de se­to­res evan­gé­li­cos que o apoi­a­ram na cam­pa­nha elei­to­ral e têm re­la­ções pró­xi­mas com dois mem­bros de seu ga­bi­ne­te: o se­cre­tá­rio de Es­ta­do, Mi­ke Pom­peo, e o vi­ce-pre­si­den­te, Mi­ke Pen­ce.

As san­ções fo­ram apli­ca­das após reu­nião de Pom­peo com o chan­ce­ler tur­co, Me­vlut Ca­vu­so­glu, em ju­lho pas­sa­do. As ta­ri­fas aos me­tais fo­ram anun­ci­a­das em 10 de agos­to.

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, a ten­são di­mi­nuiu en­tre os dois paí­ses. En­quan­to o se­cre­tá­rio de Es­ta­do di­zia que a li­ber­ta­ção de Brun­son ocor­re­ria lo­go, Er­do­gan ma­ni­fes­tou sua dis­po­si­ção a re­sol­ver os pro­ble­mas com os EUA em­bo­ra te­nha cri­ti­ca­do o uso das san­ções.

Os EUA têm ou­tros ci­da­dãos pre­sos na Tur­quia, co­mo o ci­en­tis­ta da Na­sa Ser­kan Göl­ge e dois em­pre­ga­dos tur­cos do cor­po di­plo­má­ti­co ame­ri­ca­no.

Por ou­tro la­do, a Tur­quia pe­de a ex­tra­di­ção de Gü­len, que des­de 1999 mo­ra no es­ta­do da Pen­sil­vâ­nia.

Ou­tro ca­so que ali­men­ta a ten­são en­tre os dois paí­ses é o do ban­co Halk­bank, cu­jo ex­vi­ce-di­re­tor-ge­ral Meh­met Ha­kan Atil­la, foi con­de­na­do pe­la Jus­ti­ça dos EUA 2 anos e 8 me­ses de pri­são por não res­pei­tar as san­ções econô­mi­cas ame­ri­ca­nas con­tra o Irã.

A re­la­ção tam­bém es­tá es­tre­me­ci­da do la­do mi­li­tar. Ali­a­dos dos EUA na Otan, os tur­cos pre­ten­dem com­prar um sis­te­ma an­ti­mís­seis da Rús­sia.

Em­bo­ra a ten­são es­te­ja ele­va­da, a li­ber­ta­ção tam­bém po­de­rá aju­dar a Tur­quia, le­van­do as au­to­ri­da­des a con­cen­tra­rem es­for­ços na cri­se di­plo­má­ti­ca com a Ará­bia Sau­di­ta de­vi­do ao de­sa­pa­re­ci­men­to do jor­na­lis­ta Ja­mal Khashog­gi (leia tex­to abai­xo).

AFP

An­drew Brun­son (à es­quer­da) é le­va­do por agen­tes e ad­vo­ga­dos a sua ca­sa em Es­mir­na, no oes­te da Tur­quia, após ser li­ber­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.