Re­pór­ter faz sua es­treia fo­ra do as­fal­to na pi­or trilha dos EUA

Tes­te de ji­pe Wran­gler acon­te­ce em es­tra­da de pe­dras com ní­vel 10 de di­fi­cul­da­de

Folha de S.Paulo - - Sobrerodas - Ivan Fi­not­ti Fo­tos Di­vul­ga­ção O jor­na­lis­ta vi­a­jou a con­vi­te da Je­ep

Por mui­tos anos eu des­con­fi­ei que al­gu­ma coi­sa es­ta­va er­ra­da ao ler so­bre au­to­mo­bi­lis­mo nas pá­gi­nas do ca­der­no Es­por­te. Afi­nal, o ca­ra dá umas pi­sa­das no bre­que, ou­tras no ace­le­ra­dor e fi­ca gi­ran­do a di­re­ção, que, ain­da por ci­ma, é hi­dráu­li­ca ou elé­tri­ca.

Qual se­ria o es­por­te es­con­di­do nis­so, se to­do o es­for­ço fí­si­co pa­re­ce vir do mo­tor?

Bo­ba­gens as­sim pas­sa­vam pe­la mi­nha ca­be­ça quan­do che­guei à trilha Ru­bi­con, ao la­do do La­ke Tahoe, nor­te da Ca­li­fór­nia. Tra­ta-se de uma fa­mo­sa es­tra­di­nha de pe­dras com cer­ca de 30 quilô­me­tros e ní­vel 10 de di­fi­cul­da­de, o má­xi­mo na ta­be­la dos ji­pei­ros.

A fa­bri­can­te Je­ep ba­ti­zou uma ver­são do no­vo Wran­gler co­mo Ru­bi con,eé pa­ra o lan­ça­men­to des­se­mo de lo­que a Fo­lha foi con­vi­da­da.

O ní­vel 10 não me as­sus­ta. Va­mos di­ri­gir por 8 ho­ras até um acam­pa­men­to, dor­mir e vol­tarp ara­mais qua­tro ho­ras de trilha. Nos­sa­vel oci­da­de­se rá ame­ta­de da deu ma pes­soa an­dan­do.

Uma sé­rie de au­xi­li­a­res se es­pa­lha pe­lo ca­mi­nho pa­ra nos ori­en­tar. São 10h e o ca­lor che­ga a 30°C. O lo­cal é ári­do. Nos­so car­ro, por sor­te,é fe­cha­do e tem ar-con­di­ci­o­na­do.

Só que eu es­ta­va bem er­ra­do. Na pri­mei­ra meia hora, avan­ça­mos so­bre uma es­tra­da em que não ha­via ter­ra, ape­nas pe­dras, to­das elas do ta­ma­nho de be­bês gor­dos.

O car­ro sa­co­le­ja­va tan­to que meu cé­re­bro era ar­re­mes­sa- do pa­ra to­do la­do den­tro da cai­xa cra­ni­a­na, co­mo se fos­se uma bo­la de rúg­bi.

Mi­nha ca­be­ça co­me­çou a do­er e meu hu­mor, an­tes neu­tro, pas­sou pa­ra le­ve­men­te ir­ri­ta­do e lo­go pa­ra a au­to­co­mi­se­ra­ção. On­de eu ha­via me me­ti­do?

Os ji­pei­ros são um gru­po bem es­pe­cí­fi­co de pes­so­as. Eles se reú­nem nos fins de se­ma­na pa­ra co­lo­car seus car­ros em tri­lhas de pe­dras, la­ma ou areia e se di­ver­tem na mes­ma pro­por­ção dos pro­ble­mas em que se me­tem. Sem­pre vão em gru­pos por­que um ou ou­tro car­ro vai que­brar e pre­ci­sar ser re­bo­ca­do.

Meu par­cei­ro de vi­a­gem no Wran­gler é um des­ses há 15 ou 18 anos, ele não sa­be bem. Pe­la ex­pe­ri­ên­cia, lo­go per­ce­beu meu des­con­for­to. “Ve­nha di­ri­gir, vai se sen­tir me­lhor.”

É ver­da­de. Quan­do a gen­te es­tá no vo­lan­te, tem me­lhor no­ção de quan­do e pa­ra que la­do o car­ro vai ba­lan­çar, o que di­mi­nui o pro­ble­ma.

Após umas du­as ho­ras nas pe­dras-be­bês, che­ga­mos às gran­des ro­chas. Aqui são do ta­ma­nho de um so­fá, ou se­ja, al­go que nin­guém ten­ta­ria trans­por com um car­ro. Mas os ji­pei­ros ten­tam.

So­be com a ro­da di­rei­ta nes­sa aqui, a ro­da es­quer­da fi­ca no ar, vai em fren­te, cras­s­shhh, nhééééé, o fun­do do car­ro es­tá ras­pan­do in­tei­ri­nho na pe­dra, ago­ra a ro­da di­an­tei­ra es­quer­da al­can­çou o chão. O ji­pe es­tá com­ple­ta­men­te tor­to no ar e, upa, cai pa­ra a es­quer­da. O es­ca­pa­men­to foi es­ma­ga­do.

O au­xi­li­ar dá um ok: “Per­fei­to, óti­mo tra­ba­lho.” A gen­te se­gue e a fi­la in­di­a­na an­da.

É nes­te mo­men­to que per­ce­bo o enor­me es­for­ço fí­si­co que es­tou fa­zen­do na di­re­ção. A ten­são é tan­ta que meus de­dos es­tão su­an­do. Tal­vez por es­tar ar­re­ben­tan­do um car­ro de R$ 200 mil nas pe­dras ou es­tar com me­do de fa­zer tu­do er­ra­do e pre­ci­sar ser re­bo­ca­do? Que hu­mi­lha­ção...

An­da­mos a 2 ou 3 km/h com to­das as ro­das li­ga­das à trans­mis­são, o fa­mo­so 4x4, e o tem­po to­do em mar­cha re­du­zi­da. Is­so con­fe­re o do­bro de for­ça ao car­ro da Je­ep.

O Wran­gler tem tec­no­lo­gi­as ex­tra­ter­res­tres: dá pa­ra des­li­gar o di­fe­ren­ci­al tra­sei­ro ou am­bos, dei­xar as ro­das não pa­ra­le­las, che­car no pai­nel as in­cli­na­ções em que o ji­pe se en­con­tra... E ou­tras mun­da­nas: o sis­te­ma que es­quen­ta os ban­cos e o vo­lan­te me cha­mou a aten­ção.

A cer­ta al­tu­ra, um cu­ri­o­so ce­mi­té­rio: uma dú­zia de en­tu­si­as­tas da Ru­bi­con, com lá­pi­des que da­tam des­de 1975, en­fei­ta­das com por­cas e pa­ra­fu­sos, des­can­sa bem no meio de sua trilha pre­fe­ri­da.

Após o ce­mi­té­rio, che­ga­mos à ter­cei­ra fa­se mi­ne­ral, que eu con­si­de­ra­va im­pos­sí­vel: o Je­ep Wran­gler vai es­ca­lar pa­re­des. Es­tá cer­to que não é a pa­re­de em 90 graus da sua ca­sa, mas a en­tra­da pa­ra o platô à nos­sa fren­te tem mais de um me­tro de al­tu­ra.

Es­ta­mos ago­ra di­an­te de for­ma­ções do ta­ma­nho do pró­prio au­to­mó­vel. E en­fi­an­do uma ro­da aqui, a ou­tra ali, meio que qua­se tom­ban­do, o car­ro se ele­va. Nem é pre­ci­so di­zer “não ten­te fa­zer is­so com seu car­ro”, pois se­ria des­pro­po­si­ta­do.

A noi­te no acam­pa­men­to foi con­ge­lan­te, a 3°C. E a vol­ta foi pi­or que a vin­da: pa­ra des­cer, a for­ça da gra­vi­da­de es­tá te em­pur­ran­do jun­to, achei mais pe­ri­go­so. Hou­ve quem achou mais fá­cil. Pa­ra ser sin­ce­ro, foi uma mais di­fí­cil que a ou­tra.

1 Ji­pes Wran­gler es­ta­ci­o­na­dos em tre­cho da trilha Ru­bi­con, na Ca­li­fór­nia 2 Uti­li­tá­ri­os se con­tor­cem pa­ra trans­por pe­dras du­ran­te a vi­a­gem 3 In­te­ri­or do mo­de­lo Je­ep, que é equi­pa­do com sis­te­ma de som e ar-con­di­ci­o­na­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.